Pesquisar
Close this search box.
/
/
A experiência da Tesco na pandemia

A experiência da Tesco na pandemia

A gigante varejista britânica foi submetida a um duro teste de resiliência durante a pandemia. Vale a pena saber como superou esse desafio e a sua perspectiva para o futuro

Durante o último ano, o varejo global passou por um dos mais duros testes da história. Em todos os mercados, grandes e pequenos varejistas sofreram com as consequência do novo coronavírus e tiveram de reinventar seus negócios. Lockdowns, funcionamento restrito, digitalização, desconfiança dos consumidores, a chegada das vacinas. A enorme volatilidade cobrou um preço alto em termos de fechamento de lojas, desemprego, dívidas e políticas de auxílio dos governos.

É possível afirmar que nenhuma rede varejista, por maior que seja, passou ileso pelos efeitos da pandemia. Nesse sentido, vale a pena conhecer e aprender com a visão e as práticas de empresas que demonstraram resiliência e racionalidade para enfrentar esse momento e agora se preparam para um futuro pós-pandemia. John Allan, CEO da Tesco, o maior varejista do Reino Unido e um dos maiores do mundo, falou com Sally Elliot, da Spencer Stuart sobre a experiência da Tesco nos últimos meses durante o Retail Connected.

John Allan mostrou grande entusiasmo ao falar sobre como a Tesco suportou bem os efeitos da crise e conseguiu manter a “nação alimentada”, assim como muitos outros varejistas. Em sua opinião, o varejo desempenhou um papel crucial no mundo todo garantindo a segurança e o abastecimento das populações. “Resiliência e agilidade para acompanhar mudanças foram pontos altos da experiência da Tesco nesse período, enquanto as taxas de mortalidade elevadas foram o ponto mais lamentável”, destaca.

Para o CEO, a pandemia mostrou claramente que a maior parte das empresas deve fazer muito mais do que simplesmente se dedicar a ganhar mais e mais dinheiro. Elas devem se dedicar a servir melhor segmentos sociais para pavimentar um caminho de sucesso no longo prazo. A pandemia acelerou essa tendência e motivou os consumidores a desenvolverem uma nova consciência acerca do papel das companhias. “A resposta da Tesco durante os primeiros dias da crise, foi a de permanecer com as lojas abertas a qualquer custo, assegurando que a cadeia de valor pudesse garantir o suprimento de alimentos para a população, com toda a segurança, distanciamento social e limitação do número de clientes nas loja, enquanto expandimos a capacidade de entrega on-line.”

A empresa dobrou a capacidade de entrega, treinou fortemente os colaboradores para que pudessem atender a demanda, em um movimento que se estendeu por todo o varejo alimentar do Reino Unido.

Relação entre varejo e governo

John destaca que a atitude do governo, de financiar o funcionamento das empresas ao longo do ano passado (com isenção de juros) foi importante para manter o equilíbrio da oferta e as lojas aptas a continuarem funcionando mesmo durante os meses mais rigorosos da pandemia. Apesar disso, a Tesco, particularmente mostrou, nas palavras de John Allan, força para se manter relativamente rentável e lucrativa durante o ano de 2020. Agora, a empresa está apta a retornar esses recursos para o setor público. A resposta do governo diante dos impactos econômicos da pandemia ajudou a preservar milhares e milhares de empregos em um momento crítico.

O relacionamento entre o governo e o setor privado tende a ser mais produtivo a partir dessa experiência com a pandemia. O CEO da Tesco afirma que é imprescindível que as empresas e o governo se unam para criar empregos, para compensar os efeitos deletérios dos meses de lockdowns e sofrimento. “É hora de trabalharmos juntos, governo e empresas, no sentido de recuperar o crescimento econômico, não apenas para recuperar aqueles que perderam seus empregos durante a pandemia, mas também para incluir no mercado toda uma força de trabalho jovem que procura oportunidades”, enfatiza. Palavras simples que serviriam perfeitamente para o momento brasileiro atual.

Responsabilidades da liderança

John Allan destaca que a liderança corporativa precisa assumir 3 grandes responsabilidades nesse momento sensível:

  • Definir um propósito claro, que possa ser entendido claramente pelos stakeholders e que sirva como pilar da cultura do negócio;
  • Estratégia para chegar aonde a companhia planeja chegar – uma estratégia que precisa ser acompanhada e defendida constantemente pelo board;
  • Dedicar total empenho para levar a empresa adiante, fornecendo todo o apoio possível da liderança para o negócio.

Para fazer frente a essas responsabilidades, a liderança precisa se dedicar a criar seguidores. O líder precisa ser um grande comunicador, para engajar colaboradores de uma forma íntegra e sólida. “Não existem líderes sem seguidores, e o papel do líder é inspirar pessoas para isso”, afirma o CEO.

Ao mesmo tempo, a liderança precisa balancear as necessidades e expectativas de diversos stakeholders, colaboradores, acionistas, consumidores, autoridades locais e, no caso da Tesco, representantes de mais de 2.800 comunidades. Uma complexa rede de influências e pressões que demanda uma grande habilidade de comunicação.

Questões relativas à sustentabilidade, diversidade, redução de emissões, uso determinados insumos, são cada vez mais sensíveis e se tornam cada vez mais complexas. Vários varejistas buscam fazer acordos conjuntos para evitar aquisição de produtos oriundos de áreas desmatadas ou com culturas predatórias e essa tendência vai se consolidar podendo trazer impactos para muitas economias (a Tesco parou de comprar carne do Brasil por exemplo). John Allan ressalta que há muito capital disponível para negócios sustentáveis e em busca de empresas com boas credenciais ambientais.

Razões para otimismo

O CEO da Tesco defende que há razões para otimismo e que boas perspectivas no horizonte. A vacinação progressiva fará com que as pessoas possam resgatar algum grau de socialização, com efeitos positivos para a economia, não apenas no Reino Unido, mas em todos os países que consigam acelerar seus programas de imunização.

A criação de oportunidades, por meio do incentivo à diversidade, traz amplas possibilidades de inovação e criação de oportunidades para os negócios, e poucos setores são tão receptivos à essa adoção quanto o varejo, destaca o executivo. O varejo é extremamente promissor, uma grande indústria, é importante para a economia e sempre cria oportunidades para talentos, ainda mais nesse período de intensa transformação.


+ Notícias 

CX para um mundo novo: ideias para o varejo 

3 negócios disruptivos que prometem dar o que falar 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]