Pesquisar
Close this search box.
/
/
É o fim do “parcelado sem juros”? Entenda o que está por trás da polêmica

É o fim do “parcelado sem juros”? Entenda o que está por trás da polêmica

Banco Central pede a bancos uma alternativa ao ´parcelado sem juros’. Varejo diz que proposta cria novo monopólio e encarece o crédito a lojistas e clientes

As associações do comércio e do varejo estão contestando o trabalho do Banco Central em conjunto com o setor bancário para a criação de uma linha de crédito alternativa ao “parcelado sem juros”. Segundo a ABECS (Associação Brasileira das Empresas de Cartão de Crédito e Serviços), comandada pelos bancos e idealizadora do projeto, o novo produto, chamado temporariamente de “crediário”, vai reduzir de 30 para cinco dias o prazo para que o lojista receba o pagamento das compras parceladas no cartão.

Marcel Solimeo, superintendente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), afirma que é preciso haver um diálogo maior com todas as empresas de meios de pagamentos e com o comércio e diz que a nova opção terá acréscimo de novas taxas ou juros. “Isso não vem de graça. A contrapartida ainda não está explícita. Tenho certeza que não vão reduzir de 30 para cinco dias pura e simplesmente”, diz o superintendente.

A ABECS, idealizadora do projeto, afirma que o Banco Central a procurou para que desenvolvesse propostas de mudança no cartão de crédito. A associação destaca que o crediário não extingue o “parcelado sem juros”, que hoje representa 55% das vendas feitas no cartão de crédito. A Associação não aceitou os pedidos de entrevista, mas, em nota, disse que o objetivo é “ampliar a oferta e as alternativas de crédito ao consumo no País, tanto para o lojista quanto para o consumidor, aumentando o uso e a eficiência dos meios eletrônicos de pagamento na sociedade”.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora! 

Segundo a ABECS, a ideia ainda está sendo desenhada, mas deve oferecer ao lojista o recebimento do valor integral da venda logo após o quinto dia. À primeira vista, um negócio muito vantajoso para o comércio, mas a Federação de Comércio de São Paulo (FecomercioSP) e a União Nacional das Entidades de Comércio e Serviço (UNECS) afirmam que os custos dessa operação de crédito pesarão sobre o varejo e o consumidor e alertam para a criação de um novo monopólio no setor financeiro, o que voltaria a encarecer o crédito no médio e no longo prazo.

Paulo Solmucci, presidente da UNECS, afirma que a entidade mandou duas cartas ao Banco Central solicitando participação dos varejistas nas negociações a respeito da criação de uma nova modalidade de crédito no cartão. Segundo o representante, o BC não respondeu. Solmucci afirma estar “muito preocupado” com a postura da instituição. “O Banco Central precisa ser transparente. Conhecemos como ninguém como o setor de varejo lida com a questão do parcelado sem juros. Temos uma contribuição relevante a dar”, afirma.

Solmucci diz ainda que a postura do Banco Central mudou em relação ao varejo depois de ter colocado o setor no centro da discussão sobre a abertura de concorrência em meios de pagamento. O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, se pronunciou, em evento na Câmara Comercial Espanhola, em São Paulo, dizendo que a criação de uma nova modalidade não extingue o “parcelado sem juros”, discurso alinhado com o das grandes empresas de cartão e dos bancos.

Parcelado (quase) sem juros

Hoje, para receber antecipado o que vendeu no “parcelado sem juros”, o varejista assume os custos da operação de crédito, chamada de antecipação de recebíveis. Segundo Solmucci, no crediário, o consumidor vai pagar no valor final o preço para que o varejo receba o valor 20 dias antes do cliente efetuar o primeiro pagamento.

O representante dos comerciantes disse que a postura dos bancos em relação às taxas cobradas no “parcelado sem juros” dá um indicativo do que virá adiante com a nova proposta. Em pronunciamento ao portal NOVAREJO, a ABECS não soube informar quais serão os juros e as taxas do novo serviço.

Varejo elogia novo corte na taxa de juros e espera aceleração da retomada

Solmucci lembra que o nome “parcelado sem juros” é alegórico e que a modalidade apresenta, sim, juros diluídos em taxas ao longo dos pagamentos. Ele afirma que a defesa do “parcelado sem juros” como produto hegemônico não se trata de querer defender a ideia de que exista um serviço de crédito sem custos financeiros, mas de barrar a inclusão de mais cobranças.

