Pesquisar
Close this search box.
/
/
Gambiarras: novas necessidades para bens de consumo

Gambiarras: novas necessidades para bens de consumo

Diferentemente da condição de mercadoria, a produção por trás das gambiarras não implica em um valor econômico, pois são feitas para serem usadas, não para serem vendidas

Nada se perde, tudo se transforma. Tudo mesmo. Quem nunca fez uma gambiarra que atire a primeira pedra. Vale tudo, cola, fita adesiva, clipes de papel, pregador de roupa e até mesmo saliva para salvar a situação. Mas, apesar da informalidade da conhecida gambiarra, uma pesquisa realizada pelo designer Rodrigo Boufleur, realizada na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP, aponta que o distanciamento entre produção e consumo faz com que muitos objetos sejam utilizados, na prática, de maneira diferente, favorecendo a produção de improvisações que dão a eles novas utilidades.

As gambiarras estão presentes no dia-a-dia, na forma de produtos industrializados que ganham funções diferentes da sua concepção ou que tem sua forma modificada, a fim de atender necessidades cotidianas imediatas, como cita a pesquisa, orientada pela professora Maria Irene Szmrecsányi, da FAU, que reuniu cerca de 260 imagens contemporâneas de gambiarras em diversas situações do cotidiano. O designer procurou investigar a produção existente por trás das improvisações. ?Gambiarras podem ser definidas como improvisações utilitárias, a partir de recursos industrializados?, afirma. ?Qualquer subversão no uso ou na função do objeto, que mude sua finalidade, contrariando o design e a função originais, é uma improvisação, ou seja, uma gambiarra?, acrescenta. Ele menciona exemplos bastante simples, como a palha de aço colocada na antena de televisão para melhorar a recepção da imagem, uma faca de serra usada como chave de fenda ou um chinelo colocado embaixo do pé de uma moto para que ela não caia na areia da praia.

A ideia de produção está relacionada com o trabalho de transformação da forma e da função dos objetos. ?Além da improvisação em si, há um trabalho de ajuste utilitário, que utiliza os produtos industrializados, recursos predominantes na sociedade contemporânea, readequando suas finalidades e qualidades físicas?, diz. Em sua dissertação de mestrado, apresentada na FAU em 2006, o designer analisou a relação da gambiarra com o design. ?Na ocasião, o estudo mostrou a gambiarra como uma forma alternativa de design?. Neste trabalho, Boufleur propõe uma abordagem socioeconômica, sob o ponto de vista do consumo, contemplando conceitos de Michel de Certeau e Karl Marx.

?A abundância de produtos industrializados leva ao surgimento de novas necessidades, as quais acentuam a infinidade de improvisações e que, muitas vezes, terminam por gerar novos produtos.
De acordo com o designer, ?ao mesmo tempo, os próprios produtos industriais povoam nosso entorno, sendo recursos disponíveis para a realização de necessidades imediatas, e nesse processo está envolvida a criação das gambiarras?.  A improvisação pode se converter em produtos, como aconteceu com o uso de ferro de passar roupa para alisar cabelos, que daria origem às chapinhas de alisamento.

?O pensador Vilém Flusser define os objetos como obstáculos, na medida em que geram a necessidade de novos objetos, que criam outros obstáculos, numa cadeia infinita de produção e consumo?, aponta.

Boufleur conta que Marx, ao teorizar sobre  a ideia de mercadoria, definiu dois tipos de valor: o de troca e o de uso.  ?A análise econômica, no entanto, se atém apenas à realização do valor de troca. A questão utilitária fica de lado, não importando a realização do valor de uso? , explica. ?Isso provoca um distanciamento entre os objetivos da produção e do consumo, apontado por autores como Wolfgang Haug e Jean Baudrillard, e favorece a manifestação de improvisações?.  Diferentemente da condição de mercadoria, o designer afirma que a produção por trás das gambiarras não implica em um valor econômico, pois elas são feitas para serem usadas, e não para serem vendidas.

Diante da ausência de um indicador voltado à esfera de uso, Boufleur propõe o conceito complementar de ?valor de utilização?. ?Esse valor enfatiza a importância da improvisação enquanto produção paralela e necessária às mercadorias industriais para a realização material de nossas necessidades?, ressalta.

A pesquisa organizou exemplos de gambiarra em sete categorias, que incluem informação e entretenimento (rebobinar fitas cassete com caneta, embalagens de biscoitos usadas para ampliar o alcance de antenas de wi-fi), alimentação (mexer o cafezinho com palito de dentes, usar colher para segurar o gás das bebidas), saúde e higiene (forrar tampa do vaso sanitário com papel higiênico, limpar vidros com jornal), vestuário (emendar óculos com fita adesiva, consertar zíper com argola de chaveiro), domésticas (emendas de varais, enrolar mangueira em roda de pneu), espaço público e transporte. ?Muitas vezes, carcaças de automóveis são transformadas em carroças puxadas por animais, aproveitando um material mais disponível do que os recursos naturais, como a madeira?, conclui Boufleur.

Será que, diante disso, aquela palha de aço na antena da TV e o canudo fazendo as vezes de hastes de óculos podem continuar sendo enxergados da mesma maneira?

* Com informações da Agência USP

 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]