Pesquisar
Close this search box.
/
/
Admirável Mundo Novo: Será? O direito da mulher ganhou evidência, mas é só o começo

Admirável Mundo Novo: Será? O direito da mulher ganhou evidência, mas é só o começo

Nos últimos anos, temas relacionados ao direito da mulher ganharam relevância e, inclusive, impactam o CX. Mas é preciso ir além do discurso

Percorrendo o mundo dos negócios e ambientes propícios ao networking, andei vasculhando, me informando e atualizando o tem sido feito em relação aos direitos da mulher. Destaco números obtidos pelo Instituto Avon em 2017 e que, apesar de não serem tão recentes, ainda são bastante assustadores e, acredito, atuais: Nos três anos anteriores à pesquisa, o assédio virtual havia crescido 26.000%; 60% das vítimas de feminicídio (ou seja, mulheres assassinadas por serem mulheres) morrem até os 40 anos de idade; a cada hora, quatro meninas de até 13 anos são estupradas no Brasil; 61% das mulheres assassinadas são negras; 90% dos assassinatos de mulheres são cometidos pelo companheiro ou por um ex-companheiro.

Mas, a presença de homens tanto em eventos sobre esse tema, a participação ativa e a colaboração deles nesse caminho são a prova de que esta pauta não faz mais parte de um movimento isolado e que, apesar de todos os “nãos”, está ocupando salas de reunião mundo afora para garantir o espaço e a voz das mulheres.

Nesse sentido, agradeço e parabenizo a juíza Renata Gil e todas parceiras e ativistas por toda esta batalha e persistência. Tenho orgulho de ser mulher e de fazer parte de um País que, apesar de todos os pesares, está enxergando e, pelo bem ou pelo mal, abrindo as portas da frente para esta batalha. Mas a caminhada está só começando…

Assine nossa newsletter!
Fique atualizado sobre as principais novidades em experiência do cliente

Esta pauta não é exclusiva das mulheres ou dos governos e só vai para frente com apoio e participação de todos – aí incluo o setor privado, homens, magistrados e pessoas como nós. Não adianta esperar, como dizia Geraldo Vandré: “Vem vamos embora que esperar não é saber. Quem sabe faz a hora não espera acontecer”.

A questão dos direitos da mulher e tudo o que está relacionado a eles é muito séria. Já vemos empresas que tomaram a liderança e abraçaram este assunto, propiciando verdadeiras mudanças na vida de mulheres que, por anos/vidas, tiveram sua liberdade castrada e precisaram permanecer em situações de abuso, por um ou outro motivo, seja em empregos, seja em casamentos mas, agora, sentem-se apoiadas e encontraram um canal para expressar a própria voz e um local que acolhe a sua dor.

Os direitos da mulher em prática no CX

Entre essas empresas está o Instituto Avon, com o programa Violência contra Mulheres e Meninas no Brasil, que existe desde 2008. Para minha surpresa e encantamento, vi também a Vivo dar passos em direção a um olhar diferenciado sobre a mulher em algumas frentes. Embora não seja amplamente divulgado – ao menos esta iniciativa não chegou nem a mim e nem aos meus conhecidos – a Vivo dispõe de uma equipe feminina para atendimento técnico nas residências*.

São profissionais super bem treinadas, que conhecem o assunto, gostam do que fazem e rapidamente resolvem a questão para que foram chamadas. É uma iniciativa que não só valoriza as mulheres, mas dá oportunidade em uma área executada majoritariamente por homens e também tem o propósito de deixar consumidoras do gênero feminino mais confortáveis com a visita técnica, inclusive aquelas que moram sozinhas.

A tecla em que batemos, tanto na área de atendimento e CX quanto na de ESG, é a falta de alinhamento entre as soluções oferecidas pelas empresas e o que é realmente entregue por elas. Tempos atrás, muitas das empresas não se importavam com essas questões: consequentemente, elas não existiam e nem eram pautadas em reuniões.

Atualmente, são exigidas por parte dos investidores, e também por consumidores. Não há muita escapatória e a questão que fica é: vai ser feito de verdade ou só “para inglês ver”?

A prática tem que combinar com o posicionamento

Isso posto, voltamos para a Vivo, que parecia oferecer um serviço e um atendimento técnico alinhados com as questões de segurança, gênero etc. Com dúvidas sobre um serviço oferecido pelo técnico da empresa, procurei a Ouvidoria e fui informada não só de que o técnico não era da Vivo, mas de que eu havia sido vítima de um golpe: disseram que a Vivo não realiza serviços dentro da residência, tampouco vende produtos, e orientaram que eu fizesse um Boletim de Ocorrência contra o técnico (no caso, funcionário). A Ouvidoria me “apavorou” com a sugestão que uma gangue tinha entrado na minha casa, usando uniforme e crachá da Vivo.

Depois de semanas, consegui entender o caso, mas ficou uma mancha em toda a minha experiência com a Vivo e uma questão injustificável: do que adianta formar equipes femininas para dar maior conforto às mulheres e seguir protocolos de segurança se, por outro lado, a Ouvidoria da empresa irresponsavelmente recomenda que se faça um BO contra um funcionário que nem ela sabia que trabalhava na empresa? O atendimento gerou pânico, está desatualizado em relação aos produtos e serviços oferecidos pela empresa e, além de toda a “trapalhada”, nem se preocupa em desfazer o caos que provocou.

Deixa a impressão de total descompromisso da Ombudsman/Ouvidoria – tanto com o cliente, quanto com os colaboradores ou com nome e valores da empresa. Além disso, deixa a certeza de desrespeito com o próximo, falta de experiência e competência no cargo que exerce e leviandade em suas atitudes.

Finalizo este artigo com uma pergunta: qual a função do Ombudsman? É esta pessoa que me atendeu na Vivo que me representa? De quanto vale o tempo, recursos em lançar novos produtos, pensar na segurança dos consumidores e das mulheres em particular, quando não há alinhamento e a entidade que deveria responder pela defesa do consumidor nem ao menos tem consciência da exposição negativa que gera à empresa, a seu terceiro e principalmente às suas clientes?

*A iniciativa da Vivo chama-se Mulheres de Fibra e foi criado a partir do Programa Mulheres em Áreas Técnicas, com o objetivo de alavancar a presença de mulheres na tecnologia. O programa impulsiona a presença feminina na área de Serviços ao Cliente e estimula a presença das mulheres em atividades antes tipicamente masculinas – como reparo e instalação na casa do cliente. Para se candidatar a uma vaga, não é necessário ter experiência, apenas o ensino médio completo; para o cargo de Instaladora, é necessário ter CNH categoria B. Além disso, a Vivo oferece todo o treinamento, com mais de 100 horas de capacitação.



+ NOTÍCIAS
Assaí Atacadista e a valorização da diversidade
Lojas Renner e o compromisso com a biodiversidade

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]