Pesquisar
Close this search box.
/
/
Escolha da saúde acontece na doença

Escolha da saúde acontece na doença

Beneficiários têm o dever de informar suas doenças na assinatura de plano de saúde, mas decisão deve considerar o bem-estar, e não só a cura.

O plano de saúde não pode recusar a adesão de novos consumidores aos seus serviços. Isso se dá mesmo se os beneficiários forem idosos, estiverem endividados ou com doenças preexistentes.

A recusa, nessas situações, é considerada como “seleção de risco” e afronta o Código de Defesa do Consumidor. Ademais, trata-se de uma prática proibida pela Lei dos Planos de Saúde e pela Agência Nacional de Saúde (ANS).

Vale lembrar que o Código de Defesa do Consumidor veda somente a recusa de prestação de serviços àqueles que se disponham a pagá-lo.

Negativa do plano de saúde

Portanto, nenhum consumidor deve aceitar a negativa da operadora ao tentar estabelecer um novo contrato de assistência médica.

Segundo o art. 2º da Resolução Normativa n.º 167/2007 da Agência Nacional de Saúde (ANS), doença preexistente é a patologia que o beneficiário ou seu representante legal tinha conhecimento de ser portador, ou sofredor, no ato da adesão ou contratação do plano privado de assistência à saúde. A pergunta sobre doença preexistente, a qual não é feita em vão, é realizada no momento da assinatura do contrato. E o beneficiário tem o dever de informar sua real situação à empresa.

Em suma, isso é bem importante porque há uma cláusula no contrato que estabelece uma carência de até 24 meses, durante a qual o beneficiário não poderá realizar procedimentos mais complexos relacionados ao tratamento de doença.

Só para exemplificar, vamos pensar em um paciente oncológico que está em remissão. Ele oculta essa informação no momento da contratação do plano. Ocorre que, por um período de 24 meses, ele não terá direito a internação ou cirurgia. O que acontece então se o beneficiário apresentar sinais da doença?

Declarações inexatas

O segurado que omite a doença age de má-fé e não terá direito à cobertura, conforme estabelecido no artigo 766 do Código Civil: “Se o segurado, por si ou por seu representante, fizer declarações inexatas ou omitir circunstâncias que possam influir na aceitação da proposta ou na taxa do prêmio, perderá o direito à garantia, além de ficar obrigado ao prêmio vencido”.

Andreson Mendes é Presidente da Unidas.

Anderson Mendes, Presidente da União Nacional das Instituições de Autogestão em Saúde (Unidas), comenta que a escolha de um plano de saúde é uma decisão que impacta diretamente a qualidade de vida e o acesso a cuidados médicos.

Porém, os indivíduos tendem a escolher planos de saúde com base na preocupação com doenças e problemas de saúde, em vez de considerar uma abordagem mais abrangente para o bem-estar.   

“Ao escolher um plano de saúde, é comum que as pessoas analisem a rede credenciada de hospitais, clínicas e médicos que eles oferecem. Elas também levam em conta o preço e a reputação da marca. Mas será que essas deveriam ser as condições certas na hora de selecionar uma assistência de saúde? Se o próprio nome do serviço é plano de saúde, por que o processo de escolha passa mais pela doença?”, questiona Anderson Mendes. 

Saúde x Doença

Pode não parecer, mas há uma grande diferença entre prevenção e cura. Assim, Anderson aconselha as pessoas a se perguntarem, antes de tudo, o que o plano de saúde oferece em relação à promoção da saúde e à prevenção de doenças, e não ter como prioridade qual hospital a operadora oferecerá.  

Em síntese, uma alternativa aos planos de saúde digamos “convencionais”, são os planos de autogestão, que têm como preocupação primordial a promoção da saúde e a prevenção de doenças, em detrimento da simples busca por hospitais para tratamento quando necessário.

Na autogestão, a atenção à saúde deve estar focada em programas de Atenção Primária à Saúde (APS). Nesse tipo de programação, o indivíduo é o centro das ações, e o objetivo é prevenir doenças e reduzir os custos com gastos na área da saúde.

