Pesquisar
Close this search box.
/
/
Como explorar as áreas críticas para a recuperação da empresa no pós-pandemia

Como explorar as áreas críticas para a recuperação da empresa no pós-pandemia

PwC Brasil explica como quatro elementos, se bem estruturados, auxiliam no processo de retomada

Muitos negócios, principalmente do varejo não alimentar, foram fortemente afetados pela pandemia de Covid-19. Afinal, ninguém podia prever os impactos desse acontecimento histórico. O cenário positivo volta aos poucos a se estabelecer com o início da retomada do mercado e a melhora do PIB brasileiro no 1º trimestre de 2021, esse é o momento de recuperação da empresa

Para reduzir os reflexos e resultados negativos do último ano, é essencial conhecer alguns aspectos que auxiliam os negócios a se reerguer o quanto antes.  

“Agora é sempre o melhor momento, porque o ontem já passou e amanhã teremos perdido mais tempo. Entre os nossos clientes percebemos dois tipos de erros: um é achar que ele não está tão mal para buscar ajuda, e quando a situação piora pode ser tarde demais. O outro é achar que as coisas estão boas e esperar elas melhorarem ainda mais para tomar uma atitude. A gente diz que nunca é cedo demais para começar, porque o leque de opções para recuperação é maior, e as empresas precisam se preparar antes da chegada de um pico de demandas que a empresa pode não estar preparada para atender”, frisa Christine Savignon, diretora da Divisão de Consultoria em Reestruturação de Empresas da PwC Brasil.  

De acordo com a companhia, os gestores devem focar nas áreas críticas, que juntas, formam um quarteto robusto: operaçõesliquidez e caixareestruturação financeira e mecanismos estratégicos.  

Operações  

Desenvolver abordagens estratégicas que driblem os desafios operacionais faz com que a organização possa diminuir gastos desnecessários. Essa medida é muito mais eficiente a longo prazo do que simplesmente cortar todos os custos. E como os hábitos de consumo se alteraram, o empreendedor não pode esperar que o período pré-pandemia irá voltar.  

Segundo a especialista, o Brasil tem mais fatores de impacto que estão ligados à forte depreciação da moeda e ao consequente aumento do valor das commodities, que são precificadas em dólar. “Isso acaba pressionando o mercado nacional, porque há uma pressão inflacionária e uma compressão das margens operacionais. Ou seja, o custo está alto e a receita permanece a mesma ou diminui”, afirma. 

Para ela, é preciso pensar na continuidade das operações para evitar problemas na cadeia de suprimentos, no custo de matéria-prima e no impacto das tecnologias. “O investimento nisso é muito importante para que o canal digital compense a perda de receita no varejo físico”, exemplifica Christine Savignon. Diante de tudo isso, a relevância da força de trabalho e da resiliência culminam no surgimento de quatro pontos principais: 

  • Decida quais são os objetivos;
  • Visualize os negócios a partir de perspectivas externas; 
  • Comunique com incentivo e liderança; 
  • Foque na sustentabilidade.  

Liquidez e caixa  

Querendo ou não, ter dinheiro (e saber como administrá-lo) é fundamental para que a empresa tenha sucesso. Pensando nisso, a diretora de Corporate Finance & Recovery da PwC Brasil conta que em um momento de dificuldade nas operações e no mercado, o negócio deve conseguir liberar caixa via gestão do capital de giro, racionalização do plano de investimentos e monetização de créditos tributários e de ativos não essenciais.  

“Não adianta ter um modelo de negócio adequado e um produto maravilhoso se falta caixa para o dia a dia. Tem que ter um planejamento bem organizado e com previsibilidade: o gestor deve saber com antecedência se e quando irá faltar dinheiro. É preciso agir com as informações que se tem hoje”, explica. 

Reestruturação financeira  

A instabilidade econômica fez com que governos e empresas oferecessem apoio e melhores condições de negociação dada a velocidade com a qual o cenário se transformava. Há luz no fim do túnel, mas serão alguns meses difíceis. O risco é que o que aconteceu antes possa levar as empresas a uma falsa sensação de segurança sobre suas opções. Muitos podem esperar o mesmo nível de compreensão e flexibilidade de antes. Mas espera-se que os credores sejam mais desafiadores desta vez. Eles vão querer mais oportunidades para examinar planos e previsões antes de concordar em fornecer mais apoio.  

As organizações que se adaptaram para lidar com a pandemia podem ter usado grande parte da flexibilidade residual em seu modelo de negócios e reservas de caixa disponíveis. O tempo passou, os empréstimos provavelmente aumentaram e passivos, como aluguel, continuaram a aumentar. Muitas organizações estão trabalhando para superar esse estágio final da crise com passivos maiores, menos espaço de manobra e um futuro mais incerto.   

Pedir mais alívio do contrato ou financiamento adicional uma segunda vez não será fácil, mas a boa notícia é que os credores continuam dispostos a apoiar negócios fortes e há muito capital disponível para empresas consideradas uma boa aposta.   

“Um erro muito comum é projetar o valor das dívidas e correr atrás da operação para conseguir pagar, sendo que a ordem é inversa. É o fluxo da dívida que deve caber no [fluxo] da operação. A alma da empresa é quanto a operação pode gerar. Temos que resolver as consequências e a raiz do problema para que as causas não se repitam”, completa Christine Savignon. 

Mecanismos estratégicos  

Para atingir a recuperação da empresa, primeiramente deve-se distinguir o gerenciamento de dívidas do de operações, tendo em vista que diversos negócios, principalmente dos segmentos de varejo, viagem e imóveis, acumularam grande quantidade de dívidas por conta da pandemia. Logo, existe uma preocupação dos gestores em resolver os passivos ao mesmo tempo em que se coloca a empresa pronta para operar novamente. 

Uma opção é deixar consultores especializados lidarem com as partes interessadas. Os negócios têm sido resilientes durante esses meses extraordinariamente difíceis, adaptando, cortando custos e explorando novas aventuras para ganhar dinheiro.  

A grande notícia para a recuperação é que há liquidez, a gestão pode usar consultores para acessá-la (e ter mais tempo para se concentrar no negócio) e os governos perceberam e trataram dessas questões em torno das funções dos diretores. 

“No geral, a companhia deve ter uma estratégia validável, vencedora e de longo prazo para haver um crescimento sustentável. Além disso, unir esses elementos com a comunicação direta com os stakeholders garante mais credibilidade à organização. O futuro é agora”, finaliza a executiva da PwC Brasil. 


+ Notícias

 Atenção à Business Performance: como os dados auxiliam o desempenho empresarial

Campanha da Samsung confirma TikTok como bola da vez nas Hashtags Challenges

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]