Pesquisar
Close this search box.
/
/
As frustrações do estado de bem-estar digital

As frustrações do estado de bem-estar digital

Algoritmos enviesados esfriam promessas imediatas das tecnologias inteligentes

Não é preciso refletir muito para se constatar a forte presença da Inteligência Artificial (IA) em nosso dia a dia. Ela está nos e-mails, redes sociais, serviços de geolocalização, streaming de música, carros inteligentes, serviços financeiros e mais. Tampouco é preciso ler muita notícia para se perceber suas incontáveis promessas de resolução de problemas, como cálculo para prever o movimento das placas tectônicas ou prever a estrutura de proteínas. Mas as promessas da IA para o estado de bem-estar digital têm se mostrado pouco animadoras quando governos buscam cumpri-las.

As tentativas de se construir um estado de bem-estar digital constantemente tropeçando em algoritmos enviesados nos tempos em que se debate o colonialismo de dados vem gerando frustrações hype da IA.

Estado de bem-estar digital

Na última década, governos em diversos países passaram a adotaram estratégias para transformar os serviços públicos por meio da tecnologia. Uma área prioritária para essas estratégias tem sido o “estado de bem-estar social”. O abrangente termo “estado de bem-estar” é usado para descrever políticas, programas e práticas que visam fornecer proteção social aos indivíduos. É uma dimensão fundamental de governos modernos, e abrange uma ampla gama de atividades e medidas que constituem as redes de proteção social que permitem os cidadãos a acessarem padrões razoáveis de saúde, bem-estar social e segurança econômica.

Segundo o Fundo de Liberdade Digital, que financia atividades e projetos ligados ao direito digital na Europa, a digitalização de serviços públicos para bem-estar social frequentemente transforma as necessidades dos mais vulneráveis em números e variáveis, e muitas vezes coloca direitos dos cidadãos em risco por conta do pouco debate público e prestação de contas.

Há diversos exemplos recentes de frustrações com as buscas de um estado de bem-estar digital nos países desenvolvidos. No começo do ano passado, por conta dos riscos de precisão e riscos aos direitos humanos, o governo holandês interrompeu seu estreante sistema que previa a probabilidade de um indivíduo de mentir, cometer fraude no sistema de benefícios ou violar leis trabalhistas. Os efeitos da decisão influenciaram o debate sobre o uso de robôs para a mesma finalidade no Reino Unido. E foi no Reino Unido que em agosto do mesmo ano a Geração Z viu algoritmos enviesados privilegiarem estudantes de escolas particulares nos exames A-level, o vestibular deles.

O clamor foi tanto que o uso dos algoritmos como alternativa da não aplicação dos exames por conta a pandemia foi cancelado.

Colonialismo de dados

Além da falta de precisão das ferramentas implementadas para a digitalização dos serviços públicos, há exemplo também da falta de clareza na relação Estado-empresas. No começo de abril, os nova-iorquinos descobriram que mais de 1.800 entidades – incluindo agências estatais, polícias municipais e estaduais – acessaram os serviços de reconhecimento facial de mais de 3 bilhões de fotos da empresa de tecnologia Clearview AI, ainda que sem contratos formais.

A questão da falta de clareza sobre o uso das tecnologias por parte das administrações públicas esbarra no chamado colonialismo de dados – outro fator que esfria os ânimos em relação às IAs.

Pela definição dos pesquisadores Ulises Ali Mejias e Nick Couldry, da State University de Nova York e da London School of Economics, respectivamente, colonialismo de dados é uma nova ordem social baseada no rastreamento contínuo de nossos dispositivos e vidas online que cria oportunidades sem precedentes para discriminação social e influência comportamental por parte das grandes corporações e governos.

Segundo os estudiosos, de fato este tipo de colonialismo não tem características pelas quais o colonialismo histórico é mais lembrado – como violência física extrema e escravidão -, mas explora recursos do mundo em uma escala completamente nova, redefinindo as relações humanas com a produção econômica.

Para o bem de quem?

No livro “Os Custos da Conexão: Como os Dados Estão Colonizando e Apropriando a Vida Humana para o Capitalismo”, Mejias e Couldry chamam a atenção para a justificativa de uma colonização em prol do conhecimento científico, marketing personalizado e gestão racional – da mesma forma que o colonialismo histórico se justificava pela missão civilizadora.

Para críticos do hackeamento das mentes dos indivíduos, como o futurólogo Yuval Harari, o dilema de dar informações a governos e empresas em troca de serviços e saúde com o consentimento de que as passarão a terceiros é um falso dilema. Para ele, esta escolha não é necessária. Em suas entrevistas sobre patrulhamento de governos e controle de pandemias, à medida que governos precisarem de mais informações sobre os indivíduos para garantirem o bem-estar social, é interessante que os indivíduos também aumentem seu conhecimento sobre os governos.

É fato que Inteligência Artificial e dados são cada vez mais importantes para o mercado e trazem benefícios para os consumidores, mas ainda há um longo caminho para entender como deve ser feito o melhor uso deles.


+ Notícias

O que é a inteligência artificial emocional e por que ela é o futuro

O que muda com a criação da Estratégia Brasileira de Inteligência Artificial (EBIA)?

A Inteligência Artificial está no meio de nós

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]