Pesquisar
Close this search box.
/
/
Chromatica, de Lady Gaga, é um retrato surrealista da atualidade

Chromatica, de Lady Gaga, é um retrato surrealista da atualidade

A música pop ficou mais triste e continua dançante. Vulnerável e real. Um panorama do ouvinte da nova geração

Em meio a uma pandemia não parece ser fácil empreender em nenhum tipo de negócio, quem dirá em um projeto audiovisual, musical, complexo e com uma estética a ser honrada. E como se comporta a música pop em um tempo cheio de lutas, tristezas, reivindicações e busca por esperança desenfreada. Voltaríamos ao espectro musical da década de 2000: letras sexuais, otimistas, de autosuperação, hip-hop agitado, música eletrônica dominando a cena no fim da década com um discurso festeiro e futurista? Não parece ser a realidade. Em Chromatica, novo álbum de Lady Gaga – esse que tomou o cenário musical por tempestade – a dança é uma forma de celebrar a dor e seu aprendizado e de além disso, como aprender a entender que a vida é feita também de momentos baixos, momentos que começam recomeços, ressurreições, revoluções?

Para entender o pop melancólico de Lady Gaga em 2020, a mesma cantora que, em 2009 trouxe um pop ousado com elementos da disco oitentista e uma estética extremamente futurista, temos que voltar ao começo da década passada. Uma época em que nomes pouco cogitados para o topo dos charts revelou a vontade do consumidor por uma arte mais realista e vulnerável.

Estudo de Lior Shamir da Lawrence Technical University, mostra que a música pop foi perdendo a alegria nos últimos 60 anos

Do efeito Adele até a influência de Lana Del Rey

Em 2011, regozijávamos de uma era cheia de cores, extremamente eletrônica e pouco aberta à vulnerabilidades. O hit do ano era “Party Rock Anthem”, do grupo LMFAO. Outras músicas surfavam na onda da música eletrônica europeia que tomava o mundo. Exemplos são “In The Dark” de DEV, “Like a G6”, de The Cataracs e “We Found Love”, da Rihanna. Lady Gaga, neste momento apostava uma narrativa parecida com Chromatica: o seu álbum Born This Way (2011) falava sobre gênero, raça, religião e temas polêmicos. O álbum foi um sucesso mas não o suficiente para influenciar o cenário musical do momento, assim como The Fame (2009) e The Fame Monster (2010) o fizeram.

Parecia impossível que uma balada romântica fosse um grande hit. Alguns hits alternativos pareciam chegar quase lá desde 2008, a exemplo da britância Duffy com a ainda assim feliz e vintage “Mercy”. De qualquer forma, de 2010 a 2012, a música mundial se via saturada de pop chiclete e músicas eletrônicas que tomavam as rádios. Um fenômeno imprevisível aparecia, a cantora britânica Adele tomava o mundo para si com uma música devastadoramente pura e honesta. “Rolling In The Deep” foi o maior hit do ano, seguido de “Someone Like You”, o álbum 21 começava uma jornada do que se tornaria no trabalho mais vendido deste século. Estaria o ouvinte pedindo por um respiro e pela oportunidade de mostrar-se imperfeito e vulnerável?

A década de 10

O tempo começa a rolar e, sim, marcas começam a mudar seus comportamentos e tomar um approach mais próximo do consumidor, meios de entretenimento precisam descer de seu pedestal e entender o poder da internet. E em meio ao frenesi de Adele, surge a americana Lana Del Rey, com uma pegada totalmente diferente da britânica reservada, a cantora surge com um álbum que mescla hip-hop ao jazz e orquestras dos anos 50 e 60. Podemos dizer que em um primeiro momento, a cantora não foi tão bem recebida. Seu visual glamuroso e que parecia ter se teletransportado de um filme sessentista geraram dúvidas na imprensa e rumores ingratos.

Mesmo assim, seu vídeo filmado em um quarto de hotel, “Video Games” foi um dos maiores hits do ano em todo o planeta, ali começava a história de uma estética e sonoridade que influenciaria a todo o mundo da música. O álbum de estreia de Lana, o “Born To Die” é recordista em permanência nos charts, há quase uma década, ele figura na maior parada de discos do mundo a Billboard 200.

