Pesquisar
Close this search box.
/
/
Correios vão aumentar preço do frete em 8% a partir de março

Correios vão aumentar preço do frete em 8% a partir de março

Saiba em detalhes o que tem motivado os anúncios sucessivos dos Correios referentes ao aumento no preço dos fretes, que impactam diretamente o varejo

Os Correios têm sofrido para conseguir manter os preços dos fretes estabilizados desde que a diretoria da estatal resolveu recuperar o caixa da empresa, que segundo ela, estava desfalcado por conta das políticas de subsídio de preços.

Em 2017, os Correios fecharam a operação do e-Sedex por conta dos aumentos sucessivos do custo de entrega. Em 2018, a estatal entrou em litígio judicial com empresas de comércio eletrônico para aumentar o preço do frete e foi impedida pela justiça.

Neste mês, os Correios anunciaram novo aumento. A partir do dia 6 de março, a estatal deve reajustar o valor dos fretes em 8,03%. Os players do e-commerce reclamam pelo fato de o aumento ser superior ao IPCA, que fechou o ano passado com 3,75% de aumento. Os Correios, porém, afirmam que a base de cálculo é o IGP-M, que fechou 2018 com 8,74%, o que colocaria o aumento abaixo da inflação.

Frederico Flores, head da Becommerce, plataforma de e-commerce que pertence ao Mercado Livre, contesta a forma como a estatal compara os aumentos. O executivo da Becommerce afirma que, fretes entre São Paulo e Campinas, por exemplo, que concentram um dos maiores fluxos de mercadoria do País, ficaram 50% mais caros. “Houve uma revisão dos subsídios dos preços dos fretes e algumas cidades foram mais punidas que outras. Teve aumento de fretes em determinadas regiões que chegou a 50%. Então, pode ser que, na média, o valor dos fretes dos Correios tenha aumentado 8%, mas certos fretes aumentaram muito mais do que isso”, avalia.

O executivo destaca a política de subsídio de preços dos Correios como forma de democratizar as entregas por todo o País. Mas afirma que, depois da mudança de política da empresa para restabelecimento de caixa, alguns estados estão absorvendo o custo de frete de outros. “Os Correios sempre tiveram uma política de subsidiar fretes para regiões mais afastados dos centros do País. Com essa nova gestão da estatal, voltada para o lucro e geração de caixa, o que aconteceu é que esse subsídio continuou, mas passou a ser pago pelos outros estados”, destaca Flores.

Dicas da Becommerce sobre como reduzir os custos dos fretes (Arte: Fernanda Pelinzon / Grupo Padrão)

Frete, um dos maiores custos do e-commerce

Flores coloca o frete com um dos dois fatores que mais contribuem para a falta de lucratividade dos e-commerces no Brasil. O primeiro fator é o marketing, ou seja, quanto o e-commerce gasta para trazer o cliente para dentro da plataforma. “Chega a ser 30% do valor do produto. Esse é o grande sangrador, o custo de aquisição”, detalha.

Em seguida, vem o custo do frete e os varejistas on-line têm sofrido para encontrar um equilíbrio entre rentabilidade e número de conversões. “Se você coloca preço de frete mais alto para cobrir gastos, você reduz muito na conversão. E cada visita tem um preço”, ressalta.

Daniel Domeneghetti, CEO da consultoria DOM Strategy Partners, afirma que os Correios têm dificuldade de fazer a transição de seu modelo de negócios para a nova era do comércio eletrônico. Segundo o especialista, a estatal ainda mantém sua operação voltada para a entrega de cartas e não consegue formatar o seu negócio para entrega eficiente de produtos. “O mercado delivery para e-commerce está se ancorando em experiências como do Uber Eats e Rappi. Os Correios estão sendo pressionados, mas não têm velocidade necessária para consertar o modelo de negócios”, afirma.

O consultor reconhece, porém, duas vantagens competitivas essenciais dos Correios sobre as concorrentes privadas, capilaridade para entregar em território nacional e confiabilidade. “Para as privadas, é muito difícil competir com os Correios no um para um. Vemos várias empresas competindo com os Correios em diferentes locais e serviços”, avalia.

Adriano Caetano, vice-presidente de Estratégias da Nuvem Shop, plataforma de e-commerce, lembra que o custo do frete é um problema crônico para o Brasil e que está relacionado a questões variadas, desde risco de assalto a veículos de entrega até infraestrutura viária incompatível com o aumento da demanda.

Caetano afirma que, na média, o frete corresponde a 25% ou 30% do preço do produto para o consumidor final, o que o deixa bem perto do principal custo operacional dos e-commerces, que é o marketing. O executivo não vê solução em curto ou médio prazo para o problema da pressão sobre o preço do frete, mas crê que iniciativas tocadas por startups podem aplacar o problema, com entregas mais rápidas para localidades mais próximas.

Outra solução, essa mais delicada, tem sido apresentada pelos próprios varejistas e marketplaces. “A gente observa algumas estratégias nos marketplaces com os lojistas dividindo custo do frete para aumentar a base de clientes. Eles estão subsidiando. Nos casos de produtos que não são de nicho, a concorrência é muito grande pelo mesmo produto e a redução do preço do frete pode ser uma forma de vencer a concorrência”, avalia.

Peso sobre os pequenos

Os grandes varejistas com operações on-line, de uma forma geral, já conseguem se livrar dos Correios. Quem afirma isso é o presidente da ABComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico), Maurício Salvador. Segundo ele, alguns dos grandes têm 80% das suas entregas feitas por transportadoras privadas.

O peso do aumento dos fretes dos Correios, segundo o presidente da associação, incide principalmente sobre micro, pequenos e médios e-commerces. “Atualmente, 70% dos produtos vendidos pela internet são entregues pelos Correios, mas quando a gente olha para os micro e pequenos essa dependência é ainda maior, sendo que, em alguns casos, 90% ou mais das entregas são feitas pelos Correios”, diz.

A ABComm está em conflito judicial com os Correios por conta dos aumentos, considerados abusivos pela Associação. Em 2018, a ABComm conseguiu uma liminar que suspendia o ajuste. “Acreditamos que existe a possibilidade de os Correios terem que voltar atrás nesse reajuste abusivo”, avalia o presidente da entidade.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]