Pesquisar
Close this search box.
/
/
Quais são os limites que caracterizam venda casada?

Quais são os limites que caracterizam venda casada?

Vitor Morais, professor de direito do consumidor da PUC-SP, analisa comercialização de celulares sem carregadores

Um dos casos mais midiáticos que envolveram acusações de venda casada no Brasil envolve Apple e Samsung. As duas gigantes da tecnologia resolveram parar de vender smartphones com carregadores em 2020, o que gerou ações de órgãos como Procons e a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon).

A justiça brasileira também recebeu reclamações de consumidores, mas o tema ainda não foi pacificado nas cortes. Vitor Morais, professor de direito consumidor da PUC-SP, explica quais os limites de interpretação de venda casada. Veja a seguir:

O que é venda casada?

O termo se refere à ação de condicionar o fornecimento de um produto ou serviço a outro que é vendido de forma separada e obrigatória. No Código de Defesa do Consumidor, a infração está dentro das práticas abusivas descritas no artigo 39, inciso I.

Exemplos comuns da infração incluem a comercialização de pacotes de TV com a obrigatoriedade de comprar serviços telefônicos ou a exigência de consumo mínimo em bares e restaurantes.

Para a Senacon, a venda de celulares sem carregadores entra nessa definição. A secretaria argumenta que os dispositivos são imprescindíveis para o funcionamento normal do telefone, por isso as empresas estariam praticando, de forma indireta, venda casada.

Apple e Samsung obrigam o consumidor a adquirir um segundo produto, na avaliação do órgão. “Trata-se de venda de produto incompleto ou despido de funcionalidade essencial”, argumentou a secretaria em nota publicada em 2022.

Com base nessa interpretação, a Senacon determinou uma pausa da venda de iPhones no Brasil, o que não aconteceu. A Apple desafia a competência da Senacon em proibir as vendas do produto.

Leia mais:
Impulsionando a saúde pessoal: o papel do Apple Watch

Argumento é frágil, avalia advogado

Na avaliação de Vitor Morais, especialista em direito do consumidor, tese de venda casada, no caso da Apple ou outras empresas com a mesma prática, é frágil.

“A comercialização do iPhone sem o carregador se restringe a uma questão de informação sobre o produto”, disse Morais. Ao dizer de forma explícita que não vai mais oferecer carregadores, a empresa está cumprindo seu papel de fornecer informações claras sobre o que está na caixa do produto.

O consumidor, continua Morais, não pode ter a expectativa de encontrar algo no pacote se a empresa já explicou o que vem e o que não vem. Segundo o professor, a tese de venda casada não se aplica porque o iPhone não depende do carregador da marca, de forma exclusiva, para funcionar.

O especialista afirma que o celular se popularizou tanto que é difícil que quem deseja trocar de aparelho não disponha de um carregador. “Não razoável o consumidor dizer que está sendo obrigado a comprar o carregador da marca se ele provavelmente já tem um outro que funciona”, diz. Por isso, não há como provar que o consumidor está sendo lesado.

“O mesmo acontece quando você compra um controle remoto e precisa de pilhas para fazê-lo funcionar. Se você precisar adquirir a marca exata da empresa para fazer o dispositivo funcionar, aí sim, haveria prática da venda casada”.

Assine a nossa newsletter!
Fique atualizado sobre as principais novidades em experiência do cliente

Sobrecarga no judiciário

O caso trouxe muitos litígios ao judiciário brasileiro. Segundo Morais, um fundo de investimento passou a financiar processos de consumidores contra a Apple em troca de parte dos ganhos. “Transformaram o caso em uma fonte de receita”, diz o professor. A situação se enquadra na chamada advocacia predatória, que busca exacerbar os possíveis prejuízos, nesse caso dos consumidores, para obter ganho em cima das empresas – e receber uma comissão por isso.

Conheça o Mundo do CX

O cerco à empresa aconteceu também por motivação do governo. A Secretaria Nacional do Consumo (Senacon) lançou na época uma nota técnica pedindo a suspensão da venda de iPhones sem carregador. Mas, segundo Morais, esse tipo de ação administrativa da Senacon tem um caráter mais opinativo e de orientação.

Mesmo com aplicação de multas pela Senacon, só o judiciário poderia proibir as vendas, cenário que o professor considera quase impossível. A grande lição do caso, diz Morais, é que houve uma mudança de comportamento da Apple em relação à diminuição de lixo eletrônico, algo ainda não captado pelos consumidores.



+ NOTÍCIAS
Receita previsível só é possível com lealdade e compromisso
“CX é uma área central da nossa operação”, diz VP do Mercado Livre

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]