Lana Del Rey continua seu trabalho único e nunca antes visto pela geração Y e Z. E logo não demora para que a força das duas maiores cantoras do momento comece a influenciar a chegada de um pop mais triste, melancólico e cheio de referências ao lado obscuro da vida. Na Europa, o duo Hurts entoava seu hit “Wonderful Life”, nos Estados Unidos, artistas como Taylor Swift, Katy Perry, Beyoncé e Rihanna começavam a seguir a estética de Del Rey. a banda “Fun.” colocava We Are Young no topo dos charts, Bruno Mars avançava com sua também notável melancolia e The Weeknd surgia com seu hip-hop/pop extremamente dark.

Um mundo onde Billie Eilish é a maior estrela pop

O resto é história e, podemos resumir o destino em dois nomes: Lorde e Billie Eilish. Os dois maiores nomes adolescentes do cenário, trazem a influência óbvia de suas antecessoras e firmam de vez o que podemos chamar de a “vulnerabilização da música pop”; e caso ainda duvide da força do pop honesto e vulnerável, podemos recorrer a recentes artigos da crítica especializada que afirmam exatamente o que aqui dizemos: o jovem ouvinte não se vê mais em uma busca por perfeição e, sim, por realidade.

Voltando ao alvo de nossa análise, durante a década supracitada, Lady Gaga experimentava com novos gêneros e reinvenções: em 2015 fez com que um álbum jazz em parceria com o veterano Tony Benett se tornasse número 1 em todo o mundo. Joanne (2016), uma ode country pop começa a trazer à tona o gênero que se mostrava em queda e em 2019, “A Star Is Born” a consagra como uma lenda. A trilha sonora do filme homônimo a rendeu Grammy, Oscar e todos os maiores prêmios da indústria. Além de ser seu quinto álbum seguido a alcançar o primeiro lugar das paradas.

Neste momento, todos pensavam que a cantora havia desistido da missão de evidenciar a individualidade humana como começou em “Born This Way” (2011) e “ARTPOP” (2013). Para o mundo, a impressão era de que uma das maiores estrelas de nossa geração se encontrava confortável com uma imagem mais conservadora e fixada na parte mais orgânica da música.

Chromatica é um pedido simultâneo de redenção

E essa expectativa jamais deveria ser alimentada, já que mesmo com um trabalho musical mais cru, Lady Gaga entregava atuações em séries de terror, lança uma marca de maquiagem que explora o lado artístico deste mercado e investe pesado na gravação de um álbum eletrônico com BloodPop ao mesmo tempo em que sobe aos palcos de Las Vegas com uma residência musical cheia de referências à cultura asiática e ao mundo retrofuturistico do Cyper-punk.

O ponto é que mais uma vez, algo inesperado acontece e muda todo o rumo de uma indústria. A música se vê na era do trap, pop-rap e outros estilos oriundos. Do nada, surge Lady Gaga com um álbum de eletropop industrial, recheado de letras sobre depressão, redenção e críticas ao que há de mais mesquinho na cultura digital: a conspiração, destruição de reputações e cancelamentos. Chromatica traz um novo mundo. Assim como promete o manifesto do álbum que segundo Lady Gaga retrata um lugar “onde nenhuma coisa é maior ou melhor que a outra”.

A dança durante o caos

Em meio ao cenário pandêmico, este álbum bate recordes de vendas e streamings: É o trabalho musical com melhor estreia desde “Thank U, Next” (2019), de Ariana Grande – que por sinal também explora o lado mais sombrio do pop. E é outra prova de que fórmulas e estereotipagens, sejam elas quais forem, não funcionam mais. Quem imaginaria em ouvir um disco com faixas que contam com o grupo k-pop BLACKPINK e a lenda da música pop Elton John? E, mesmo assim, esse trabalho que pode soar louco antes do primeiro play, entrega uma narrativa coesa e que retrata seu mundo atual.

Ao mesmo tempo, Lady Gaga foi pioneira em entender o cenário atual. Em parceria com a UNICEF, organizou o maior festival de música online do mundo: o Together At Home. Transmitido em todas as maiores emissoras americanas e na internet, o festival uniu empresas concorrentes em troca do propósito de trazer otimismo para a época mais difícil dos últimos anos.

Assim como “Norman Fucking! Rockwell”, útlimo álbum da contemporânea Lana Del Rey, a última jogada de Gaga parece ser uma observação fiel aos tempos atuais com seu toque de surrealismo. O escapismo está presente: vamos para outro mundo, Chromatica, uma terra futurista, semi-apocalíptica, onde as individualidades brilham e se mostram mais do que nunca necessárias. Ufa, parece uma grande anedota da geração Z, mas na verdade reflete o que todos queremos agora: transcender.

 


Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]