Pesquisar
Close this search box.
/
/
A sua loja precisará misturar automação e espetáculo artístico

A sua loja precisará misturar automação e espetáculo artístico

Não basta ter robôs fazendo tudo, a loja do futuro precisa atender os desejos mais primitivos das pessoas: pertencimento e autenticidade

Apesar de não ser um país dado às artes plásticas, o Brasil experimentou um boom de idas a exposições artísticas nos últimos anos. Em 2016, por exemplo, a exposição campeã foi “O triunfo da cor”, vista por quase 800 mil pessoas e que trazia obras de Van Gogh, Gauguin, Toulouse-Lautrec, Cézanne e Matisse.

No mesmo ano, “Castelo Rá-Tim-Bum: A exposição”, no Museu da Imagem e do Som (MIS) também foi um sucesso de público. Em 2014, o Instituto Tomie Ohtake ficou repleto de visitantes para acompanhar a obra da artista contemporânea japonesa Yayoi Kusama, até então desconhecida do público brasileiro amplo.

O que todas essas exposições tinham em comum que levaram tantas pessoas a um lugar geralmente pouco frequentado pelos brasileiros? O apelo da imagem e o engajamento que elas geram. Essa característica reuniu Van Gogh, Cézanne, Kusama e o Doutor Victor no mesmo lugar, as redes sociais.

Exposição “Obsessão infinita”, de 2014, retratou a obra de Yayoi Kusama. Prato cheio para posts nas redes sociais 

O estudo “O futuro das Experiências”, divulgado pelo portal Trend Watching, discute como fotos, vídeos, stories e outros conteúdos com forte apelo imagético geram não só mais interação como mais informações que serão lidas pelas máquinas e transformadas em insights para novas experiências a serem entregues ao consumidor.

Segundo o estudo, a Economia da Experiência em 2019 pode parecer algo que a digitalização inventou, mas “está baseada fundamentalmente em verdades eternas da natureza humana”. As necessidades humanas são relacionadas a pertencimento dentro de uma comunidade, mas ao mesmo tempo de autenticidade e personalização (que torna a unidade diferente do todo). Isso tudo conectado pela atividade lúdica.

A questão é: como criar experiências que explorem essas características humanas primitivas que continuam a impulsionar o nosso comportamento na era digital?

Automação e experiência. Sim, é possível!

A discussão sobre a implementação de robôs no trato com o consumidor geralmente leva em conta se as pessoas estão procurando mais eficiência ou experiência. Segundo os autores do estudo, o espetáculo de automação é a tendência que representa “o crepúsculo dessa divisão entre experiências automatizadas e mágicas. Porque o espetáculo de automação é sobre experiências pessoais alimentadas por automação que também são imersivas, atraentes e mágicas por si mesmas”.

O espetáculo de automação significa, portanto, experiências que combinam velocidade, precisão ou eficiência com diversão e prazer, como as exposições celebradas nos corredores dos museus brasileiros nos últimos anos, com experiência veloz e divertida, distante das experiências tradicionais, que pediam paciência e reflexão.

No mundo do varejo, algo nesse sentido pode ser visto nas lojas da Amazon Go e do Tao Café, rede de cafeterias do Grupo Alibaba, onde a tecnologia a automação não são só processos mais eficientes, mas um show a parte a ser observado pelo consumidor.

Amazon Go, em Seattle, nos EUA. Crédito: Reprodução/Facebook

 

Tao Cafe, do Alibaba, maior varejista da China (divulgação)

Segundo os autores, “os consumidores já estão tendo um vislumbre de como a automação e a magia podem ser combinadas”. A magia da aplicação das máquinas na experiência de compra é um poderoso aliado na tarefa de afastar dos seres humanos a ideia de que os robôs podem significar o prenúncio de tempos sombrios, com redução de empregos e renda.

Outro exemplo de loja automatizada capaz de gerar engajamento e experiência mágica é a House of Innovation 000, da Nike, em Nova York. O local, de seis andares, está localizada na Quinta Avenida e inclui um andar dedicado à comunidade de consumidores local, onde, os estoques e as prateleiras são abastecidos usando análise de dados das compras on-line, que permitem à Nike saber quais produtos deve disponibilizar para os consumidores. Em comunicado, a Nike afirma que a House of Innovation 000 deve ser capaz de “se comunicar com sua cidade por meio de pessoas e serviços digitais, convidando a uma conversa sincronizada com o cliente”.

Outros recursos da loja incluem armários na loja, onde os membros do NikePlus podem reservar itens via telefone e armazená-los, prontos para serem buscados sempre que for conveniente para o cliente.

A loja da Nike parece aperfeiçoar a proposta na qual a Amazon foi pioneira, de loja personalizada e automatizada. Apesar de ninguém bater a Amazon em automação, a questão da experiência é vista como ponto forte da Nike.

Com uma base de dados invejável sobre o comportamento de consumo, a fabricante de roupas e calçados devolve o sentido de consumo em comunidade em tempos de globalização ao dar o toque de personalização e autenticidade que os consumidores precisam. É, mais do que nunca, tempos de pertencer à multidão sem se perder dentro dela.

Confira a megastore da Nike na Quinta Avenida:

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]