Pesquisar
Close this search box.
/
/
A humanização deve ser no gerúndio

A humanização deve ser no gerúndio

Aproxime-se de pessoas e, de preferência, de pessoas diversas e veja o próximo passo que o marketing vai dar!

Atuo em uma área nova chamada Marketing de Excelência e um dos pilares de construção desse movimento no marketing é a humanização. A ideia é buscar o entendimento de como conseguimos cada vez mais dar um próximo passo no marketing.

Durante muitos anos, o marketing estava totalmente focado no curto prazo, no produto e na performance. Por outro lado, a gente acompanhava constantemente a busca do consumidor por conexões reais e genuínas.

Leia mais: Estratégias para criar conexão emocional com o cliente

Isso é muito interessante porque notamos essa falta de sintonia quando fizemos um estudo global com diversas empresas lá em 2019 – ou seja, quase dois anos antes da pandemia.

Hoje, seria até meio óbvio dizer que o consumidor busca conexões, porque vimos que isso se fez necessário em função do isolamento social, mas naquele momento já tínhamos identificado essa real necessidade.

A humanização, então, passou a ser ainda mais relevante.

É bom notar que ela vem mapeada por diversas frentes de conceitos, teorias e práticas que a gente aplica.

Leia mais: Pare de pensar em produtos e comece a pensar em pessoas

Na Mondelez, por exemplo, trabalhamos a humanização, a qual chamamos de “Humaning”, por meio de cinco pilares que são norteadores desse processo de humanização do marketing e da jornada com o consumidor. Vamos a eles:

1) Ter marcas com propósito

É preciso saber qual o propósito da sua marca, para que ela está no mundo, a serviço do que, e qual legado ela pretende deixar.

2) Você fazer o produto certo

Não adianta ter uma marca e não cuidar da qualidade e da forma como você faz o seu produto.

3) As marcas deixam de ser ‘storytellers’ para se tornarem ‘storydoers’

Neste pilar da humanização, damos um passo contundente na criatividade. No mundo, já não cabe mais ter marcas que apenas falam. Nós, consumidores, buscamos marcas que fazem e constroem por nós.

4) A humanização dos dados

Como a gente consegue, por meio da tecnologia, humanizar os dados e não tornar uma relação automatizada, mas, sim, personalizada e com potencial para escalar.

5) Diversidade, equidade e inclusão

Ao redor de todos os pilares anteriores, este é o mais importante porque não dá para fazer construção de marca nem inovação sem essas três palavras mágicas. Afinal, é de pessoas que estamos falando e é para elas que entregamos os nossos produtos.

Em linhas gerais, essa é a forma como a Mondelez faz e trabalha a humanização.

Para tangibilizar esse processo podemos citar o caso de sucesso de Bis. Trata-se de uma marca já bastante conhecida que habita há muito tempo os lares dos consumidores brasileiros, principalmente os mais jovens.

Percebemos que tínhamos uma marca que precisava se atualizar e se aproximar cada vez mais das rodas de conversa dos seres humanos que a consomem.

Criamos, então, o “BISQUAD” – ou Squad de Bis – um grupo de pessoas que trabalham olhando, em primeiro lugar, tudo o que está rolando nas principais redes sociais, os trending topics e as conversas mais relevantes no Twitter, TikTok, Facebook e Instagram.

Entendemos que o nosso principal papel como marca não era falar que Bis é gostoso ou quantas unidades vêm na caixa – isso é uma consequência.

O que Bis queria e precisava fazer – e hoje faz de uma forma bacana – é participar e impulsionar as conversas.

Convido vocês a conhecer o Instagram de Bis e materializar o que estou dizendo. Eu adoro, morro de rir, me divirto com esse perfil.

Hoje, eu olho para a marca de um jeito muito diferente: não a enxergo como uma marca de chocolate que participa de momentos de compartilhamento, mas como uma marca que me faz rir e me faz também pensar e até ousar.

Ao compreendermos o contexto de consumo e o momento em que a gente vive, desenvolvemos uma plataforma criativa chamada “Abstinência”.

Isso significa que, na abstinência de Bis, em quantas situações você se deparou com aquelas cenas clássicas como “vai acabar!”, “é o último da caixinha?” e “quem pega!”.

Há uma série de exemplos de abstinência de Bis da vida real que foram trazidos pelos consumidores do produto, impulsionando essa roda de conversa.

Mais recentemente, fizemos uma parceria com a Netflix para “Stranger Things” a fim de posicionar Bis como um parceiro ideal para maratonar a série icônica.

Foi feito um trabalho de humanização com a marca e o envolvimento de produtos exclusivos que chegavam por meio de plataformas de delivery para assistir aos episódios em sequência.

BISQUAD é, portanto, um exemplo bem-sucedido de humanização, digitalização e contexto.

Sim, porque nada pior para uma marca do que você tentar humanizar, mas não ter o contexto da humanização – nesse caso, aquela humanização não funciona e não é relevante.

Não à toa, a humanização tem de ser no gerúndio – não no infinitivo.

Além disso, temos que falar sobre humanização. Sempre.

Precisamos manter o olhar para a humanização em todas as áreas de atuação e sempre colocar em xeque se aquilo está sendo ou não empático.

Refletirmos se, ao nos colocarmos no lugar do outro, gostaríamos que aquilo acontecesse com a gente, se aquilo nos representa.

Não existe outra forma de fazer isso a não ser nos aproximando do outro.

É muito difícil um ser humano, sozinho, dar conta de entender o que é a humanização.

Por isso, a diversidade é cada vez mais importante – seja no seu time, na sua marca ou na sua empresa.

Meu convite final é esse: se aproxime de pessoas e, de preferência, de pessoas diversas e veja o próximo passo que o marketing vai dar!


+ Artigos

O que sente o consumidor do futuro

Dados precisam ser traduzidos em insights significativos

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]