Pesquisar
Close this search box.
/
/
Burning Man: 70 mil pessoas ficam ilhadas durante festival

Burning Man: 70 mil pessoas ficam ilhadas durante festival

Em meio à febre dos festivais de música, o público espera uma experiência e compromissos concretos por parte da organização dos eventos

No final de semana, o público do The Town, festival de música realizado no autódromo de Interlagos em São Paulo, teve no line up shows de artistas nacionais e internacionais como Ney Matogrosso, Demi Lovato, Bruno Mars e Luísa Sonza. Enquanto isso, os mais de 70 mil frequentadores do festival Burning Man, realizado no estado de Nevada, nos Estados Unidos, se encontravam – e se encontram, até o momento – presos no meio de um deserto. Para agravar a situação, uma morte foi confirmada e está sob investigação.

O evento norte-americano, que começou no domingo, 27 de agosto, acontece no deserto de Black Rock, no estado de Nevada, sobre um antigo lago que secou. No entanto, entre sexta-feira e sábado, 1º e 2 de setembro, uma forte chuva transformou o lugar em um grande lamaçal. Estima-se que a região recebeu a quantidade de chuva prevista para dois ou três meses – cerca de 20,8 milímetros – em apenas um dia. Como resultado, ficou impossível carros transitarem pelo terreno e mesmo caminhar se tornou difícil. Para isso, as pessoas estão tirando o sapato e usando sacolas plásticas para protegerem os pés.

O êxodo do evento começou dia 4 de setembro – mesmo dia em que está previsto para o encerramento do festival, porque as condições climáticas permitiram. Mas os dias que eram para ser de festa e de música foram uma experiência muito diferente daquela esperada. Lidando com a lama, o racionamento de comida e água, a inundação de tendas e abrigos, e ainda assim tentando aproveitar algumas atrações que estão acontecendo no local.

Leia mais: The Town deve reunir 500 mil pessoas: marcas se preparam para festival

O Burning Man

O festival foi realizado pela primeira vez em 1986, organizado por um pequeno grupo de artistas e amigos em San Francisco, na Baker Beach. Para celebrar o solstício do verão, os participantes queimavam a figura de um homem de madeira – por isso, o nome. Desde então, o evento cresceu em tamanho, proporção, custo e valor de ingresso, atraindo não só artistas, mas também celebridades, influenciadores digitais, e empresários e funcionários de grandes empresas e startups de tecnologia.

A cada ano, o Burning Man constrói uma cidade temporária no deserto de Black Rock, reduto do festival desde a década de 1990. São cerca de 70 mil pessoas a cada edição do evento, que precisam dirigir por cerca de três horas desde o aeroporto mais próximo, e enfrentam um trânsito que em condições normais já é bastante congestionado.

O deserto de Black Rock fica em um parque nacional no estado de Nevada, em uma área de 2.600 quilômetros quadrados. A chamada Playa possui um terreno coberto por argila que há 15 mil anos era submerso pelo lago Lahotan. Trata-se de uma das maiores superfícies planas do planeta. Quando seca, torna-se destino para trilhas, veículos e, neste caso, festivais de música.

Mas quando o solo é encharcado pela chuva – principalmente no inverno e no início da primavera – o terreno pode sofrer inundações, além de criar um ambiente cercado por lama de difícil trânsito. As chuvas inesperadas transformaram os últimos dias do festival em um verdadeiro teste de sobrevivência a condições severas. O site do evento passou a atualizar um guia com sugestões e avisos para os visitantes ilhados conseguirem se manter no local até a liberação de carros e a reabertura dos portões. O público foi orientado a respeitar as forças policiais no local, e os que quiseram caminhar na lama até conseguir sair do evento puderam pegar a linha de ônibus que está prestando apoio aos visitantes.

Apesar dos pesares, os organizadores ainda pretendem fazer a queima do Burning Man – a figura humana de madeira tradicional do festival.

Assine nossa newsletter!
Fique atualizado sobre as principais novidades em experiência do cliente

Ethos de sustentabilidade

No dia seguinte à inauguração de 2023 do Burning Man, um grupo de manifestantes bloqueou a rodovia que leva ao parque de Black Rock. O grupo pedia práticas mais sustentáveis e ecológicas na realização do festival. Algumas das demandas incluíam a proibição de uso de utensílios plásticos de uso único, de geradores a combustível e propano, assim como o banimento de jatos particulares por parte dos participantes.

