Pesquisar
Close this search box.
/
/
Por que o Facebook é o inimigo número 1 e todos deveriam saber disso

Por que o Facebook é o inimigo número 1 e todos deveriam saber disso

Os inúmeros escândalos da empresa mostram descompromisso com a proteção do usuário e o uso de brechas nas legislações

Iniciado como um projeto universitário em 2004, a empresa Facebook – que desde outubro de 2021 se chama Meta – acumula processos e escândalos durante toda a sua trajetória. Quem assistiu ao filme “A Rede Social”, de David Fincher, sobre a origem da empresa sabe que questionamentos legais não são novidade para Mark Zuckerberg que, para alguns, montou seu império a partir de práticas inconstitucionais, se aproveitando de brechas de um setor ainda em construção, que é a internet.

“O Direito, em regra, não consegue acompanhar a evolução do mundo real. No ambiente de tecnologia, essa defasagem é ainda mais evidente. De modo geral, vem atuando de modo repressivo, quando as infrações já se tornaram comuns no dia a dia”, explica Kristian Pscheidt, sócio do escritório Costa Marfori Advogados.

Alguns exemplos desse delay é a Lei Carolina Dieckmann (Lei nº 12.737/2012); o Marco Civil da Internet ( Lei nº 12.965/2014); e a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (Lei nº 13.709/2018 ou LGPD).

Os abusos da organização, que agrega o Instagram e WhatsApp, vão desde experimentos psicológicos não autorizados à violação de dados dos usuários para campanha política. Um dos últimos escândalos, ocorrido em outubro de 2021, apelidado de Facebook Papers, pode ter sido o gatilho para Mark Zuckerberg trocar o nome da empresa para Meta, anunciando um novo caminho para a marca: o metaverso.

Leia Mais: TikTok cresce na preferência da Geração Z, mas Youtube é rede favorita

No Brasil e na maior parte do mundo, não se tem legislações específicas sobre esse ambiente. De acordo com Adriano Mendes, advogado especializado em Direito Digital do escritório Assis & Mendes, os dispositivos das legislações existentes e os princípios constitucionais servem como trunfo para garantir os direitos dos consumidores e das partes interessadas neste contexto.

“Ocorre que, por se tratar de algo novo, também precisaremos de uma jurisprudência e entendimento mais específico sobre esse cenário, o que, invariavelmente, pode beneficiar as plataformas ou até mesmo adiar condenações às plataformas no caso de desrespeito aos direitos dos consumidores de forma geral”, completa Adriano Mendes.

“No entanto, mesmo as técnicas mais avançadas são incapazes de proteger de forma absoluta os sistemas de dados das empresas cujos modelos de negócio, muitas vezes, dependem da interface virtual com o grande público”, aponta Antonielle Freitas, advogada da Viseu, especialista em Compliance Digital, Proteção de Dados, Segurança Cibernética, responsabilidade civil relacionada à Internet e assuntos de tecnologia.

Assine nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

A especialista comenta que a atual legislação não é capaz de superar esses desafios. “Em muitos países, especialmente nos EUA, já há debates sobre a criação de uma regulação exclusiva do metaverso, sem levar em consideração leis nacionais, visto a ausência de critério para definir jurisdições em caso de conflitos”, completa. Se você não se lembra de como foram alguns escândalos do Facebook, selecionamos três que obtiveram holofote e esbarram na segurança digital.

Experimento controverso do Facebook

Em janeiro de 2014, a rede social fez um experimento emocional com quase 70 mil usuários. Por meio dos algoritmos, os engenheiros manipularam tipos de mensagens: para um grupo conteúdo negativo; e para outro, positivo. No fim da pesquisa sem autorização se percebeu que as pessoas que viam o material triste postaram mais fotos, vídeos ou textos com um emocional mais melancólico.

O experimento foi publicado em junho do mesmo ano na Proceedings of National Academy of Sciences e contestado por se tratar de um estudo que infringe a proteção ao cliente por não ser consentido. De acordo com o The Wall Street Journal, a chefe operacional do Facebook na época, Sheryl Sandberg, pediu desculpas em uma conferência em Nova Deli. “Isso fazia parte da pesquisa em andamento que as empresas fazem para testar diferentes produtos, e era isso”, argumentou a chefe, que no meio deste ano deixou a empresa.

Fake News em eleições

Imagina só: o site da tia da rede social ter mais engajamento que links de notícias dos principais veículos de comunicação dos Estados Unidos? Em 2016, em uma análise detalhada do BuzzFeed News apontou que as informações de sites de jornalismo profissional, como New York Times, Washington Post, Huffington Post, NBC News, sobre eleições norte-americana tiveram menos acessos que de blogs e páginas de fake news.

De acordo com os dados, durante o período de campanha presidencial, 20 histórias falsas de sites não confiáveis e partidários obtiveram 8.711.000 compartilhamentos, reações e comentários no Facebook. Esse cenário se tornou comum nos últimos anos, principalmente com redes sociais do grupo (como WhatsApp) e o Telegram, mas fez o CEO Mark Zuckerberg pedir desculpas e dizer que a plataforma precisa disponibilizar ferramentas que contribuam com esse tipo de coisa.