O representante do comércio afirma que, hoje, a principal taxa do “parcelado sem juros” é a MDR, uma espécie de taxa de administração. Desde a abertura de mercado para novas empresas de meios de pagamentos a taxa teria caído 0,3%. A queda nos custos de operação seriam maiores não fosse a postura dos bancos.

A taxa de adquirência, cobrada pelas empresas de meios de pagamento, caiu 0,5% desde a abertura do mercado, enquanto a taxa de intercâmbio, cobrada pelos bancos, subiu 0,2% entre 2009 e 2016. Ele destaca que o encarecimento das taxas está relacionado à chamada platinização (proliferação de cartões premium), que encarecem as vendas no “parcelado sem juros”. “Enquanto as entrantes fazem com que a taxa de adquirência caia, os bancos, que não têm concorrência, aumentam suas taxas. Hoje, 65% das taxas que pagamos são de intercâmbio, cobradas pelos bancos”, afirma.

O advogado especialista em direitos do consumidor e fornecedor, Dori Boucault, ressalta o fato de haver cobranças embutidas no “parcelado sem juros” e diz que o consumidor, em sua maioria, se mantém alheio a essas cobranças. “É nítido que existe um preço embutido numa compra que você venha a fazer no parcelado do cartão porque ninguém poderia fazer sem juros”, afirma.

Ele reitera, porém, que essa modalidade é, mesmo com suas distorções, uma grande figura do parcelamento e do financiamento e acredita que a nova opção, cogitada pelo Banco Central, não virá para corrigir as distorções, mas o contrário. “(O novo projeto) não fala, evidentemente, sobre quais taxas estarão embutidas. Se começar a oferecer parcelamento com juros no cartão, o cidadão vai aceitar porque não temos uma educação financeira”, diz o especialista, que alerta: “pode aumentar o endividamento. Na minha opinião, isso é bom só para os bancos”, conclui.

Fim da antecipação de recebíveis?

Desde a abertura do mercado de meios de pagamento e cartões de crédito, a luta vem se acirrando. Em uma ponta estão as novas empresas do setor, geridas por fundos de investimentos e fintechs. Do outro lado, as antigas donas do mercado, como Visa e MasterCard, além dos grandes bancos de varejo, como Itaú, Bradesco, Santander, Banco do Brasil e Caixa Econômica. Esses bancos e operadoras ocupam 100% das posições de liderança da ABECS, da presidência à gerência.

A proposta da ABECS para reduzir o prazo para que o lojista receba o dinheiro de uma compra parcelada impacta profundamente o mercado de antecipação de recebíveis, onde opera boa parte das novas e pequenas empresas de meios de pagamento.

Em comunicado, a ABIPAG (Associação Brasileira das Instituições de Pagamento), entidade que representa algumas das novas empresas do setor, alerta para o risco de novo monopólio. Augusto Lins, presidente da associação e da Stone Pagamentos, fintech de pagamento, afirma que o parcelado sem juros é a “forma mais barata da sociedade financiar o consumo. Qualquer coisa diferente disso seria criar mais uma reserva de mercado para pouquíssimos bancos”.

Em comunicado, a ABIPAG afirma que o endividamento do consumidor pode render uma perda de 10 a 15% do volume de transações realizados hoje no varejo.

70% dos brasileiros atrasaram dívidas em 2017

Segundo o Sindicato das Sociedades de Fomento Comercial – Factoring do Estado do Rio Grande do Sul (Sinfac-RS), o mercado de cartões movimenta mais de R$ 1 trilhão ao ano no Brasil. A redução no prazo de pagamento aos lojistas poderia acabar com 35% das operações dos fundos e das fintechs que operam hoje as novas empresas de meios de pagamento.

Quando proposta semelhante foi cogitada no começo de 2017, a Nubank anunciou que uma mudança dessas exterminaria toda sua operação.

As associações de comércio temem que a extinção da concorrência no mercado de meios de pagamento possa encarecer ainda mais o crédito para os clientes e também para o financiamento de suas atividades. “É uma cortina de fumaça. O que (bancos e grandes operadoras de cartão) estão querendo fazer é tirar as antecipações de recebíveis. Ao substituir essa linha por um financiamento só de banco”, alerta Paulo Solmucci.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]