Pesquisar
Close this search box.
/
/
A combinação ideal para um ambiente seguro e adequado à LGPD

A combinação ideal para um ambiente seguro e adequado à LGPD

Para andar em conformidade com a LGPD, a tecnologia isolada não é suficiente. É preciso estar junto do compliance

Os fatores que influenciam o universo da experiência do cliente vão muito além das mudanças de comportamento do consumidor – ainda que este seja um ponto determinante. Além de estar atentas ao comportamento do cliente, as empresas precisam acompanhar movimentos de mercado e, é claro, alterações na legislação. Uma das maiores transformações nesse sentido foi a entrada em vigor da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) – semelhante ao General Data Protection Regulation (GDPR), que pauta as relações sobre o manejo de dados de clientes nas nações europeias desde 2016.

Para as companhias que arriscarem não agir de acordo com a LGPD, as penalidades são severas: vão desde o pagamento de multas astronômicas até a possibilidade da paralisação do negócio, o que pode ser pior do que uma multa, já que, um dia ou dois sem funcionar podem condenar algumas empresas à falência.

Mas o que é necessário para que as organizações entendam que, em um mundo hiperconectado, é importante, de fato, trabalharem para a garantia de um ambiente interativo e seguro? “A mudança de cultura”, responde Flávia Tomagnini, diretora Jurídica e de Compliance da AeC. E reitera: “Focamos em ferramentas tecnológicas robustas, mas sozinhas elas não trazem a solução. Elas são, sim, muito boas e inteligentes mas, como tudo, são geridas por seres humanos. Nesse sentido, não há outra saída além da mudança cultural e da adoção de modelos bem definidos de governança que mudem processos, fluxos e que tragam a privacidade para dentro de todas as tomadas de decisão”.

A pergunta que vale US$ 1 bilhão

Mas como garantir um ambiente conectado seguro?

Para a executiva, este trabalho começa no reconhecimento da importância da proteção dos dados por todos os setores, não é um tema isolado a dois ou três departamentos. Nesse movimento, novas práticas acabam, naturalmente, se reproduzindo em todas as dimensões.

“Quando absolutamente toda uma companhia tem internalizada a consciência da privacidade dos dados – tanto de consumidores, quanto de colaboradores – em um nível de maturidade em que todos entendam que dados são bens preciosos, consequentemente começa a ser adotada uma série de processos que envolvem a digitalização e a conexão em nível muito maior de segurança. A resposta para a pergunta que vale US$ 1 bilhão, parte desse pressuposto”, determina a executiva.

Compliance

A LGPD é, por natureza, uma lei de compliance porque impõem diretrizes de conformidade. E há muito trabalho previsto nesse departamento para que o ambiente conectado seguro se cumpra na total integridade.

A codificação das normas relacionadas à proteção de dados, bem como o treinamento e a definição clara e minuciosa da governança das companhias, indicando a quem cada colaborador deverá responder, é só o começo dessa jornada desafiadora.

“Fora o trabalho massivo de comunicação, o mapeamento de riscos e gaps relacionados à privacidade e o inventário de todos os tratamentos de dados, a LGPD preconiza exatamente o processo de compliance focado na segurança dos dados manipulados pelas empresas”, explica.

A especialista percebe que as companhias que já contavam com o departamento mais amadurecido tiveram maior facilidade para adaptar seus processos em razão da lei, e considera que não é possível desvencilhar a área de privacidade à de compliance.

“Não precisam pertencer ao mesmo anexo mas, precisam, no mínimo, ter uma sinergia muito grande. O compliance é uma grande escola para a privacidade porque tem o domínio de metodologias importantes. Nesse sentido, essa parceria é imprescindível e valiosa, especialmente para que a privacidade tenha mais rapidez e assertividade na implementação de todos esses mecanismos”, diz.

Desafios

Os obstáculos do compliance para que enfim, as companhias consigam internalizar a nova cultura são muitos. Especialmente porque, no Brasil, a pauta é relativamente nova se comparada a de outros países.

O trabalho de “formiguinha” requer dedicação, resiliência e estudo detalhado de tratamento de dados. Passa pelo processo de ensinar ao mundo corporativo que nem sempre são necessários muitos dados para alcançar a eficiência.

“É um exercício que precisa ser feito de ponta a ponta. Do CEO até os colaboradores da base da pirâmide, já que a privacidade passa por todos esses cargos. Costumo brincar que, no Brasil, se um pipoqueiro pedisse nosso CPF para que a gente pudesse comprar sua pipoca, até pouco tempo nós nem questionaríamos o pedido. Então, imagine todos os nossos desafios”.

Protagonismo e comunicação

Agora que o consumidor vê esse tema circulando mais em diferentes plataformas, falta só uma coisa: ele acreditar que as empresas realmente estão cuidando de seus dados como o prometido. Trabalho que requer empatia e comunicação transparente.

“É necessário que as empresas tomem o protagonismo da proteção. Vale repensar todo o diálogo das corporações, investir em comunicação – seja por meios publicitários, ou não – instruir atendentes para que expliquem por que determinado dado é exigido e como ele será guardado. Enfim, é hora de deixar de reagir e fazer coisas apenas porque a lei está exigindo. Esse é um bom começo para que as empresas consigam passar maior confiabilidade”, finaliza Flávia.


+ Notícias

Humano e digital: a consolidação do atendimento híbrido

Carros conectados: Atendimento exclusivo garante grandes experiências

O passo a passo da consolidação digital da AeC


 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]