A APS consiste em um acompanhamento periódico do paciente, incentivando ações que evitem doenças e contribuam para reduzir a necessidade de exames e internações desnecessárias. Com um médico da família coordenando o cuidado, é possível evitar despesas desnecessárias, como repetir exames, garantindo a realização dos rastreios necessários conforme o risco de cada paciente.

Atenção Primária à Saúde

A Atenção Primária à Saúde (APS) é uma das maiores preocupações dos planos de saúde de autogestões desde a década de 1990, com mais de 70% dos atendimentos nos serviços de saúde sendo focados nesse programa.

Inclusive, a Atenção Primária à Saúde é um dos motes do Pacto 30•30•30 APS para a Saúde Universal, um chamado de intensificação dos esforços da das Américas para alcançar a saúde universal e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) até 2030.

Em suma, trata-se de um tratado para ratificar que a saúde é um direito e meio universal. Isso significa reafirmar que todas os indivíduos tenham oportunidade de acesso igualitária à cobertura de serviços e intervenções de saúde abrangentes e de qualidade, a saúde, sem incorrer em dificuldades financeiras.

Portanto, a APS visa prevenir doenças e reduzir custos com gastos de saúde, acompanhando o paciente de forma periódica e integrada, evitando exames e internações desnecessárias.

Idosos – APS

Para a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), da Organização Mundial de Saúde (OMS), a APS oferta atendimento acessível, abrangente e baseado na comunidade. É um setor que pode atender de 80% a 90% das necessidades de um indivíduo ao longo de sua vida. Isso abrange um conjunto de serviços que vão desde a promoção de hábitos saudáveis e prevenção de doenças até o controle de patologias crônicas e cuidados paliativos.

Essa estratégia beneficia tanto os planos, que reduzem custos, quanto os beneficiários, que recebem cuidados de qualidade adaptados às suas necessidades individuais. “Investir em APS é essencial para garantir uma saúde privada de melhor qualidade, especialmente para idosos, que têm maior taxa de internações. Com um cuidado preventivo, seria possível reduzir o número de internações e exames, trazendo uma atenção à saúde mais qualitativa e eficaz para todos”, pontua Anderson Mendes.

Prevenção

Lembrando que a taxa de internação para idosos chega a 20%, Anderson pontua que, com um cuidado preventivo, seria possível evitar quatro mil procedimentos. Com certeza, isso causaria alívio na sobrecarga do sistema de saúde como um todo, e melhoraria a qualidade da atenção prestada.

Ademais, o número total de exames também seria reduzido, vez que os indivíduos nessa faixa etária costumam fazer em média 37,7 exames por ano. “Estratégias de cuidado prévio, identificação de fatores de risco e linhas de atenção que promovam bem-estar são essenciais para diminuir a incidência de doenças. Em resumo, é crucial garantir o acesso a um plano de saúde que priorize a prevenção e o cuidado integral do ser humano”, finaliza Anderson.

O tema “A saúde nas alturas: precisamos repensar a saúde privada no Brasil” será trabalhado em A Era do Diálogo de 2024. O encontro está na 12ª edição e tem por objetivo unir vozes para moldar o futuro das relações entre empresas, órgãos reguladores e o consumidor.

Em síntese, a Era do Diálogo é um espaço para encontrar soluções para os desafios enfrentados tanto em nível individual quanto coletivo. Saiba mais em: A era do diálogo

O evento está programado para acontecer no dia 7 de maio, no Hotel Renaissance, em São Paulo/SP.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 284

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
YUCA | Estúdio Criativo

ILUSTRAÇÃO:
Midjorney


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

Fabiana Hanna
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
YUCA | Estúdio Criativo

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Líder de Marketing Integrado 
Suemary Fernandes 
[email protected]

Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 284

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
YUCA | Estúdio Criativo

ILUSTRAÇÃO:
Midjorney


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

Fabiana Hanna
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
YUCA | Estúdio Criativo

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Líder de Marketing Integrado 
Suemary Fernandes 
[email protected]

Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]