Pesquisar
Close this search box.
/
/
Como o mundo está pagando pelas compras e como vai pagar

Como o mundo está pagando pelas compras e como vai pagar

Shoptalk 2018 traz painel sobre tendências e perspectivas dos meios de pagamento. Um conteúdo que interessa - e muito - ao Brasil

O comércio físico e digital é claramente convergente, trazendo modificações nos meios de pagamento. Como resultado, as empresas de meios de pagamento buscam criar inovações que ofereçam experiências melhores e sem atrito para os clientes, em diversos dispositivos enquanto trazem mais segurança para os lojistas.

As competidoras de meios de pagamento também acompanham varejistas globais e indicam as preferências na forma de pagar mundo afora. As perspectivas globais sobre pagamentos foram debatidas no Shoptalk, evento que debate o novo varejo e que acontece em Las Vegas (EUA).

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora! 

Para debater o assunto, Laura Stevens, do Wall Street Journal, conversou com Pieter Van der Does, criador e CEO da Adyen, uma das primeiras fintechs de meios de pagamento da história. A Adyen foi fundada em 2006, na infância da disrupção do setor financeiro. Hoje, ela tem mais de 4.500 varejistas como clientes, colaborando manter e aprimorar plataformas multicanais de pagamento e serviços de Analytics.

O Brasil passou por uma recente desregulamentação das adquirentes, as empresas que habilitam prestadores de serviço e o varejo a receberem pagamentos por cartões. A medida foi benéfica pois trouxe competição e inovação ao mercado. Por isso, verificar a evolução das formas de pagamento é essencial para sinalizar até onde o nosso mercado pode assimilar – ou não – novas ideias como o pagamento via celular.

Peter afirma que os dispositivos de pagamento estão migrando lentamente para o mobile. Apenas 17% dos consumidores pagam usando seus smartphones e isso se deve pelo fato de que não há uma plataforma dominante ainda. De maneira geral, as novas gerações não têm apreço pelo plástico. Em muitos casos, o pagamento pode ser feito via credenciais do cliente reconhecidas pelos sistemas da loja. Quanto às carteiras digitais, cerca de 5% dos pagamentos são realizados por esse meio.

Leia também 
Como o Google e varejistas estão emocionando o consumidor novamente

Compra sem clique

Para o CEO da Adyen, quem está promovendo um pagamento unificado é justamente o varejista, que tem a visão completa da jornada da compra. O foco, segundo Peter, é que o cliente não quer passar dados, não quer entrar em detalhes, quer ser conhecido e sair da loja com o produto escolhido. No e-commerce, a compra sem cliques é um objetivo. A Domino’s Pizza adotou essa tecnologia, via app, na qual o cliente simplesmente acessa o último pedido para fazer um novo.

Peter também fala em pagamentos por comando de voz, com toda a segurança biométrica que esse formato pode trazer. O meio de pagamento escolhido também permite acessar todo o comportamento do cliente, se é recorrente, ocasional e qual o seu potencial. O executivo cita o caso de uma loja de pechinchas na Europa que tem clientes que visitavam a loja sete vezes por semana, sendo que ela ficava aberta apenas seis dias. Evidentemente, a fraude foi detectada, na medida em que não havia como o cliente visitar a loja todos os dias da semana.

E quanto ao futuro do pagamento? A Holanda é hoje o país mais próximo de estar livre do dinheiro físico. As carteiras digitais, plásticos, smartphones e apps substituíram em larga medida o dinheiro em circulação. E quando vemos os hábitos dos chineses, que usam a facilidade e conveniência do AliPay em seu país natal, é nítido que eles querem ver essa experiência reproduzida nos países que visitam. E essa demanda ajudará a impulsionar sistemas sem contato e alocados em app nos outros mercados maduros.

Quanto às criptomoedas, elas não devem ser largamente utilizadas no comércio e no varejo de modo geral. Os varejistas devem prestar atenção à paisagem e muitas novidades estão no horizonte. O AliPay comanda essa expansão, e a complexidade da gestão de pagamentos vai aumentar sensivelmente. A vida dos varejistas vai ficar mais difícil, porque a forma pela qual compramos e pensamos no que iremos usar para pagar vai mudar completamente em no máximo 10 anos.

Para Peter, as expectativas dos clientes vão comandar novas ondas de disrupção e de formas de pagar, cada vez mais simples e fluidas. Em larga medida, veremos essa mudança acontecer no mercado brasileiro.

Leia também
O chinês que encara a Amazon de cima para baixo

A terceira evolução do comércio – Amazon Pay

Patrick Gauthier, Vice-presidente da Amazon Pay, falou sobre a nova onda de transformação do comércio, baseada na influência digital e no consumo 2,1 de trilhões de transações e interações digitais influenciaram 65% de cada dólar vendido nos EUA em 2017.

O comércio finalmente recupera sua veia de diálogo e seu caráter de personalização – que o caracterizou há pouco mais de um século, quando o toque pessoal predominava. A falta de personalização custou mais US$ 750 bilhões somente no ano de 2017. Isso quer dizer que sem conversação e personalização não há venda.

E a conversação hoje ganhou um poderoso aliado: a interface por voz. O comércio por voz é a nova – e antiga – fronteira do comércio. Não com o tipo de interlocução com que nos acostumamos, mas com base na tecnologia digital. A evolução da internet, que começou com e-commerce, passou pelo advento do mobile em 2006 (que ainda dá seus primeiros passos no Brasil) e atinge em 2017/18, o e-commerce.

Leia também 
Como a Coach conseguiu criar uma marca forte no on e no offline?

A voz é multitarefa

“Imagine que você está na cozinha lavando a louça e ainda assim você lembra que precisa comprar algo? Não é inteligente interromper o que faz, enxugar as mãos e então navegar na internet emm busca do produto. Você usa a voz tranquilamente e faz sua compra”, explicou Patrick. Sem deixar sua sala, você pode mandar buscar seu filho na casa do amigo e enviar flores para sua mulher, sem tirar os olhos da tela do jogo de futebol. A voz é multitarefa e o v-commerce retira dúzias de pontos de atrito entre o consumidor e o varejo.

As chaves de sucesso do comercio por voz são:

-Identificar a audiência, removendo fricção no pagamento
-Trabalhar parcerias
-Confiança – nada a ver com lealdade ou pontos, somente a confiança de que o pedido foi encaminhado, entendido com privacidade e segurança.

A ideia maluca que nasceu há 7 anos, chamada Alexa, hoje está cada vez mais acurada, compreendendo progressivamente a linguagem e até respondendo a perguntas com senso de humor, cada vez mais inteligente.

O comercio conectado passa pela voz, que identifica o cliente, extrapola o toque e os botões para atingir a confiança plena entre empresa e cliente. A ideia por trás da evolução acelerado do v-commerce é criar um ecossistema de varejistas capaz de testar os fundamentos e o potencial dessa nova onda e novas modalidade de comércio.

É provável que uma parte dessas inovações que a Amazon lança constantemente no mercado americano esteja ao alcance do varejo brasileiro. Como será a competição quando e se a Amazon se movimentar nesse sentido, é uma incógnita. Mas certamente veremos nosso consumidor se beneficiar desse novo horizonte no qualquer comprar será diferente do que é hoje.

Leia também
Como o Google pode ajudar o varejo na transformação digital?

 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]