Pesquisar
Close this search box.
/
/
Como a China está pulverizando o dinheiro, sem papel e sem cartão

Como a China está pulverizando o dinheiro, sem papel e sem cartão

Jean Mies, presidente Latam da Adyen, explica como a China pulou o uso do papel-moeda e do cartão diretamente para o uso do dinheiro virtual

Quem se lembra da China apenas como uma exportadora de produtos de baixo custo (do famoso “Made in China“), ainda não conhece a nova China. Hoje, o país vive o status de grande potência de comércio exterior, com multinacionais de tecnologia, automóveis e petrolíferas, entre outras, se desenvolvendo por todo o território e ganhando mais espaço no cenário internacional. O resultado é que o país praticamente quadruplicou o seu PIB em 10 anos e, em 2017, segue estável como a segunda maior economia do mundo, atrás apenas dos EUA.

Associado ao crescimento econômico chinês está o aumento do acesso à tecnologia pela população, que este ano deve ganhar o título de maior mercado consumidor da história, segundo a S&P Global Market. O número de chineses conectados à internet saltou de 10% da população em 2006 para 53% em 2016 – o que representa mais de 734 milhões de pessoas online.

Essa combinação de boom econômico com maiores índices de acesso à internet e tecnologia resultou em um rápido crescimento no comércio eletrônico. Dados do Guia de Pagamentos na China da Adyen demonstram que, até 2020, o e-commerce deve movimentar mais de 1,7 trilhões de dólares no país. Ocasiões como o Ano Novo Chinês e o Dia dos Solteiros são especialmente bem-sucedidos para o varejo, este último movimentando 175 mil pedidos por segundo. Esse novo perfil de poder de compra e conectividade também mudou a forma como os chineses lidam com o conceito de dinheiro.

Estátua de Deng Xiaoping, em Shenzhen, apontado como o grande responsável pela nova política econômica chinesa (crédito: Shutterstock)

Para entender a relação atual dos chineses com o dinheiro, é preciso entender a história econômica do país. A China se tornou comunista em 1949 e por décadas manteve sua economia fechada, com exceção de regiões administrativas especiais com grande autonomia, como Hong Kong e Macau. A abertura de capital estrangeiro e comércio exterior veio a partir de 1978, com as mudanças propostas por Deng Xiaoping, líder supremo da China a partir daquele ano, e a adoção do modelo de socialismo de mercado.

A população chinesa começou a ter um poder de compra maior ao mesmo tempo em que aprendia a se conectar à internet. Somada às dificuldades regulatórias do setor financeiro do país devido ao modelo político-econômico, essa realidade fez com que os chineses “pulassem” os cartões de débito e crédito. A evolução comum em países ocidentais – de dinheiro físico para cartões e, mais recentemente, dinheiro digital – não aconteceu na China. A população em geral, especialmente com a mudança geracional, passou de guardar notas de yuan em casa a pagar comerciantes com QR codes e transferir dinheiro virtual por smartphones.

Carteiras Digitais prosperam na China

Essa dinâmica tornou a China um país muito singular na forma como lida com dinheiro.

O estudo “Global Payment Methods”, também da Adyen, aponta que 70% da população chinesa economicamente ativa recorre às carteiras digitais como principal meio de pagamento. As duas maiores ewallets do país, WeChat e Alipay, movimentaram cerca de 3 trilhões de dólares em transações em 2016. Segundo a Forrester, os pagamentos móveis totais nos Estados Unidos movimentaram 112 bilhões de dólares no mesmo período – 4% do montante chinês.

Atualmente, as carteiras digitais estão em todos os lugares nas principais cidades. Não só no comércio digital, mas também no varejo e nos serviços presenciais. Inclusive nos pequenos comércios, como barracas de comida de rua e feirantes; em máquinas automatizadas, como as de aluguel de bicicletas; e em funções de atendimento ao consumidor, como garçons que vestem QR codes em seus uniformes para receberem gorjetas. Até mesmo os pais passaram a dar mesada para filhos em suas contas no Alipay ou no WeChat.

Isso reverbera também fora do país. A China está entre os países que mais enviaram turistas para fora em 2017 – foram 120 milhões de chineses visitando outros países – e eles querem pagar do jeito que estão acostumados. Entre o primeiro trimestre de 2017 e o primeiro trimestre de 2018, houve um aumento de 62% no número de empresas que aceitam carteiras digitais chinesas fora da China, segundo dados da Adyen. Negócios que investem em processadoras de pagamentos integradas às ewallets Alipay e WeChat, por exemplo, estão quebrando a barreira internacional e liderando na disputa pelo turista chinês – que não gasta pouco. De acordo com a Organização Mundial do Turismo, os chineses foram os que mais gastaram em viagens no ano passado, somando 258 bilhões de dólares.

China será o primeiro país a banir o dinheiro físico?

A realidade chinesa simboliza bem o momento que estamos vivendo enquanto sociedade no que diz respeito à nossa relação com o dinheiro. Estamos na era da experiência do usuário, e os consumidores se tornam mais exigentes por praticidade e por segurança, exigindo constantes sofisticações e evoluções tecnológicas por parte das empresas, que precisam se adiantar para prever o caminho do desenvolvimento.

O consumidor está conduzindo o futuro dos pagamentos, e não o contrário. As marcas estão mudando seus negócios para atender melhor os desejos do consumidor. E atender a essas demandas significa estar presente nos meios em que eles preferem pagar.

No Brasil, por exemplo, os métodos de pagamento preferidos ainda são os cartões de crédito e boleto, conforme indicam dados da Adyen. Apesar de caminharem a passos curtos, as carteiras digitais ganham mais usuários por aqui ano a ano, especialmente com a chegada das carteiras Google Pay, Apple Pay e Samsung Pay nos últimos anos, em parceria com a Adyen.

Mas essa tendência de digitalização do dinheiro, que a China lidera, significa necessariamente o fim da impressão de cédulas? A resposta de analistas é que o dinheiro físico continuará a existir, principalmente para atender populações carentes sem acesso a contas bancárias e dispositivos tecnológicos, mas em quantidades muito menores. A consultoria Euromonitor projeta que 725 bilhões de dólares deixem de ser movimentados via dinheiro impresso no mundo até 2022.

No Brasil, 2017 foi o ano de virada. O número de transações por cartão teve um aumento de 5,5% contra 4% de alta nas transações em dinheiro. Além do gigante asiático, países como a Holanda já tem mais transações por cartões ou dispositivos móveis do que por dinheiro desde 2015. Em junho de 2018, apenas 41,4% das transações foram em cédulas. Além disso, 40% dos pagamentos com cartão de débito foram não-presenciais, por meio de carteiras digitais.

Portanto, a principal lição que podemos aprender com o cenário financeiro chinês é que, para os consumidores, são eles que ditam as novas formas de pagar pela adaptação aos avanços tecnológicos. Para o e-commerce, o desafio será a eficiência com que conseguem prever essas necessidades e adotar rapidamente as tecnologias mais avançadas de pagamentos, que incluam insights de dados de toda a cadeia de pagamentos em escala global e serviços desenvolvidos para as características das transações de cada mercado, sejam elas em papel, plástico ou digitais.

Por Jean Christian Mies, presidente da Adyen para a América Latina

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]