Pesquisar
Close this search box.
/
/
O Brasil está atrasado na transformação digital, diz Marco Stefanini

O Brasil está atrasado na transformação digital, diz Marco Stefanini

Em entrevista para a CM, o fundador e CEO da Stefanini fala sobre digitalização e afirma que 2018 será um ano importantíssimo para o avanço do tema nas empresas brasileiras

Na mesa do empresário Marco Stefanini, fundador e CEO da Stefanini, um pequeno quadro se destaca. Nele, uma foto do ator Will Smith no filme “À procura da Felicidade” e a frase “Estude enquanto eles dormem. Trabalhe enquanto eles se divertem. Lute enquanto eles descansam. Depois, viva o que eles sempre sonharam.” É praticamente um mantra na vida de Stefanini.

A frase é creditada a um provérbio japonês que o empresário tenta seguir à risca. A sua rotina de trabalho é incessante. Muito por causa do setor em que ele escolheu trabalhar e no qual criou a sua empresa que faturou R$ 2,8 bilhões no passado. Na tecnologia, tudo é muito rápido e a empresa que não se transforma todos os dias pode ficar no passado.

Confira a edição online da revista Consumidor Moderno!

Esse é o grande desafio de Stefanini. Segundo ele, a empresa precisa ultrapassar o nível de uma prestadora de serviços de TI para uma integradora digital dos negócios das companhias. Por isso, a sua principal missão é mostrar para as empresas os benefícios de uma transformação digital. Mais: a imprescindibilidade dessa mudança de cultura.

Na entrevista a seguir, Stefanini avalia o atual momento de digitalização dos setores brasileiros e a ameaça estrangeira.

CM – Na sua visão, como está a transformação digital no Brasil? Ainda está muito no discurso?

Marco Stefanini – Na minha percepção, tudo está mudando bastante e muito rápido. Até 2016, as empresas tinham bastante curiosidade sobre o tema, mas ficavam muito na base da conversa. No ano passado, no entanto, começou um foco e até uma execução maior. Claro que se você analisar o número de cases digitais ainda é pouco expressivo. Só que se comparar ao ano de 2016, já tem uma perspectiva muito melhor. Os anos de 2018 e 2019 devem ser o ano de transformação digital e acredito que as empresas vão se dedicar ao tema.

CM – A percepção de transformação digital está muito ligada à melhoria da experiência do cliente. É isso o que as empresas buscam?

MS – O movimento digital, para nós, claro que passa pela experiência do usuário e pela multicanalidade, mas não é única. Essa parte de back office, a indústria 4.0, a logística e toda a mentalidade digital do ponto de vista de eficiência, cadeia produtiva mais estreita e menor, ele vai tomar contornos maiores a partir desse ano.

CM – As empresas estão mudando por vontade de estar à frente do movimento ou por necessidade?

MS – O grande motor das grandes empresas é a necessidade. Elas têm uma certa inércia. Para elas mudarem, elas precisam ser pressionadas. A pressão vem de duas frentes: da crise, mas também da própria digitalização. A crise traz contornos mais dramáticos para o Brasil. Mas, independentemente da crise, as empresas vão precisar se mexer.

CM – E como você avalia o atual momento das empresas no Brasil? Quando a Amazon anunciou a entrada em diversos segmentos por aqui, por exemplo, as ações das varejistas despencaram. As empresas brasileiras ainda estão muito atrás desses grandes concorrentes?

MS – Boa parte dos setores está sendo pressionando por esses competidores, digamos, diferentes. E que incluem gigantes como a Amazon, que também está pressionando o próprio mercado americano. Se você analisar o varejo, a pressão não é só por aqui, mas global. É uma questão de movimento, não de país. A digitalização é uma pressão. Não é por acaso que algumas empresas estão se reposicionando e conseguindo bons resultados, como é o da Magazine Luiza. Enfim, é um novo modelo econômico ameaçando o velho modelo econômico.

CM – Você colocaria setores na frente dos outros no quesito digitalização?

MS – Os grandes bancos realmente vêm fazendo um esforço bastante grande em se reinventarem. É um processo difícil, pois são gigantes. Tudo o que se fala em digitalização pode ser visto como uma busca por leveza, flexibilidade e velocidade e isso não combina com tamanho grande. Mas os bancos estão fazendo um bom trabalho. Do outro lado, acredito que as seguradoras estão um pouco atrás até pelo perfil conservador que o setor possui. Quanto ao varejo, acredito que o setor vai ser movimentar bastante nos próximos dois ou três anos e tanto concorrentes brasileiros quanto estrangeiros.

CM – O varejo está atrasado?

MS – O varejo no Brasil tinha uma característica que era o investimento em tecnologia inferior a países que possuem o mesmo perfil do Brasil. Até por conta disso, o perfil do varejo é menos tecnológico do que em outros lugares, como a China. Então, o varejo tem a oportunidade de dar um salto e se equiparar até a outros países emergentes.

CM – E a questão da indústria 4.0 no País?

MS – O Brasil está atrás e ainda tem a questão da crise, que impactou muito todo o setor. O País vem há muitos anos de forte pressão em cima da indústria, então ela tem um desafio muito grande. A maior parte está descapitalizada. Mas, ao mesmo tempo, recomendo enxergar o meio copo cheio. Às vezes é a grande oportunidade de ser o ponto de virada. Até o nosso setor de tecnologia está tendo que se adaptar, pois os produtos se transformam muito rapidamente.

CM – Na sua opinião, o que segura os investimentos em tecnologia e transformação digital? Falta de dinheiro ou questão de cultura?

MS – A resistência é global, não só Brasil. As grandes empresas têm um status quo e uma inércia, o que traz mais dificuldade na hora de transformar o negócio. É um desafio global: quanto maior a companhia, mais difícil dela mudar. E para que isso aconteça, tem que haver uma mudança de mentalidade na liderança. Os líderes precisam sair da zona de conforto e entender o papel deles nessa transição. Pois você não pode destruir o que você tem para apostar o novo. Como fazer o modelo de transição respeitando a saúde financeira da empresa e, ao mesmo tempo, não sendo lento suficiente para que não permita as inovações.

CM – Como é vender soluções atualmente em comparação ao passado?

MS – Antes, vendíamos somente para pessoas de TI. Hoje, você tem que se relacionar com os negócios, mas quem lidera a transformação digital é a área de negócios. Outra mudança que vem acontecendo é que a tecnologia não é só vista como uma área de redução de custos. Antes, a disputa era focada nos valores. Agora, é o benefício: o que as minhas soluções podem fazer para alavancar os seus negócios? E no Brasil é algo importante, pois no quesito de custos, é o país mais difícil de se operar. Para completar, a tecnologia ajuda as empresas a trabalharem melhor em equipe.

CM – Como vai ser o ano de 2018, tanto para a Stefanini quanto para o Brasil?

MS – No caso do Brasil, com a crise, ainda vai ser um ano difícil. Quando você soma o impacto da crise com a questão da transformação digital, o problema fica ainda maior. Tem as turbulências econômicas e políticas. E a Stefanini tem que se transformar sempre, pois é um mercado que muda muito rápido. Eu diria que 2018 e 2019 vão definir o nosso futuro e o de muita gente. Dependendo de como você se posiciona, vai definir o que vai ser de amanhã. Tanto no mercado, quanto a própria Stefanini.

CM – Como se preparar para isso?

MS – (Marco Stefanini olha para a imagem em sua mesa e sorri).

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]