Pesquisar
Close this search box.
/
/
A evolução das fintechs no Brasil: elas ganham cada vez mais espaço

A evolução das fintechs no Brasil: elas ganham cada vez mais espaço

Nos últimos 6 anos, mais de 2 bilhões de dólares foram investidos em startups financeiras no Brasil. Confira qual o cenário para os próximos anos

Com um sistema bancário muito bem consolidado, mas caro, e uma população com pouca educação financeira, o Brasil, um dos maiores mercados consumidores do mundo, fomentou o ambiente propício para a evolução das fintechs.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Para exemplificar o cenário, segundo um estudo realizado pela Locomotiva – instituto de pesquisa e estratégia – 1 em cada 3 brasileiros com mais de 16 anos não possui conta bancária. Isso significa um montante de cerca de 45 milhões de pessoas, que juntas movimentam mais de RS$800 bilhões por ano.

Por fim, com o Brasil sendo um dos países com maior concentração bancária no mundo – cinco bancos são detentores de 85% dos ativos totais do segmento comercial – está feita a fórmula para que as fintechs ganhem cada vez mais espaço no cenário financeiro. E o apoio encontrado em políticas do Banco Central tornou isso realidade.

O que se destaca na evolução das fintechs é que essas startups proporcionam a modernização do setor financeiro, oferecendo produtos e serviços acessíveis a uma grande parcela da população, trazendo novas experiências com uma versatilidade surpreendente em um o setor bastante regulado e burocrático.

A evolução das fintechs no Brasil

Segundo dados do FinTech Report 2020, do DISTRITO, existem hoje 742 startups financeiras no Brasil: um aumento de 34% em relação a 2019.

Esse crescimento é uma consequência de diversos fatores, sendo os dois principais: lacunas em nichos do mercado e o boom da digitalização no País. Praticamente 100% das soluções fornecidas pelas fintechs são digitais, tornando o negócio totalmente escalável.

Ainda segundo dados report do DISTRITO, as 10 fintechs que mais se destacam no setor hoje, no Brasil, são:

  • Nubank;
  • Neon;
  • C6 Bank;
  • Pagseguro;
  • Stone;
  • Ebanx;
  • Picpay;
  • Weel;
  • Creditas;
  • Conta Azul.

Os critérios para a elaboração desta lista foram algoritmos de scoring que levam em conta número de funcionários e o seu crescimento no último ano, faturamento presumido via análise do CNPJ, investimento captado, acessos no site e métricas de redes sociais.

O case PicPay

Em 2012, o PicPay nasceu como uma carteira digital de soluções como pagamentos com QR Code em estabelecimentos comerciais e em lojas online. Além disso, a plataforma oferece a possibilidade de pagamentos de boletos, cartão múltiplo e rendimento a 210% do CDI para os valores disponíveis na conta.

Para Anderson Chamon, fundador e vice-presidente de Produtos e Tecnologia do PicPay, a pandemia teve um impacto direto na digitalização de serviços financeiros.

“A pandemia acelerou a digitalização dos meios de pagamentos no Brasil, o que contribuiu para a inclusão de uma parcela desbancarizada, e popularizou o uso de ferramentas digitais, aquecendo o setor. Com o Pix, nossa previsão de que o futuro do pagamento seria mobile e instantâneo se consolidou”, afirma.

Além da frente de serviços financeiros, o PicPay conta com o PicPay Store, Social e Ads. A ideia da plataforma é transformar as interações transacionais em conversacionais, em que o usuário possa falar com outras pessoas da rede e também com lojistas, podendo criar grupos de vaquinhas, bater papo e pagar no próprio chat.

“Esse aspecto de rede social também representa uma enorme oportunidade no mercado de mídia e trade marketing no país”, esclarece.

Ainda de acordo com Anderson Chamon, o PicPay iniciou recentemente o processo de abertura da plataforma, o que vai permitir que cada fornecedor interessado em integrar a PicPay Store possa desenvolver uma experiência customizada, proporcionando um crescimento rápido e estruturado.

Enfrentamento aos gigantes do setor?

Ao contrário do que muitos pensavam, as fintechs conseguiram se destacar no mercado e não foram “engolidas” pelos grandes bancos. Muito pelo contrário. Elas acabaram trabalhando em parceria com muitos desses sistemas tradicionais, e foram ganhando cada vez mais fôlego e espaço, até em decorrência da sua rapidez de adaptação.

“O PicPay é uma empresa nativa digital e cresceu de maneira acelerada impulsionada por esse posicionamento à frente do mercado. Hoje, está se consolidando como o super-app com o maior número de usuários do Brasil, com mais de 41 milhões de clientes cadastrados”, explica o fundador da plataforma.

Regulamentação do Open Banking

Atualmente, os dados de clientes pertencem exclusivamente às instituições financeiras. O Open Banking propõe que os usuários sejam donos de seus dados e o compartilhamento deles entre instituições financeiras seja universal.

Regulamentar o compartilhamento desses dados trará mais competitividade para o mercado. Sendo assim, instituições mais jovens, como as fintechs, poderão ter acesso a informações mais assertivas sobre os clientes que buscam os serviços que elas oferecem.

“O PicPay enxerga as últimas movimentações do mercado, como o Open Banking e Pix, como evoluções que tendem a aproximar o cidadão comum do mundo financeiro. Somos a favor de toda e qualquer iniciativa que beneficie o consumidor e simplifique sua vida”, afirma Anderson Chamon.

O Banco Central já colocou a primeira fase do Open Banking para rodar, ao todo serão 4 etapas. Essas e outras ações, como o sistema de pagamento instantâneo PIX, têm criado condições para ampliar a concorrência em meio à grande concentração que sempre houve no Brasil e incentivar a inclusão financeira.

Por esse motivo, a Associação Brasileira de Fintechs estima que 700 novas fintechs nasçam com a consolidação dessas tecnologias, quase que dobrando o número atual.

As perspectivas para o futuro

A sustentabilidade do mercado dependerá diretamente da experiência proporcionada ao cliente. Os usuários querem ter mais controle sobre seus dados financeiros e acesso aos melhores benefícios disponíveis em termos de vantagens, promoções e descontos, o que abre espaço para inovações.

Como em qualquer segmento, a concorrência saudável vai contribuir para destacar os melhores players e profissionalizar o mercado.

Ainda segundo o FinTech Report 2020, do DISTRITO, mais de 200 rodadas de investimento injetaram US $2.4 bilhões em fintechs desde 2015 no Brasil. O destaque fica por conta do salto de 183% no crescimento de capital de investimento entre 2018 e 2019.

Em relação aos investimentos direcionados às startups, as fintechs foram as que mais receberam recursos em 2019, abocanhando 35,6% do capital disponível.

O impacto do crescimento das fintechs no mercado bancário

As fintechs mudaram o jogo, fazendo com que o mercado financeiro brasileiro entrasse em uma fase de modernização, o que é extremamente importante.

E, nesse contexto, o maior beneficiado é o consumidor. Afinal, o iminente Open Banking possibilitará cada vez mais acesso e empoderamento a respeito de seus próprios dados, obrigando tanto bancos tradicionais como fintechs, a prestar serviços cada vez mais democráticos, personalizados e flexíveis.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente


+ Notícias 

Conheça as 6 novidades do PIX para 2021, segundo o Banco Central 

Como será o avanço da tecnologia bancária em 2021 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]