Pesquisar
Close this search box.
/
/
Empatia ou algoritmo: um olhar questionador sobre as ações de marketing digital

Empatia ou algoritmo: um olhar questionador sobre as ações de marketing digital

Imersos em um novo mundo, devemos nos questionar: como criar diálogos e canais cada vez mais empáticos?

De acordo como estudo publicado pela “The CMO Survey”, no cenário de pandemia do Covid-19, 85% dos profissionais de marketing relatam uma maior abertura entre os clientes para suas ofertas digitais e 84% valorizam mais as experiências digitais do que antes da pandemia. Sim, o mundo mudou! Ou melhor, acelerou! A transformação digital, ensaiada por muitas empresas, teve que se concretizar. De uma forma ou de outra, frente a tentativas de acertos e erros, não tem mais volta. Se faz necessário evoluir!

Diante deste novo mundo, precisamos refletir sobre o papel da empatia nas relações digitais que se estabelecem.

É praticamente impossível caminhar sem a observação sobre como a pandemia afetou diretamente o relacionamento das empresas com os seus consumidores e os papéis desses novos ambientes digitais frente à nova realidade.

Além dos algoritmos

A Duke University publicou um estudo sobre líderes de marketing em empresas americanas com fins lucrativos, no qual evidencia que os CMOs estão ajustando suas ofertas e dinamizando seus negócios para atender a novas expectativas e oportunidades, sendo que cerca de 60% deles indicam que transferiram seus recursos para fortalecer e construir interfaces digitais focadas nos clientes e 56% transformaram seus modelos de negócios go-to-market para novas ofertas.

Mas, o que todo esse movimento nos mostra?

Se antes as ações de marketing digital eram criadas e direcionadas a partir de avaliações baseadas em algoritmos que tentavam predizer o comportamento e o hábito das pessoas como o Analytics, AdSence, SEO, SEM, CRM, Big Data, entre outras, hoje em um mundo acelerado pela digitalização, é preciso ir além.

É certo que os algoritmos promovem hipóteses a partir da constatação de padrões, mas é a sensibilidade humana na interpretação dos dados que direciona o desenvolvimento de ações capazes de fortalecer propósitos, impulsionar conteúdos relevantes e promover a abordagem interativa, cuidadosa e individualizada.

Em outras palavras, trago mais uma vez a empatia como uma característica fundamental que precisa ser aplicada a todos os contextos de negócios, em especial aos que fazem uso de estratégias digitais, afinal, somos os mesmos seres humanos, independentemente do canal de compras que utilizamos.

Leia também: Qual a sua capacidade de exercer o respeito? 

Entretanto, vivenciamos em um passado recente ações catastróficas de marketing digital que fizeram uso dos algoritmos e dialogaram opostamente ao momento.

Quem não se recorda do caso do aumento substancial no preço das camisetas do Chapecoense em um dos maiores sites de artigos esportivos durante a tragédia do acidente aéreo e também da campanha publicitária de uma empresa de cosméticos durante o acidente do rompimento da barragem de Brumadinho, em Minas Gerais?

Um erro clássico do uso do algoritmo sem a interpretação humana!

Empatia na prática

Na corrente oposta, aplaudimos a evolução da Lu, a influenciadora digital 3D da rede varejista Magazine Luiza.  A personagem nasceu em 2003 com o nome de Tia Luiza e seu propósito era humanizar a experiência de compra no e-commerce, época em que as pessoas tinham medo de comprar com cartão de crédito na internet. Em 2008, a personagem assumiu as redes sociais da marca e ganhou o apelido de “Lu”, momento em que a influência virtual começou a crescer exponencialmente a partir da humanização da personagem. Vale lembrar um momento clássico que marcou a história do marketing digital como o post sensível e humanizado da “Lu” na Copa de 2019.

Foto: Reprodução

E sua história não parou por aí, atualmente com quase 5 milhões de seguidores no Instagram a influencer virtual está a frente de causas sociais, com uma placa em mãos que diz “Ei, moça! Finja que vai fazer compra no app Magalu. Lá tem um botão para denunciar a violência contra a mulher”.

Foto: Reprodução

Em novembro de 2020 a empresa registrou 260% de aumento em vendas no app, além de ser uma das marcas mais bem avaliadas durante a pandemia.

O segredo da Magalu? Humanização da tecnologia! A partir de um machine learning, a chatbot aprende, humaniza e empatiza com seus seguidores. É a combinação perfeita entre algoritmos e sensibilidade humana na construção de narrativas digitais!

Sob uma outra perspectiva, o Ifood surpreendeu no uso de algoritmos para gerar relevância em tempo “mais do que real”. Até 2018, a empresa focada em analise de dados e performance digital, foi capaz de extrapolar as redes e realizar ações de conteúdo com uma velocidade fenomenal integrando os diferentes meios de comunicação.

A empresa criou um dos primeiros merchandisings na transmissão ao vivo do futebol, onde o influenciador Cartolouco segurou um cartaz de torcida com um cupom do iFood para o narrador Luís Roberto, que apareceu depois com o pedido feito, mostrando as sacolinhas do iFood. Essa ação ganhou o prêmio Efiie Awards Brasil 2020 na categoria Data Driven.

Foto: Reprodução

Um outro case emblemático nessa temática foi a Netflix. Durante o confinamento, a demanda por entretenimento online aumentou significativamente e a empresa teve que dar um grande impulso para se adequar.

As produções originais ganharam cada vez mais adeptos e foi um dos mais importantes braços de crescimento. Ao perceber a grande paralisação de produções do cinema e da televisão, a empresa despontou em produções próprias convencendo os investidores sobre a importância dessa ação na plataforma. Para se ter uma ideia, segundo a Netflix cerca de 78 milhões de famílias assistiram a “The Old Guard”, produção própria, nas primeiras quatro semanas de lançamento.

E nada mais será como antes… Falar de transformação digital já não cabe mais, pois a pandemia vem nos ensinando a sobreviver digitalmente.

O que sim fará a diferença, será humanizar essa transformação, unindo tecnologia & empatia na criação de ações de digitais.

Por isso, se eu puder te dar uma dica, siga se desenvolvendo nas habilidades analíticas, mas reserve um bom espaço também para entender de comportamento e empatia. Logo em breve, não veremos mais a definição de marketing digital, mas sim um marketing humanizado que fará uso da melhor combinação dos dados e meios.


+ Notícias

Soft skills: as habilidades que vêm sendo cada vez mais valorizadas no mercado 

Itaú mapeia hábitos de consumo na pandemia e traça tendências 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]