Pesquisar
Close this search box.
/
/
De home office a negociação coletiva: entenda a reforma trabalhista

De home office a negociação coletiva: entenda a reforma trabalhista

No próximo dia 11 entra em vigor a série de medidas da reforma trabalhista. Uma das novidades é o home office e também o autônomo exclusivo. Veja

A polêmica reforma trabalhista entra em vigor no próximo dia 11. Mas o que realmente está em jogo? Alguns especialistas dizem que a norma dará um fim a CLT, a Consolidação das Leis Trabalhistas. Na prática, isso não é verdade. A norma continua valendo e servirá de parâmetro para as mudanças que estão por vir – e não são poucas.

Confira a edição digital da revista Consumidor Moderno!

O fato é: a relação entre empresas e funcionários será transformada drasticamente. Uma dessas mudanças é o prestígio da norma pelo acordo coletivo entre empresas, sindicatos e o empregado. Agora, assuntos como salários, jornadas e a maneira como as pessoas vão trabalhar não dependerá do “ok” de um juiz – algo que normalmente acontece nos dias de hoje.

Para falar sobre essa e outras mudanças, a CONSUMIDOR MODERNO conversou com Marcos Untura Neto, especialista em direito processual do trabalho pela Escola da Direito da Fundação Getúlio Vargas (GVlaw) e Mestre pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP). Segundo ele, a norma surge para aproximar a lei da realidade das relações de trabalho. “A reforma foi pensada para adequar a legislação para a relação de trabalho nos dias de hoje. Estamos falando do chamado trabalho 4.0, que é uma relação baseada em uma prestação por projeto. Pessoas se vinculam cada vez menos porque o trabalho é menos manualizado e mais automatizado”, disse.

A seguir, veja o que diz o especialista sobre as principais mudanças na legislação:

Contrato de trabalho intermitente – “É a possibilidade do trabalhador se vincular por trabalhos pagos por hora. Isso atende trabalhadores que prestam serviços pontuais e até mesmo para mais de uma empresa. Nesse caso, não há carga horária. O que existe é uma convocação por trabalho. No entanto, para isso, há regras mínimas. A oferta de trabalho intermitente deve ser feita três dias antes da prestação do serviço. Já a resposta, deve ser dada pelo trabalhador em até um dia útil. Nesse modelo, a CLT é sempre a referência. No entanto, há uma relação de direito proporcional a hora trabalhada. O FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço), por exemplo, é pago por horas trabalhadas”.

Home Office – “A natureza do home Office (ou teletrabalho) é muita clara: trata-se de uma execução da atividade feita de maneira flexível. Na prática, é uma atividade menos intensa, que ajusta horários de trabalho e lazer da maneira mais conveniente para o trabalhador. Dentro dessa ideia, não existe a hora extra. É claro: se empresas cometerem abusos em jornada de 12 ou até 16 horas, isso poderá ser contestado na Justiça. Afinal, estamos de um profissional com carteira assinada”.

Trabalho parcial – “É o famoso meio período. Isso é uma relação que já existia, mas a lei em vigência tinha problemas na aplicação e não estimulava o seu uso na prática.  No Brasil, não existe esse hábito. Agora, a novidade é que temos regras bem definidas sobre esse assunto. O trabalho de meio período não poderá superar as 26 horas semanais. Além disso, há um limite para a quantidade de horas extras, que não poderá ser superior as seis horas na semana”.

Autônomo exclusivo – “Isso sempre foi permitido pela lei atual. Estamos falando de um regime de maior liberdade, sem subordinação. O vínculo se dá por meio de um contrato de prestação de serviço comum. Agora, a reforma criou o chamado autônomo exclusivo da empresa, ou seja, é uma pessoa que presta um serviço apenas para uma companhia. Por enquanto, não se tem clareza sobre esse assunto. Por isso, temos que esperar para ver a reação do mercado e do judiciário”.

Negociação coletiva – “A novidade é a ampliação no rol de temas que poderão ser abordadas na negociação coletiva entre sindicato, empresa e o funcionário. Isso confere maior poder de negociação. É preciso deixar claro que a negociação coletiva tem um limite, que é a Constituição Federal. Os direitos básicos não podem ser mexidos ou alterados. Eu não posso negar, por exemplo, o 13º salário para uma pessoa. Por outro lado, eu posso criar um novo formato de jornada ou uma nova forma de remuneração”.

Vedação da ultratividade das normas coletivas – “Esse é um tema importante, mas pouco discutido até o momento. Em linhas gerais, essa regra trata da validade de um acordo coletivo. Pela regra atual, funciona assim: eu estabeleço um acordo com validade de um ano. Se não for feito uma nova tratativa, fica valendo o acordo que expirou. Ocorre que isso cria certos comportamentos oportunistas. Tem gente que deixa de negociar em favor de algo mais benéfico. Hoje, sindicatos e empresas fazem isso, de acordo com a conveniência de cada um. Agora, a reforma fala que o acordo tem validade de um ano e ponto final. Na ausência de uma nova tratativa, fica valendo a CLT”.

Litigância trabalhista – “Essa é uma alteração no processo e não da reforma. Hoje, entrar com um processo é praticamente gratuito. É assim: ajusta-se apenas o valor do advogado e, no fim, não há cobrança das custas processuais. Se uma pessoa entra com uma ação na Justiça do Trabalho e sai sem uma sentença favorável, ele não paga o honorário pela regra atual. Isso é exatamente o contrário do que acontece na esfera cível, onde você paga esse custo. Ou seja, o ‘não’ a pessoa já tem. Eu vou em busca do ‘sim’. Isso criou um estímulo para a litigância na esfera trabalhista. Agora, o processo se equiparou ao processo civil: se eu perco, logo eu pago o honorário advocatício. Esse valor varia entre 5% e 15% sobre o valor da ação. No entanto, isso é válido apenas para pessoas que recebiam um salário superior a R$ 2,4 mil.

Dano moral – “Esse é um tema bem polêmico. Em suma, o dano moral terá como base de cálculo o salário da pessoa. Penso que o sofrimento não pode ser tabelado. O problema é que se a tabela é um jeito ruim, a completa ausência de critério é igualmente danoso. Hoje, a regra é a convicção do juiz sobre o assunto. Mas, de novo: pense em uma pessoa que ganha R$ 1 mil e agredido verbalmente e até fisicamente na empresa. Seria justo calcular um dano moral com base no salário dele?”

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]