Pesquisar
Close this search box.
/
/
E-learning 2.0: como o CX pode ajudar a moldar a educação do futuro

E-learning 2.0: como o CX pode ajudar a moldar a educação do futuro

Aprendizagem ativa chega à EAD prometendo ambientes virtuais com maior interação e aluno produtor de conteúdo

Dificilmente alguém, em especial das gerações mais novas em idade escolar ou universitária, “sobreviveu” aos últimos anos sem ter ao menos uma experiência educacional online. Desde formações rápidas e aulas gratuitas aos tradicionais cursos de graduação, a pandemia fez com que as possibilidades de educação a distância (EAD) se expandissem. Sim, o e-learning, que já vinha como tendência, chegou para ficar.

Mas, assim como as salas de aula – sejam ainda com lousa e giz, sejam com equipamentos mais modernos – precisam se reinventar constantemente para se adaptar às demandas dos alunos e dos tempos atuais, não é diferente com os ambientes virtuais de aprendizado. O e-learning caminha agora para o e-learning 2.0, que traz maior autonomia e interação e mais produção de conteúdo, colocando o CX no centro de sua lógica.

E-learning 2.0 x e-learning tradicional

O coordenador dos cursos de Licenciatura em Pedagogia e Letras da graduação Senac EAD, Caio Augusto Alves, explica que as diferenças entre o e-learning tradicional e o e-learning 2.0 acompanham as mudanças da web tradicional, ou dita 1.0, para a web 2.0.

Nesse sentido, são muitas inovações que podem ser elencadas, que vão desde o uso de aplicações que refletem ambientes de trabalho até os imensos bancos de dados que são automaticamente alimentados e atualizados.

No entanto, para ele há um ponto a se destacar: enquanto o e-learning estava se burocratizando e se aproximando, cada vez mais, dos modelos regulares de ensino, o e-learning 2.0 oferece a possibilidade de as pessoas conectadas passarem de meros consumidores a produtores de conteúdo.

“Usar a internet como ferramenta para que qualquer pessoa possa produzir conteúdo e publicar sua percepção de vida para o mundo foi uma potencialidade observada por educadores, que rapidamente a utilizaram para promover a aprendizagem”, afirma o coordenador.

Assim, o CX torna-se muito mais participativo e significativo, uma vez que os usuários expandiram sua posição inicial de consumidor para produtor. “Esta nova posição possibilita que os processos de aprendizagem a distância, principalmente os mediados pelas tecnologias digitais, transitem da aprendizagem passiva para a aprendizagem ativa, onde o aluno pode desenvolver sua autonomia”, diz.

Assine nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

O impacto do CX no e-learning 2.0

Engana-se quem pensa que aprendizagem ativa e autonomia do aluno são conceitos novos. Estes princípios metodológicos foram organizados no início do século XIX. Desde lá, inúmeros estudos concluíram que um aluno fazendo experimentações, testando hipóteses, utilizando métodos científicos e, enfim, colocando a mão na massa, aprendia muito mais do que em aulas simplesmente expositivas.

Com pesquisas corroborando esses resultados por mais de séculos, o ensino online não poderia ficar de fora deste processo. “Isso seria sua derrocada e jamais o faria como opção frente às outras modalidades de ensino”, pondera Caio Augusto Alves.

Além disso, os alunos que estão chegando às instituições educacionais acabaram experimentando, nem que seja minimamente, alguma forma de ensino online ou remoto durante a pandemia. Isso fez com que eles construíssem parâmetros para avaliar sua experiência como consumidor e exigissem meios e ferramentas para a melhor condução da aprendizagem.

“Isso não existia em totalidade tempos atrás. Os alunos hoje querem novas formas de interação e perceberam a possibilidade de aprender por outras mídias. Quem teve experiências satisfatórias de ensino online exige pelo menos um hibridismo”, fala o coordenador do Senac EAD.

Os impactos desta nova mentalidade em relação ao CX no e-learning 2.0 são inúmeros. A mudança na mentalidade, por exemplo, pode fazer com que professores e instituições se arrisquem a novas interações que, de alguma maneira, contemplem parte da demanda dos alunos desta nova geração.

Já nas dinâmicas da sala de aula, Caio Augusto Alves conta que está cada vez mais difícil não envolver a produção de vídeo ou áudio em meios às atividades avaliativas. Outro exemplo é a utilização das redes sociais, que permitem que os alunos não só partilhem as atividades educacionais com familiares e amigos, mas que também se sintam motivados em reação à aprendizagem.

Conheça o Mundo do CX

Inovação e desafios na educação online

Como o próprio nome sugere, o e-learning 2.0 dá um upgrade nos processos de educação a distância que já existiam e transforma a modalidade, para que ela de fato produza uma aprendizagem significativa tal como é possível no ensino presencial.

Na medida em que o aluno pode experimentar a produção de conhecimento, é possível elevar o tipo de interação proposto a um outro patamar e promover a relação efetiva entre prática e teoria, algo importante a qualquer processo de aprendizagem e que era muito difícil de fazer antes da web 2.0.

Para o coordenador do Senac EAD, Caio Augusto Alves, o novo cenário incide desde na melhora na produção da aprendizagem até na consolidação de centros de excelência em pesquisa e produção do conhecimento a distância. Ele acredita que as metodologias ativas adentrem cada vez mais as plataformas, trazendo inovações e um CX baseado em projetos, problemas, desafios e grupos.

“Muito ainda precisa ser feito, falta que gestores entendam a tendência e percebam o ganho educacional que esse processo pode dar às instituições, aos alunos e à sociedade. De qualquer forma, o caminho está facilitado, pois todo o instrumental necessário está à disposição”, afirma o profissional, que lembra já ser possível fazer uso de laboratórios virtuais, simulações com realidade aumentada e pesquisa e extensão universitária online com bom acúmulo de experiências significativas.

Outro desafio a ser considerado é a dificuldade de acesso, principalmente quando se pensa na realidade brasileira. E a dificuldade diz respeito tanto ao acesso a dispositivos conectados quanto ao letramento digital.

O coordenador afirma que, sem esse mínimo, os alunos nunca poderão experimentar o e-learning 2.0 em sua totalidade. Afinal, a metodologia vai ficando cada vez mais interessante quando se percebe que todos podem ser autores, ou seja, produtores de conteúdo educacional.

“Quanto mais autores tivermos, melhor. O que seria do Youtube se nele houvesse apenas cinco autores? O interessante é que todo mundo possa produzir, criticar, compreender e se posicionar, com muito letramento, é claro, para não cairmos em armadilhas como as fake news. Mas para que isso ocorra, é necessário democratizar o acesso e investir em infraestrutura”, finaliza.


+ Notícias

Como a pandemia mudou as prioridades de trabalho da Geração Z?

Para jovens, marketplace é o meio mais conveniente de comprar

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]