Pesquisar
Close this search box.
/
/
Estudo aponta falhas de segurança em aplicativos de combate à COVID-19

Estudo aponta falhas de segurança em aplicativos de combate à COVID-19

O estudo, desenvolvido pela InternetLab, aponta falhas na segurança e na privacidade de dados de aplicativos usados no combate ao novo coronavírus

Um estudo realizado pelo InternetLab, centro de pesquisa em direito e tecnologia, apontou que diversos aplicativos lançados pelo poder público para auxiliar no combate à pandemia do coronavírus apresentam falhas, em especial no tocante a pontos como a segurança e a privacidade de dados dos usuários.

A pesquisa avaliou seis aplicativos de saúde de diferentes esferas e órgãos públicos: Coronavírus SUS (Brasil), Coronavírus SP (estado de SP), Atende em Casa (PE), Saúde Osasco (município paulista), Telemedicina PR (Paraná) e Cachoeirinha (município gaúcho). Além disso, foram considerados os programas da Organização Mundial da Saúde e o do Auxílio Emergencial, da Caixa Econômica Federal.

De maneira geral, todos os aplicativos foram alvo de apontamentos para uma melhor adequação às boas práticas de privacidade e proteção de dados. Para a coordenadora de pesquisa do InternetLab, Nathalie Fragoso, isso indica que a pressa de lidar com a pandemia acaba atropelando alguns cuidados necessários.

“Essas estratégias são acolhidas desde o início porque existe um fim justificado, que é o de combater a doença. Mas não se pergunta se as medidas adotadas são adequadas e necessárias, ou se a privacidade e o tratamento de dados são os ideais”, afirmou em entrevista ao Consumidor Moderno.

Avaliação

Os aplicativos foram classificados em quatro categorias distintas: consentimento, necessidade, transparência e segurança; e em cada um dos quesitos receberam um de três níveis de exposição – baixo, médio ou alto.

A categoria “consentimento” mediu como os aplicativos conseguiam ou solicitavam a permissão para o uso e manipulação de dados e com qual clareza. Já o item “necessidade” monitorou se as permissões solicitadas eram essenciais para o serviço prestado pela plataforma.

O quesito “transparência” serviu para avaliar a política de privacidade do programa e o fácil acesso do usuário a quais informações seriam utilizadas; enquanto “segurança” referia-se à preservação da informação em relação ao acesso de terceiros.

“Utilizamos parâmetros para tornar a avaliação dos aplicativos clara, tendo como referência o Marco Civil da Internet e uma série de boas práticas ligadas à proteção de dados, muitas delas já incorporadas à Lei Geral de Proteção de Dados”, explicou Fragoso.

Resultados

Embora todos os aplicativos tenha apresentado falhas, o estudo destacou algumas características como mais graves no que se refere à proteção e à privacidade de dados.

Na categoria “transparência”, por exemplo, a maioria não trazia as informações necessárias para os usuários, sem expor com clareza como os dados seriam utilizados. Já no parâmetro “consentimento”, algumas plataformas solicitavam um pré-cadastro antes mesmo da apresentação das políticas de privacidade ou dos termos de uso, o que implica em um processamento de dados sem conhecimento pleno do usuário.

Aplicativos

No desempenho geral dos aplicativos, dominaram as notas de exposição “alta” e “média”. Os programas piores avaliados foram os do governo do estado de SP e o da cidade de Osasco, com duas “altas” e duas “médias”.

O aplicativo do SUS foi medido com uma categoria de exposição “baixa”, uma “média” e duas “altas”. Já o Auxílio Emergencial, da Caixa, só foi avaliado em dois quesitos por questões técnicas, obtendo exposição “alta” em “transparência” e “média” em “segurança”.

O melhor aplicativo avaliado foi o da Organização Mundial da Saúde (OMS), que apresentou exposição “média” apenas em “consentimento” e “baixa” nos outros três parâmetros.

Para a pesquisadora, isso é consequência de ter sido “formulado em outro contexto normativo”, além do fato de que o serviço prestado é mais de compartilhamento de informações e menos de avaliação da saúde pública.

Apesar disso, Fragoso ressalta que as diretrizes observadas foram as brasileiras e, assim, deveriam ter sido cumpridas pelos aplicativos nacionais.

Veja o estudo completo AQUI.

Crédito: Internet Lab

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]