Pesquisar
Close this search box.
/
/
O caminho do varejo: como alcançar a estratégia ideal de CX nesse setor?

O caminho do varejo: como alcançar a estratégia ideal de CX nesse setor?

Executivos da KPMG comentam as dificuldades e as possibilidades vividas pelo varejo quando o assunto é customer experience. Entenda

A importância da entrega de Customer Experience é uma realidade cada vez mais premente no cotidiano de empresas que lidam diretamente com o consumidor final. Naturalmente, essa é uma questão de precisa estar na pauta dos líderes de varejo – desde as menores até as maiores empresas do segmento.

A realidade atual, porém, ainda está longe do que pode ser considerado ideal. Como comenta Fábio Grandi, sócio-diretor e líder em Customer Experience da KPMG no Brasil, todos os grandes players de mercado se preocupam com a experiência, mas nem sempre têm visão integrada sobre o tema. “Comprovamos ao longo do tempo que varejistas fazem investimentos em ações pontuais que trazem experiências positivas, eventualmente têm seu retorno, mas o fato de não olhar de maneira sistêmica e abrangente para essa questão minimiza o potencial de retorno desses investimentos”, diz.

No momento em que passa a enxergar jornada do cliente de forma completa, entendendo todos os pontos e etapas de contato do cliente com a empresa, o varejista faz com que experiência total seja boa e melhora os pontos de atrito. Para isso, o executivo da KPMG explica que é preciso, primeiro, ter uma visão do todo, criar condições pra fazer uma entrega de experiências diferenciadas, tendo uma visão sistêmica dos processos e do cliente. Depois, ter essa preocupação dentro da empresa de maneira estruturada, com foco não só no desenho, mas também a medição e mensuração da experiência.

“A falta de percepção de que é preciso desenvolver uma estratégia clara para tratar a experiência do consumidor faz com que você tenha série de ações isoladas, de áreas distintas, que visam a experiência mas não obrigatoriamente se conectam nem são priorizadas”, diz Paulo Ferezin, sócio-diretor e Líder para o Setor de Varejo da ?KPMG no Brasil da KPMG. “O marketing desenvolve uma ação; a área comercial, outra; e isso demonstra a ausência de uma visão corporativa, que venha do alto escalão, que oriente estratégias claras de priorização da experiência do cliente”.

Desafios

Dentro do varejo, a visão da experiência do cliente tem dificuldades bastante próprias. Do ponto de vista da KPMG, muitas empresas desse setor tem uma estrutura organizacional orientadas ao modelo processual, de produto. Por isso, enfrenta dificuldades para implementar de fato as estratégias de customer experience e de se aproximar do consumidor.

Por outro lado, as empresas que são reconhecidas por oferecer as melhores práticas nesse sentido são aquelas que têm uma boa autonomia dentro da linha de frente da operação e um contato com consumidores. “Os funcionários são amparados por uma cultura, têm remuneração diferenciada e autonomia para tratar o consumidor de forma diferente”, explica Ferezin.

“É uma gestão voltada a princípios, que não engessa os processos, com uma liderança conectada com o consumidor, apoiada em insights e que define uma estratégia muito clara, persuasiva, de alto padrão, inspiradora, ambiciosa”, diz. “Esses elementos trazem transformação e entrega plena de experiência”.

Estratégia

Para alcançar tal patamar, Ferezin defende que há uma necessidade real de avaliar e revisitar indicadores. “Quando falamos de experiência do consumidor, nos referimos a possibilidade de chegar a um ponto de venda e não ter fila; ter o problema rapidamente resolvido quando houver algum problema; ter um tempo de solução veloz; uma entrega rápida de produtos e serviços”, explica.

Porém, os varejistas não percebem esses pontos como parte da experiência. No caso da fila, por exemplo, para encontrar soluções, tratam apenas o tempo médio de atendimento em caixa. No entanto, isso não necessariamente é o único indicador. Se o preço no caixa estiver diferente da gôndola, em muitos casos o atendente não tem autonomia para resolver. Isso gera demora e atrito pela falta de autonomia.

“O cliente tende a estar mais preocupado com a solução do problema com a velocidade”, argumenta. “O que precisa ser medido é resolução no menor tempo”. Nesse sentido, Grandi afirma que a jornada do cliente já é totalmente omnichannel. “Quando avalio a relação que a marca estabelece com o consumidor, tenho que ser agnóstico em relação ao canal”, diz. “O que realmente importa é que avalie todos os pontos de contato de maneira neutra”.

No Brasil, ele conta que há operações muito mais voltadas para a loja física do que para o e-commerce. “Contudo, o grande segredo é ter uma visão integrada, que permite dar o tom, ponderar investimentos de maneira mais eficiente”, afirma. Ferezin revela que há um movimento dos grandes players no sentido de fazer integrações de forma que o cliente tenha uma experiência única ou caminhe para isso pelo menos.

“Vemos grandes players fazendo click and collect, com uma visão de solução dos problemas, formas de resolvê-los”, diz. Isso é feito apesar de, no Brasil, haver limitações por características fiscais, tributárias.

Tecnologia

Naturalmente, a tecnologia é uma ponte que leva a soluções de muitos desafios. Porém, Grandi defende que o grande segredo é desenhar o uso também da tecnologia com foco em experiência. “O varejo, principalmente on-line, já tem feito uso de diversas soluções, de maneira bastante intensiva”, afirma Ferezin. “Tempo e esforço são dois dos pilares que medem o quanto a empresa se esforça para atender de uma maneira adequada, sem demandar esforço físico e mental”, argumenta o executivo.

As ferramentas precisam ter como foco primeiramente atender as necessidades básicas, como a redução de tempo de espera e resolução de problemas, até chegar ao ápice, com base em uma relação de empatia com o cliente, oferecendo personalização. “É preciso ter a experiência em mente, não apenas a tecnologia pela tecnologia, conclui Grandi.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]