Pesquisar
Close this search box.
/
/
Como o Design Thinking pode enfrentar problemas reais e contemporâneos?

Como o Design Thinking pode enfrentar problemas reais e contemporâneos?

A especialista Michelle Aguiar, aborda o Design Thinking em seu novo livro e traz reflexões e ferramentas importantes para profissionais interessados em compor soluções efetivas para a experiência do usuário

O esforço central em Design Thinking é a garantia da experiência ideal para o usuário de qualquer produto ou serviço, seja ele digital ou físico.

Recentemente, Michelle Aguiar, especialista no tema, e profunda conhecedora de design de interação, gamificação, usabilidade e UX, lançou o seu novo livro “Design de Serviços”. Nele, a autora se aprofunda na composição de soluções em design de serviços que efetivamente enfrentam problemas reais e contemporâneos.

“Independentemente do tipo de interação, as camadas da experiência do usuário afetam sua percepção acerca do serviço e, portanto, precisam ser direcionadas a uma interação que proporcione percepções favoráveis. É preciso filtrar as camadas de percepção do usuário a partir do comportamento, expertise do prestador de serviços, processos, sistemas e ferramentas oferecidas pelo serviço”, diz Michelle sobre a construção de uma experiência positiva a partir do Design Thinking.

A natureza dos serviços aliada a experiência do usuário

Michelle aponta que o estudo de projetos orientados a serviços ainda é uma abordagem muito recente dentro do design. “A natureza dos serviços envolve tanto ações intangíveis, que não apresentam evidências físicas e exigem a participação direta do usuário, como ações tangíveis, que se constituem a partir de evidências que podem ser fisicamente percebidas pelos usuários”, explica a autora.

Conheça o Mundo do CX

“A metodologia do Design Thinking está fundamentada em um pensamento sistêmico, em que o todo seja observado por diferentes perspectivas”. 

Design Thinking e a prática do pensamento sistêmico

No que tange a oferta de serviços, Michelle explica que o design integra o usuário como parceiro ativo e cocriador de valor no processo de entrega do serviço – tirando-o da posição de consumidor passivo. “Foco em inovação, observação, colaboração, cocriação e análise de diferentes realidades aliadas ao conceito de prototipação rápida são os passos iniciais para profissionais proporem soluções efetivas em Design Thinking”, diz a autora.

Para aprofundar um pouco mais o entendimento dessa ferramenta importante para a construção de experiências positivas nas relações de consumo, conversamos com a Michelle Aguiar. Confira!

CM- Com o avanço da digitalização e de novos comportamentos de consumo, sobretudo com as novas gerações, como é pensar o propósito do Design Thinking hoje?

MA –A metodologia do Design Thinking está fundamentada em um pensamento sistêmico, em que o todo seja observado por diferentes perspectivas. Com isso, todas as ferramentas e procedimentos que são utilizados em Design Thinking incentivam o time a sair da zona de conforto e promovem um processo disruptivo, em que experimentar e aprender são uma constante durante todas as etapas que devem conduzir a uma solução inovadora.

Ou seja, apesar de diferentes contextos e de diferentes comportamentos que venham a surgir com o tempo, esta metodologia também incentiva a observação e a empatia, além de um design participativo, em que as partes interessadas podem participar ativamente de todo o processo. Dessa forma, o propósito do Design Thinking acaba se moldando a diferentes situações e comportamentos.

design thinking

CM- Quais são os maiores desafios para profissionais e marcas que desejam prover a melhor experiência para seus clientes com o auxílio do Design Thinking?

MA –Um grande desafio ao profissional contemporâneo é estar preparado para atuar de forma interdisciplinar. Boa parte dos profissionais é muito competente em sua área de atuação e está cada vez mais especializada, porém, está despreparada para ir além de suas competências, atuando apenas de forma multidisciplinar, com cada um apenas realizando seu papel.

O ideal diante de nosso contexto e em constante transformação é que tenhamos profissionais competentes e especialistas em suas áreas, mas que sejam flexíveis e atentos para atuar além de suas competências de maneira transversal e interdisciplinar.

Outro desafio tanto para profissionais quanto para as marcas é a formação de times inteligentes, que possam explorar ao máximo a interdisciplinaridade da equipe, que saibam observar o contexto e extrair as informações necessárias para compor as soluções adequadas aos problemas e, principalmente, que tenham empatia para prover uma melhor experiência aos clientes.

CM- Design Thinking pode ser aplicado em todas as áreas do negócio?

MA – Sim. O Design Thinking promove um processo exploratório em que podemos nos organizar em três espaços e etapas básicas para promover a inovação: inspiração, ideação e implementação. Com isso, está metodologia pode ser aplicada em diferentes áreas do negócio e em outras áreas como educação, tecnologia, governo etc.

“Eu acredito que o Design Thinking não se transforma, mas promove a transformação”. 

CM – Personalização, pertencimento, decisões de compras orientadas por diferentes valores… tudo isso e outras características estão impactando o consumo e o relacionamento entre clientes e empresas. Nesse cenário, o Design Thinking também se transforma? Como ela se adapta sem que a marca perca relevância e contexto?

MA – Eu acredito que o Design Thinking não se transforma, mas promove a transformação. Um dos propósitos do Design Thinking é promover o pensamento disruptivo, tirando o time da zona de conforto. Isso somado às ferramentas, procedimentos e outras estratégias incentivadas por esta metodologia são essencialmente agentes de transformação e, quando bem aplicadas, tendem a compor soluções inovadoras e relevantes, uma vez que o todo foi considerado e as possibilidades foram amplamente testadas por meio do pensamento sistêmico.

CM – Como é pensar o “Design Thinking do Futuro”. Na sua visão para onde caminha esse conceito e ferramenta como vetor de novas experiências para o consumidor?

MA  – Acredito que não há como pensar o “Design Thinking do Futuro”, pois esta metodologia já foi concebida para pensar o futuro, para incentivar um pensamento fora do convencional e para promover soluções inovadoras. Como já disse, nosso contexto contemporâneo é bastante complexo e está em constante transformação. As bases do Design Thinking já vêm considerando isso desde a Revolução Industrial e, a partir do final da década de 1990 com a Internet bem mais presente em nosso cotidiano, o Design Thinking surge como metodologia de design para ser aplicada justamente para lidar com tantas transformações.

Com isso, percebemos que a cada transformação, a cada nova demanda, é inevitável a busca por novas formas de oferecer uma experiência realmente adequada às necessidades e às expectativas das pessoas. Assim, vejo o Design Thinking cada vez mais presente no dia a dia das pessoas e das instituições como forma de pensar, como meio de agir e projetar experiências.

Assine a nossa newsletter e receba as principais notícias da experiência do cliente  


+ Notícias

Quais são maiores erros que uma marca pode cometer em CX?

Saiba como a C&A expandiu conceitos em CX para seu marketplace 

 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]