“As Fake News crescem exponencialmente com a facilidade de disseminação e divulgação por diversos meios digitais. (…) A legislação civil e criminal estabelece sanções à propagação de fake News, que podem implicar em condenação criminal e a indenização no âmbito civil”, esclarece Mariana Valverde, professora e advogada especializada em propriedade intelectual e Fashion Law, sócia de Moreau Valverde Advogados.

O advogado Kristian Pscheidt destaca também a Lei Eleitoral que age em quem tem mandato e dissemina notícias falsas. “Há mecanismos legais para o enquadramento legal da fake news, mas o grande problema está relacionado ao volume das ofensas, a fiscalização ainda incipiente e à demora do Poder Judiciário. Essas situações passam a impressão de impunibilidade dos agentes infratores”, esclarece.

Conheça o Mundo do CX

Violação de dados

No início de 2018, o Facebook admitiu ter manipulado dados de mais de 50 milhões de usuários que foram obtidos indevidamente pela empresa de análise de dados políticos Cambridge Analytica. Meses após o reconhecimento, o número de usuários com seus dados violados aumentaram para 87 milhões.

A consultoria capturou informações do usuário e seus amigos por meio de um app externo de teste de personalidade dentro do Facebook, o This Is Your Digital Life, contrapondo com a cibersegurança. Em março de 2018, o Guardian e The New York Times entrevistaram Christopher Wylie, cientista que trabalhava na empresa britânica e ajudou a construir o software de mineração de dados.

A Cambridge Analytica, segundo Christopher Wylie, usou informações pessoais dos usuários para criar um sistema de análise. A ferramenta possibilitou construir o perfil dos eleitores norte-americanos e direcionar propagandas políticas. “Nós exploramos o Facebook para colher os perfis de milhões de pessoas. E construímos modelos para explorar o que sabíamos sobre eles e atacar seus demônios internos”, revelou o cientista para o Guardian.

A NBC descobriu e-mails que mostram a comunicação de funcionários do Facebook com Cambridge Analytica em setembro de 2015.

Leia Mais: Facebook é multado em R$ 6,6 mi por vazamento de dados

A Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) condenou o Facebook a pagar uma multa de R$ 6,6 milhões pelo vazamento de dados de usuários brasileiros na rede social. Esses dados foram repassados em 2018 à empresa de consultoria de marketing político Cambridge Analytica.

“Atualmente, a jurisprudência pátria orienta no sentido de que o vazamento de dados enseja reparação individual ou coletiva, desde que comprovada a ocorrência de dano ao consumidor, especialmente quando se tratem de dados sensíveis”, explana Antonielle Freitas. Conforme Kristian Pscheidt é a LGPD que disciplina a questão, que pode prever multa de até 50 milhões de reais pelo vazamento de dados.

Em agosto, o Facebook chegou a um acordo preliminar em um processo movido contra a empresa com um pedido de indenização por permitir o acesso aos dados privados de usuários a terceiros (incluindo a Cambridge Analytica). Os valores não foram revelados.

O que esperar da Meta para o futuro?

A troca do nome de Facebook para Meta, oficialmente, tem relação com o direcionamento dos negócios ao metaverso. O primeiro produto lançado na realidade virtual é o jogo Horizon Words. Mas o que esperar dessa ferramenta nas mãos de uma empresa que abusa do poder de dados e informações?

Nesse universo, já se discute sobre a pirataria virtual e a violação de dados, mas, segundo Adriano Mendes, já existem projetos de leis tramitando que procuram regular NFTs, criptomoedas, direitos de crianças e adolescentes no ambiente online e também para buscar aumentar a responsabilidade dos provedores e plataformas sobre o conteúdo divulgado em suas redes.

A LGPD possui brechas importantes, como ao que concerne aos direitos dos titulares e também a transferência internacional de dados. Esta última uma fresta que se compatibiliza com os escândalos do Facebook nos quase vinte anos de existência.

Faça parte do maior congresso sobre experiência do cliente da América Latina

“Um dos maiores desafios do metaverso serão as provas do que de fato aconteceu. Apesar de tudo poder ficar documentado, inclusive até mesmo registrado com blockchain, as empresas deverão demonstrar que o consumidor sabia o que estava fazendo, que foi suficientemente alertado dos riscos e que os fatos alegados são lícitos e não violam a legislação brasileira”, sustenta o advogado do escritório Assis & Mendes. Essas provas necessárias exigirão análises periciais e procedimentos judiciais mais complexos até que seja criada uma jurisprudência e entendimento deste tipo de ação.

O termo de uso das redes e produtos do metaverso precisam ser muito bem claros e não devem violar as leis brasileiras. Mariana Valverde sugere a consulta da cartilha elaborada pelo Conselho Nacional de Defesa do Consumidor, em parceria com a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD).

Com linguagem simplificada, o manual reúne informações com dicas e orientações sobre as relações de consumo e conceitos básicos da LGPD. “Além disso, foi criada uma plataforma para resolução de conflitos de forma extrajudicial, disponível em consumidor.gov.br”, completa a sócia do Moreau Valverde Advogados.


+ Notícias

Domino’s mira experiência do cliente como estratégia de crescimento

Conheça a receita de sucesso da Makeda

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]