Pesquisar
Close this search box.
/
/
Tinha um galpão no meio do caminho: o novo gargalo do e-commerce?

Tinha um galpão no meio do caminho: o novo gargalo do e-commerce?

Retomada do hábito de compra na loja física coloca em xeque o modelo fortemente adotado durante a pandemia

Desde a pandemia de covid-19, o controle de estoque se tornou uma das preocupações do e-commerce, tanto que a criação de dark stores e a gestão da logística foram aliados do período para que o produto chegasse ao consumidor. Mas agora, com a retomada das atividades presenciais e o retorno de consumidores às lojas físicas, observa-se uma procura por galpão. Seria esse o desafio atual para a experiência do cliente?

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

O papel do galpão

Segundo Gabriela Guimarães, vice-presidente de operações de varejo e e-commerce da DHL Supply Chain, há dois movimentos complementares atrelados ao isolamento social e ao cenário atual.

Gabriela Guimarães, vice-presidente de operações de varejo e e-commerce da DHL Supply Chain

Primeiro, com o boom da venda online, ficou mais evidente que a logística não é um mero processo, mas o viabilizador da entrega da promessa de marca, compondo, assim, parte fundamental da experiência do cliente. Não por acaso, passou a ser um campo em que as empresas passaram a buscar uma maior qualidade e agilidade, realizando diversos investimentos.

De outro lado, para chegar ao consumidor com rapidez e eficiência, foi necessário levar este estoque para mais perto dele, o que de fato alavancou a busca por galpões para estoques avançados em grandes mercados de todo o país.

Diante de tudo isso, a executiva não acredita que essas estruturas sejam um gargalo, mas há uma demanda consideravelmente maior, o que geralmente implica em uma maior concorrência pelos pontos.

“No entanto, o Brasil tem uma boa oferta nesta área e o potencial de transformar outros pontos – até mesmo lojas – em entrepostos avançados é grande. Além disso, em um cenário como este, os operadores logísticos atuam como um agente consolidador ofertando suas capacidades de armazenamento já instaladas ao mercado, podendo também abrir novas frentes se houver demanda”, afirma.

De acordo com isso, Antonio Capezzuto, head de expansão na Frubana, plataforma de e-commerce para a América Latina, gestão de estoque é um desafio perene em qualquer operação de entrega. A pandemia trouxe grande aumento no volume e variedade de compras por meio do e-commerce, incremento esse que trouxe muitas empresas para o setor.

E em um ambiente competitivo, a disponibilidade de um produto no ambiente de vendas, ou seja, tê-lo em estoque, é fundamental para o sucesso de uma empresa e representa o primeiro passo para uma boa experiência do cliente.
“Realizar, de fato, a entrega daquilo que foi vendido – alinhamento entre a disponibilidade na plataforma e o estoque – é crucial para atender às expectativas de um consumidor cada vez mais exigente”, explica.

Todavia, quanto ao papel dos galpões, o profissional acredita que deve haver contrapartida do volume de compras digital para essa necessidade física, que por ser um recurso finito e normalmente escasso, corre o risco de se tornar um gargalo.

Os consumidores estão mais exigentes

A agilidade na entrega tem se mostrado como um importante fator para o cliente escolher comprar em determinado e-commerce. Por isso, as empresas estão de olho nesse fenômeno. Inclusive, Antonio Capezzuto comenta que, sobretudo no mercado de business to business (B2B), a confiabilidade da entrega é um dos pilares da proposta de valor da Frubana.

“Uma referência que usamos internamente é se colocar no lugar do cliente e pensar que cada entrega deve ser tratada como se fossem os ingredientes para a festa de casamento desse cliente. Entregar o pedido completo e no horário é tão ou mais importante quanto ter o sortimento completo”, reforça.

Já no caso da DHL Supply Chain, o crescimento do e-commerce provocado pela pandemia se traduziu em um pico de demanda de armazenagem e distribuição, incluindo last mile, para marketplaces e no aumento exponencial de operações de omnichannel, seja oriunda de empresas que migraram de uma semana para outra suas vendas de lojas físicas para outros canais, seja em clientes mais digitalizados que viram seu volume de vendas a partir do online até quadruplicar.

Para dar conta desta demanda, a empresa expandiu equipe, frota e áreas de armazenagem dedicadas ao e-commerce, chegando a deslocar recursos de outras áreas.

“O desafio é entregar rapidamente (praticamente no dia seguinte), ser transparente ao longo da cadeia de suprimentos (onde está o meu produto), ser flexível (cancelamento e devolução) e ser capaz de lidar com tamanhos de lotes pequenos, mas grandes quantidades e com o gerenciamento de entrada e saída de produtos no armazém”, elenca Gabriela Guimarães.

Dada a experiência da própria DHL, a especialista lista três passos principais para que as companhias não percam o controle de suas demandas:

Planejamento de armazenagem e distribuição sólido

Por exemplo, a empresa já previa em seu plano de gerenciamento de riscos os cenários de epidemia e pandemia.

Uso intensivo de data analytics

A organização acompanha os indicadores em real time de forma a identificar as áreas que precisam de alguma ação, ajudando na tomada assertiva de decisões ao invés de confiar apenas em suposições.

Experiência e agilidade

Ambos os elementos foram mais importantes do que nunca, pois garantiram a capacidade e a flexibilidade para o atendimento ao cliente e para suprir as alterações de demanda e exigências de saúde, seja contratando pessoas ou, principalmente, deslocando equipes qualificadas de outras operações com menos demanda para as que estavam mais aquecidas. Isso vale também para áreas de armazenagem e malha de transportes.

As empresas devem se preparar para todos os cenários possíveis

É evidente que um dos desafios de logística no pós-pandemia é o papel do galpão nos negócios, que pouco a pouco retornam à modalidade presencial. Para uma das líderes do ramo, a DHL Supply Chain, os clientes têm benefícios muito importantes. Primeiro, a sinergia de mão de obra, infraestrutura, processos e sistemas tecnológicos especializados e com experiência consolidada na área. Com isso, a curva de aprendizado é muito mais rápida, evita erros e facilita a manutenção dos níveis de serviço, mesmo durante momentos de pico, como a pandemia e a Black Friday.

Segundo ponto é a flexibilidade para ir acompanhando as flutuações do mercado. Assim como houve um pico maior nos primeiros meses da pandemia, Gabriela Guimarães acredita que a empresa irá, em algum momento, chegar a um ponto de equilíbrio, ainda que bastante superior aos níveis pré-covid-19.

“Unimos a experiência de operações logísticas B2B e business to consumer (B2C) que também se fazem presentes na logística de marketplaces uma vez que envolve pegar produtos dos vendedores, armazenar de forma consolidada e entregar aos consumidores finais”, salienta.

Os principais serviços da DHL Supply Chain nessa área são os de armazenagem, distribuição e transportes, mas também trabalham com e-fullfilment e outros serviços de valor agregado, como montagem de kits, etiquetagem e nacionalização.

“A estratégia local de e-commerce se consolida com a estratégia na América Latina, visto que temos clientes em toda a região, reforçando nossas capacidades e infraestrutura também na Colômbia, México e Chile. Logo, somos um dos poucos provedores com capacidade para projetos regionais de e-commerce, coordenando esforços e mantendo um mesmo padrão de serviços”, finaliza a executiva.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente


+ Notícias

5 práticas para oferecer uma experiência mais agradável

Como o Instagram pode ser um canal de atendimento ao cliente

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]