Pesquisar
Close this search box.
/
/
Como equilibrar margem de lucro e volume de vendas na Black Friday

Como equilibrar margem de lucro e volume de vendas na Black Friday

Black Friday pode gerar ansiedade para aumento nas vendas, mas olhar apenas para a quantidade de volumes vendidos pode fazer com que a loja não tenha lucro.

As grandes redes varejistas começam a se preocupar com a Black Friday até seis meses antes do evento. A estrutura justifica: numa empresa grande, mais pessoas estão disponíveis para pensar na data de descontos e, ao mesmo tempo, o movimento é mais demorado: as ações não passam por apenas uma ou duas pessoas.

Para os pequenos varejistas, porém, a realidade é outra. Muitas vezes a preocupação com a sexta-feira de promoções só chega semanas antes do evento, já que os gestores estão preocupados em “apagar incêndios” de hoje.

No meio da agitação para a data, podem surgir dúvidas sobre como definir uma estratégia de precificação adequada e como prever o volume de vendas, duas ações que impactam diretamente o faturamento da empresa no período.

Por isso, a NOVAREJO conversou com Rafael Forte, country manager da VTEX no Brasil, para tirar dúvidas comuns de varejistas sobre precificação e previsão de vendas.

Forte afirma que é preciso ter planejamento eficiente para não cair na armadilha de priorizar as vendas em função do lucro. Para ele, a Black Friday traz ansiedade para aumentar o volume de vendas, mas nem sempre há lucro quando as vendas crescem.

Por onde começar?

Seu negócio x momento do mercado

O ponto inicial é entender o momento do mercado e de seu negócio, explica Forte. É importante levar em consideração o desempenho do negócio ao longo do ano na comparação com o ano anterior e relacionar a situação de sua loja à expectativa do mercado para a data.

Para este ano a expectativa é que as vendas da Black Friday continuem crescendo. O e-commerce deve faturar R$ 3,6 bilhões e, no geral, o crescimento deve ser de dois dígitos. Portanto, se sua loja teve bom desempenho durante o ano é de se esperar que a Black Friday traga bons resultados. Mas isto não é tudo.

Dados

É preciso conhecer seu público. Saber se seus consumidores costumam comprar na data e quais canais utilizam para isto é imprescindível para se preparar. Para isso, é preciso analisar os números da loja para prever o comportamento dos clientes.

Existem canais onde o cliente é mais engajado ou menos engajado com o produto, mas pequenos varejistas geralmente não têm acesso a ferramentas sofisticadas de BI. A solução pode estar na análise de dados do Google Analytics – ferramenta gratuita que mostra a visão geral das vendas, origem dos pedidos, ticket médio e preço médio cobrado pelos produtos.

“Se você tiver seus números, souber o preço praticado pela concorrência e saber como seu estoque está performando, consegue fazer uma boa previsão”, explica Rafael.

Três consequências de uma precificação mal feita

1. “Muitas vezes os varejistas colocam os produtos de curva A (os itens mais procurados) com preços baixos para vender mais e acabam queimando estoque de um produto que já seria vendido naturalmente, tem uma margem menor e ainda dá espaço para que seu concorrente venda esses itens por uma margem adequada”, argumenta Forte.

2. Outro erro comum é promocionar todos os produtos. Para o executivo, é necessário dar descontos agressivos apenas em uma parcela dos itens. “Alguns pequenos não têm maturidade para perceber que, quando promocionam a loja inteira, acabam a Black Friday com muita venda, mas pouca margem”.

3. Abaixar o preço das curvas B e C e ainda oferecer benefícios adicionais, como frete grátis, pode acabar com a margem de pequenos e médios varejistas. “Ao dar essa vantagem adicional o varejista acaba, muitas vezes, zerando ou negativando sua margem. É preciso ter foco no objetivo, que é fazer margem, e nem sempre vender mais significa isso”, instrui o executivo da VTEX.


+ BLACK FRIDAY

Por que o e-commerce deveria automatizar a gestão fiscal?
7 Coisas que os lojistas não podem esquecer
95% dos consumidores pretendem comprar na Black Friday, diz pesquisa


Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]