As demandas não são infundadas. Segundo um relatório de sustentabilidade da organização do festival de 2020, cerca de 90% da pegada de carbono do evento tem como origem as viagens de ida e volta do Burning Man. Já 5% das emissões são resultantes da queima de geradores a combustível que mantém equipamentos elétricos como luzes e ar-condicionado ligados durante toda a semana. Cada edição do festival gera cerca de 100 mil toneladas de dióxido de carbono – valor próximo da emissão de 22 mil carros movidos a gasolina em um ano.

No mesmo relatório, a organização do Burning Man colocou três objetivos até 2030: manejar resíduos de forma ecológica, criar impacto ecológico e ambiental positivo, e retirar mais carbono do ambiente do produzi-lo. No entanto, poucas iniciativas foram implementadas até agora.

Além disso, um dos princípios do festival – listado em seu “ethos” – é o “leave no trace”, ou seja, “deixar nada para trás”. Uma vez que a Black Rock City, onde o Burning Man é sediado, é uma cidade temporária, essa missão se torna ainda mais desafiadora. A edição do Burning Man de 2022 mostrou que os visitantes ainda não compreenderam este mandamento. Participantes, organizadores e a mídia apontaram a quantidade de lixo e resíduos deixados para trás ao fim do festival. Uma força-tarefa foi convocada para limpar a área.

A organização do evento ainda precisa mostrar que está comprometida com seus próprios princípios para criar uma experiência, além de prazerosa, sustentável e de impacto positivo.

 

Conheça o Mundo do CX

Tá pegando fogo, bicho!

Seja pela temática ou pelo reduto de milionários, ao falar sobre o Burning Man, é quase inevitável lembrar do Fyre Festival. Realizado em 2017, o evento prometia um festival de música luxuoso em uma ilha exclusiva nas Bahamas. Os ingressos custavam entre US$ 450 e US$ 12 mil. Os visitantes, além de assistir aos shows, ficariam hospedados em tendas refinadas com camas king size, e receberiam refeições preparadas por chefs renomados.

No entanto, ao chegarem ao local do evento, os frequentadores perceberam que o que prometia ser uma viagem de luxo se tornou um acampamento. Com acomodações desconfortáveis, em uma praia bastante frequentada por turistas, sem a presença de artistas nos palcos, muitos tentaram deixar o local. Mas vários foram barrados por autoridades devido à lotação dos voos e da ilha. Pelo mesmo motivo, muitas aeronaves nem conseguiram chegar às Bahamas.

O Fyre Festival se mostrou um grande fiasco e virou objeto de estudo de dois documentários. Pouco depois da data do evento, seu organizador, Billy MacFarland, foi preso sob acusação de fraudes que somavam US$ 26 milhões. Condenado a seis anos de prisão em 2018, MacFarland foi solto em 2022. Esse ano, ele anunciou que pretende criar uma segunda versão do festival e já até lançou a pré-venda de ingressos.

Leia mais: Rep Festival pode ser multado em mais de R$12 milhões

A experiência dos festivais

O primeiro final de semana do The Town, em São Paulo, também passou por alguns perrengues. Antes mesmo da chegada ao evento, os visitantes enfrentaram a linha de trem 9-Esmeralda com falhas e tempos mais longos de parada na estação.

No sábado, o público precisou transitar pelo autódromo de Interlagos sob a chuva, que chegou a molhar até mesmo os palcos cobertos. Os visitantes também reclamaram da fila para entrar no festival, criado pelos mesmos organizadores do Rock in Rio, que estava longa e desorganizada. Alguns visitantes relataram que esperaram mais de duas horas para entrar no local do evento.

No entanto, o saldo do The Town até o momento parece ter sido positivo. O público reverenciou os shows realizados no primeiro fim de semana, que contou com um line up nacional e internacional. Apesar da chuva, os efeitos não foram os mesmos que local do Burning Man – sem lama e com a circulação liberada. A expectativa é que o festival brasileiro receba cerca de 500 mil pessoas em seus cinco dias.

Enquanto o The Town ofereceu uma experiência que superou as expectativas de seu público – apesar dos problemas já conhecidos pelos brasileiros –, o Burning Man ainda precisa rever elementos cruciais de sua organização. Isso vai além da escolha do lugar que receberá o festival. Os frequentadores também criticaram ao impacto ambiental causado pelo evento e os compromissos que ainda precisam ser concretizados.



+ NOTÍCIAS
Conhecer o cliente é fundamental para realmente atender suas necessidades
Como ruptura de canais impacta a jornada do cliente

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]