Pesquisar
Close this search box.
/
/
Game of Thrones e a trajetória do erro: o que aprender com o rumo da série?

Game of Thrones e a trajetória do erro: o que aprender com o rumo da série?

O que o mundo corporativo pode aprender com o caso da série mais assistida da história, que caiu no esquecimento após sua última temporada?

Via de regra, a gente aprende com o erro. E, de fato, não há nada de errado nisso: a construção da humanidade foi feita na base do erro e do acerto, então, não seria diferente com os negócios. No fim, o fracasso faz parte da vitória, mesmo. Mas o que acontece quando o erro é tão crítico quanto as duas temporadas finais de Game of Thrones?

Sem levar para o pessoal, mas há erros que “doem na alma” e o da HBO sem dúvidas está entre eles. Convenhamos, é de se estudar como uma das séries mais aclamadas (e caras) da história, que movimentou milhões de espectadores, simplesmente sumiu do imaginário das pessoas após um final desconexo com toda a trama do trabalho de George R. R. Martin.

E pode não parecer, mas essa situação no mínimo trágica que aconteceu com Game of Thrones traz alguns ensinamentos aos negócios. E pode ser comparada até mesmo ao estilo de trajetória que algumas empresas já cursaram — e que acabaram bem mal, diga-se de passagem.

Assine a nossa newsletter e receba os melhores insights sobre experiência do cliente 

Um pouquinho de contexto sobre Game of Thrones

Apesar das desavenças, há de se consagrar que Game of Thrones entrou para a história como uma das séries mais aclamadas de todos os tempos. De 2011 a 2019, os domingos se tornaram sagrados: o brasileiro ia dormir tarde para assistir ao novo episódio da série — e pagava, quase sem dor no coração, a taxa extra da TV por assinatura para ter a HBO no catálogo.

A série ficou tão popular mundo afora que os bares usavam da influência de Game of Thrones para transmitir ao vivo o episódio. Teve estabelecimento que até cobrou entrada. E o resultado foi muito objetivo: muita gente fez muito dinheiro em cima do mundo criado por George R. R. Martin — autor da série de livros “Crônicas de Gelo e Fogo”, na qual a série foi baseada.

O problema, na verdade, veio na última temporada do seriado. Após o lançamento da quinta temporada, na verdade, o material base de produção acabou: George R. R. Martin ainda não havia escrito o sexto livro da saga e os produtores e roteiristas ficaram… bem, perdidos. A dupla D&D (David Benioff e D. B. Wess), roteiristas, chegaram a consultar o autor, mas nem isso reverteu o cenário.

Apesar do excepcional desempenho da sexta temporada da série, com menção honrosa ao episódio “A Batalha dos Bastardos” — que contou com orçamento de mais de U$ 15 milhões sozinho, quatro equipes de câmera, 25 dias de gravação, pelo menos 25 dubles e 70 cavalos —, as duas últimas temporadas registraram o “esquecimento” da série mais assistida de todos os tempos.

E o motivo? Falta de “core”.

Leia mais: Efeito Game of Thrones: passagens aéreas para Islândia e Croácia disparam

Por que um negócio infiel a seus próprios valores
está fadado ao fracasso?

Foto: Reprodução Game of Thrones

A partir da sétima temporada, a dupla D&D decidiu fazer algo que, desde o início, a série havia deixado claro que não faria: fugir do seu “core” para atender os pedidos do público. Veja, o legal de Game of Thrones era a fidelidade à história e o fator surpresa: você criava uma expectativa e, alguns episódios mais tarde, o seu personagem favorito morria.

Em 20 episódios, no entanto, toda a construção dos personagens foi por água abaixo e, de repente, a série mais imprevisível da história se tornou monótona. Para boa parte do público, até mesmo revoltante. E o resultado dessa condução — apesar da audiência recorde de 44,2 milhões de espectadores — foi uma taxa de rejeição altíssima, assim como uma série de “nãos” para os dois roteiristas que despontavam como um dos mais cotados para a indústria cinematográfica — a própria Disney retirou a dupla da produção do Star Wars após a condução da série em 2019.

Em linhas gerais, o final de Game of Thrones foi tão ruim para a maior parte do público que a série caiu no esquecimento. E é isso o que acontece quando uma empresa vai contra seu “core”: ela trai a confiança e a expectativa do consumidor. Esse é um baita aprendizado que a série trouxe para o mundo corporativo como um todo.

Veja bem, se seu estilo de negócio é anunciado desde o início, uma mudança brusca no ápice do faturamento não vai ser vista com bons olhos. Uma vez que a confiança do consumidor é traída, que a expectativa é posta a frangalhos, fica difícil recuperá-lo e fazer com que ele ainda mantenha a marca relevante. E ainda mais difícil é reverter o cenário que ele mesmo cria em sites de reclamação e nas redes sociais.

Leia mais: Curiosidades e números por trás de Game of Thrones

Um jogo de expectativas de Game of Thrones
e a repercussão das redes sociais

Foto: Reprodução Game of Thrones

Outro aprendizado que a série deixa é que o consumidor de hoje já não pensa duas vezes antes de expor sua insatisfação a público, quando sente que sua confiança ou expectativa foram traídas. E as redes sociais são um canal muito acessível para isso.

No dia do lançamento do último episódio da série, o assunto da semana foi o quanto o show havia chegado a um final muito insatisfatório. Em outras palavras: Game of Thrones virou meme. E não foi dos bons, não: a série foi tão mal falada nas redes sociais que os produtores deixaram de publicar em seus perfis e alguns atores vieram a público com pedidos de desculpa e explicações.

Conheça o Mundo do CX

E embora isso pareça um caso específico da série, uma situação como essas, por incrível que pareça, já aconteceu com várias empresas. Um exemplo de erro quase irreparável na comunicação — que gerou uma repercussão altíssima — foi o caso da Empiricus, com a propaganda da Betina, que também virou meme na internet e cobrou da corporação um pedido público de desculpas.

https://www.youtube.com/watch?v=knIHvor2gHs

Ou seja, no fim, o grande momento de aprendizagem aqui é entender que lidar com a expectativa do consumidor é difícil sim, porém, não é impossível. E atendê-la é uma necessidade.

Mas é possível aprender com os erros

De fato, a série caiu tanto no esquecimento que, quando o público se lembra de Game of Thrones, a primeira imagem é do episódio final da série — e aí já vem uma sensação ruim. No entanto, dá para dizer que a HBO aprendeu bem com seu erro.

Em agosto deste ano, a produtora lança House of the Dragon, um spin-off de Game of Thrones que promete ser até mais grandioso: a primeira temporada chega com uma média de U$ 15 milhões de orçamento para cada episódio e, visando atender a expectativa do consumidor, será baseada em uma história com começo, meio e fim bem definidos — baseada em livros já publicados. O roteirista será o próprio George R. R. Martin.

Acredito que, de tudo isso, o mundo corporativo pode tirar uma bússola norteadora do que fazer e, sobretudo, do que não fazer. Aprender com os erros é essencial para levar companhias a sucessos inimagináveis, para entender a expectativa e a dor do cliente, para atualizar a jornada e se manter firme ao seu “core“.

E em resumo: errar faz parte. O problema é o tamanho, a condução do erro e o que fazer para recuperar a imagem da empresa depois dele.


+ Notícias

KFC usa Game of Thrones para se promover

7 lições de Game of Thrones para a gestão de vendas 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]