Pesquisar
Close this search box.
/
/
Crise hídrica: além do pesadelo, a nossa realidade

Crise hídrica: além do pesadelo, a nossa realidade

Crise? A julgar que a palavra refere-se a algo passageiro, esse não é exatamente o termo correto ao referir-se à falta de água que assola o Sudeste

Crise, sob o aspecto etimológico com origem no grego, significa ?ação ou faculdade de distinguir decisão/ momento difícil?, que nos remete a algo momentâneo e não permanente, passageiro até o instante da decisão ou exercício da faculdade. No mesmo entendimento desta significação os orientais, através dos ideogramas (kanji), também trazem a ideia de temporalidade na interpretação da crise (kiki). Portanto não há ?crise hídrica?, o que há é um colapso pelo fato do esgotamento, em todos os aspectos, da água. Diferente da crise o colapso é previsível.

Não ?é? uma realidade, ?sempre foi?. Em 1960, durante a implantação do formato atual do sistema Cantareira (na época Sistema Juqueri), havia um alerta nos estudos mencionando que a capacidade de abastecimento se esgotaria no ano de 2000 para a região do Grande ABC. Em 2004 houve a outorga de parte do sistema Cantareira (reservatórios: Jaguari-Jacareí, Cachoeira e Atibainha, na imagem acima) para a SABESP (Companhia de Saneamento do Estado de São Paulo) e ao Consórcio PCJ (Consórcio das Bacias dos Rios, Piracicaba, Capivari e Jundiaí) no qual se comprometiam a criar soluções para diminuição da dependência do Sistema Cantareira diante do crescimento populacional do Estado de São Paulo e principalmente da Região Metropolitana da Capital.

Em 2009, um detalhado estudo realizado pela Universidade de São Paulo (USP), e enviado ao Governo do Estado de São Paulo, alertava para o menor volume útil registrado (15,7%) desde 1974 e propôs diversas medidas para ?que evitem o colapso de abastecimento das regiões envolvidas e minimizem a influência política nas decisões?. Nenhuma das medidas foi adotada, as condições para outorga não foram exigidas e o antigo estudo mencionado se mostrou correto quanto a previsão. Ou seja, atingimos esta realidade não por falta de alertas e até mesmo de soluções, mas por inércia na gestão dos interesses do Estado.

Na contramão da prevenção, o Governo do Estado de São Paulo em vez de fazer pesados investimentos na manutenção da rede de abastecimento, fiscalização e reflorestamento das regiões de mananciais e constantes campanhas de conscientização do uso da água; preferiu negociar o seu patrimônio (47,7%) na Bolsa de Valores de Nova Iorque (New York Stock Exchange ? NYSE), através de ADR nível III (American Depository Receipts) sob sigla SBS, e na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F Bovespa) sob a sigla SBSP3ON (Ação Ordinária) em 2004. Desde então distribuiu R$ 4,372 bilhões em dividendos e em nenhum desses anos respeitou o payout máximo de 25%, determinado pelo estatuto da Sabesp.

Ao longo desses anos os valores das ações da Sabesp na NYSE foi na ordem de 601% e na Bovespa de 427%. Ao mesmo tempo os investimentos na Sabesp quase quintuplicaram (acumulado de R$17,478 bilhões). Com excelente rentabilidade no mercado e investimentos na casa dos bilhões, como a gestão da água não melhorou? A explicação é que no momento em que entra no jogo das Bolsas de Valores o que importa é o retorno financeiro. Para que isso aconteça é necessário ?melhorar os números?, substituição de redes de abastecimento com mais de 30 anos, funcionários e menos dependência do sistema Cantareira não estão nesses ?números?.

O investimento da Sabesp voltou-se para o aumento de ligações da rede de abastecimento e captação no tratamento de esgoto porque é a forma mais rentável quando trabalhamos com ?números?, pois ambos os serviços geram tarifas e, consequentemente, isso eleva os valores nos demonstrativos de resultados da Sabesp.

O Governador, no entanto, insiste em dizer que não há racionamento, mesmo diante do estado de calamidade em cidades do interior paulista (principalmente Itu que ficou quase 3 meses sem água) e nos bairros periféricos de São Paulo (desde agosto de 2014), declarou que há ?reduções de fornecimento e diminuição da pressão? e culpa a Agência Nacional de Águas (ANA) pela determinação na ?redução do fornecimento?.Diversos consumidores entraram com ações na Justiça para proibir cortes e/ou aumentos nas contas (em razão das multas), alegando que enquanto não existir a declaração oficial de racionamento, não pode suspender o serviço.

