Pesquisar
Close this search box.
/
/
Insegurança alimentar: app reduz preços nas compras de supermercado

Insegurança alimentar: app reduz preços nas compras de supermercado

O Facily foi fundamental na vida de milhares de brasileiros em situação de insegurança alimentar para reduzir as compras em supermercados

Há quem diga que a inovação vem dos momentos de maior necessidade. Não à toa, as ideias disruptivas se proliferam nas dores do consumidor e, portanto, em seus períodos de dificuldade. E para o consumidor do Brasil, isso fica ainda mais evidente com a situação atual econômica do País: o famoso jeitinho brasileiro encontra seu jeito de inovar e amenizar determinadas situações. A insegurança alimentar é uma delas.

Com as frequentes altas em supermercados, ir às compras ficou mais difícil justamente para quem mais precisa. O aumento dos preços veio, principalmente, em produtos que compõem a cesta básica, algo que afetou milhares de brasileiros e os integrou, infelizmente, a situação de insegurança alimentar — na qual a pessoa não consegue garantir que terá o que comer em um futuro próximo. E foi da necessidade de reduzir o valor investido no mercado que surgiram aplicativos que dividem compras de atacado, ou seja, tornam o produto mais barato.

No Brasil, o aplicativo mais utilizado para esse recurso foi o Facily: nada mais nada menos que uma plataforma que reúne um grupo de pessoas para comprar produtos com preço de atacado e dividi-los. Com mais de dois milhões de downloads nos dois primeiros anos de funcionamento do País, o app se tornou muito importante para fechar as contas dos brasileiros.

Insegurança alimentar: inovar para ter o que pôr no prato

Em linhas gerais, a atual situação do Brasil tem corroborado para que o País volte ao Mapa da Fome. Segundo estudo do Food for Justice, da Universidade Livre de Berlim, 59,4% das casas brasileiras estavam em situação de insegurança alimentar em abril de 2021. Foi nesse cenário que os aplicativos como o Facily se proliferaram por aqui.

Afinal, o aplicativo funciona de forma bastante prática: o grupo de pessoas pode tanto ser formado por pessoas desconhecidas quanto grupos de família, vizinhos e comunidades. A retirada do produto precisa ser feita pelas pessoas em locais indicados, o que também reduz os preços de forma geral.

Em entrevista à BBC Brasil, Diego Dzodan, presidente e fundador do Facily, destaca que a ideia veio dos social commerces da China. “Aprendemos estudando empresas chinesas. Esse modelo está muito desenvolvido por lá, onde é chamado de social commerce. Identificamos que o Brasil tem muito espaço nesse segmento e estamos crescendo de uma forma muito consistente desde março de 2020”, afirma.

Também em entrevista à BBC Brasil, Tânia Taylor Corrêa da Silva, de 34 anos, destaca que o uso da ferramenta foi fundamental para enfrentar as fases mais severas da pandemia. “Eu tenho três crianças e estou economizando muito nos gastos com leite. Compro uma caixa com 12 unidades por semana. Com o Facily, pago R$ 12. No mercado, custaria R$ 45″, comenta. “Eu recebo Bolsa Família e o pai da minha filha de 1 ano e 6 meses ajuda um pouco financeiramente, mas eu só tive condições de alimentá-la com a ajuda desse aplicativo.”

Tânia é uma das brasileiras responsáveis pelo abastecimento alimentício da casa que teve dificuldades financeiras durante a pandemia. Ela e outros milhares de cidadãos recorreram a outras alternativas fora dos supermercados tradicionais, como o aplicativo o contato direto com o produtor do alimento e a compra em grande quantidade para distribuição por meio de redes atacadistas.

Qual é o papel dos mercados?

E em um período marcado por redução de preços e alternativas para economizar, os supermercados também tiveram que dispor alternativas para manter os consumidores dentro de suas unidades. A grande questão é: em meio à crise econômica que vive o Brasil, o que os supermercados fazem para contribuir com a população mais carente — ou, ainda melhor, como eles contribuem com iniciativas como as da Facily?

Boa parte das compras feitas em aplicativos como o Facily são feitas ou diretamente com o produtor ou por meio de redes atacadistas. Em entrevista à Consumidor Moderno, Marco Oliveira, vice-presidente do Atacadão, destaca a necessidade de os mercados atacadistas estarem abertos a esse tipo de inovação, uma forma de favorecer quem realmente precisa do produto com melhor preço. Afinal, a redução da insegurança alimentar é um trabalho de todos.

“Aqui no Atacadão nós assumimos nosso papel de apoiar os pequenos comerciantes e empreendedores, que precisaram se reinventar buscando soluções na pandemia e para famílias que viram sua renda baixar neste cenário. Oferecemos preços acessíveis para itens alimentares e produtos de qualidade. Estamos sempre atentos às novidades digitais do mercado à medida que encontramos sinergias que possam beneficiar os nossos clientes com qualidade e preços justos”, destaca Marco.

Marco comenta, também, que ainda que haja aplicativos que melhorem a situação dentro da casa do brasileiro, os mercados também podem investir em maneiras para melhorar os preços sempre que possível. “A missão do Atacadão é oferecer acessibilidade a alimentos de qualidade a preços justos. Além disso, nós garantimos eficiência operacional, que é um atrativo ao cliente. Ao mesmo tempo que oferecemos preços acessíveis, assumimos um papel relevante como parceiros de pequenos comerciantes e empreendedores”, explica.

A estratégia do Atacadão, explica Marco, é ter em mãos bons fornecedores. “Por termos parcerias exclusivas com diversos fornecedores, conseguimos oferecer preços extremamente competitivos. Temos iniciativas comerciais que funcionam muito bem, como a Semana do Comerciante, por exemplo. Durante este período, colocamos diversos produtos em oferta em todas as nossas lojas para que o cliente possa fazer suas compras com tranquilidade, segurança e a garantia do melhor preço”, comenta.

No fim, é uma cadeira de recursos. E cada vez mais, os mercados precisam aderir às novas tecnologias do momento. “Os aplicativos de compras e entregas vieram para facilitar a vida e a rotina das pessoas”, complementa.


+ Notícias

Aplicativos de entrega de supermercados têm a maior entrada de novos shoppers durante a pandemia

Supermercados contratam para atender à demanda digital

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]