Enquanto alguns bairros ficam dias sem água, outros ainda não sabem o que é ficar quase cinco dias sem. Esta distinta realidade também tem reflexos em quem detém um maior poder econômico. Recentemente foi publicada a lista de quase 500 estabelecimentos que se beneficiam da relação: quanto maior o consumo, menor a tarifa paga pela água. Tais empresas têm esse privilégio através de contratos firmados com a própria Sabesp que estabelecem uma tabela de cobrança diferenciada (prática também comum com distribuidoras de energia elétrica). Como nas ações negociadas nas Bolsas de Valores que beneficiam os que detêm o capital financeiro, na realidade do racionamento só não é prejudicado quem possui um poder econômico maior. O racionamento tem CEP no Estado de São Paulo.

Os diversos veículos da mídia e o próprio Governo do Estado culpam São Pedro pelo colapso hídrico. Justificam que em todo o mundo há lugares com situação de seca. Esquecem que a teoria do conhecimento evoluiu consideravelmente nesses últimos 200 anos de história, e que clima e outros fatores naturais conseguem ser previstos e/ou explicados através de demonstrações técnicas. Para os mais céticos, esses mesmos dois personagens culpam os cidadãos pela falta da água. Novamente não se atentam que o consumo residencial no Brasil equivale somente a 9% (dos quais quase 30% são perdidos por vazamentos e ligações clandestinas) enquanto a população rural consome 1%, as indústrias 7%, a atividade pecuária 11% e a agricultura 72%, de todo o fornecimento hídrico.

Por mais que todos os residentes economizassem 50% de água, os outros 95,5% continuariam consumindo como se não fossem os culpados pelo excesso de uso. Obviamente é importante o uso racional da água (banhos curtos, manutenção dos encanamentos residenciais, e demais ações que evitem o desperdício), como também é extremamente importante a diminuição das perdas no fornecimento (quem dera chegássemos aos 11% como o Japão), mas se não existir uma ação conjunta com gestão e planejamento, o esforço dos residentes será em vão. Alternativas de manejo na matriz hídrica e medidas que visam diminuir o uso de água na agricultura seria uma alternativa viável, como propõe a USP em estudo premiado.

A preservação das áreas de mananciais e nascentes é imprescindível para a gestão ambiental. Mesmo com o fevereiro mais chuvoso em nove anos, o nível do Cantareira não subiu como o desejado (e se subiu foi em razão da diminuição da captação da água e dos fechamentos temporários de diversos registros na cidade) e luta dia a dia contra o ?efeito esponja?. Para agravar, após a aprovação do novo Código Florestal em 2012, há uma maior área legal em que permite a ocupação da região de mananciais, represas e margens de rios. Todos sabemos dos malefícios da urbanização das áreas de águas (a Billings é um exemplo disso). Na época houve uma massacrante vitória na aprovação (e se fosse hoje seria maior ainda com a nova composição do Congresso Nacional), vale a pena ler o único voto em apartado contra.

A água é necessária para garantir uma dignidade à vida. Diversas regiões e países vivem com a falta de água há séculos, e nem por isso deixaram de existir e produzir. Mas para que isso acontecesse e não extinguisse os locais, foi necessária gestão e planejamento (em áreas desérticas, áridas ou que não estão próximas á fontes de água doce). A água não é uma fonte infinita, e precisamos acabar com o ?mito da infinidade? da mesma no Brasil. Perceber que o fenômeno é complexo e internacional. O Estado de São Paulo não está sozinho nisso, depende de outras regiões do Brasil (como a Amazônia, por exemplo). O modelo do consumismo desenfreado (a quantidade de comida desperdiçada no mundo é suficiente para acabar com a fome) não é sustentável. A produção supera em muitas vezes o nível da necessidade. Há um grande excedente em tudo no mundo. Neste ritmo de poluição, destruição, produção estaremos destinados não só á um colapso regional, mas mundial da água.

 

***

Pedro Henrique Teruji J Minamidani é professor do Curso de Direito do Centro Universitário Anhanguera de Santo André.

Leia mais:
Mesmo com a crise, Sabesp tem contrato que premia o consumo
Água destinada a empresas aumenta 92 vezes em 10 anos
Crise hídrica: entre racionamento e sobretaxa
 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]