Pesquisar
Close this search box.
/
/
Quanto tempo dura um cosmético? Especialista tira dúvidas sobre o produto

Quanto tempo dura um cosmético? Especialista tira dúvidas sobre o produto

Alessandra Romiti da Sociedade Brasileira de Dermatologia aponta perigos do uso de produtos vencidos para o consumidor

Já esqueceu um cosmético na gaveta do armário e deixou de se atentar para a data de validade daquele produto? Se sim, o uso de maquiagens ou itens de higiene pessoal fora do prazo de consumo pode acarretar problemas.

Alessandra Romiti, coordenadora do Departamento de Cosmiatria da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), aponta que o maior risco dos consumidores está relacionado à perda da eficácia e alergias com o uso de um produto vencido. 

“Como os cosméticos, na maioria das vezes, têm princípios ativos e estão sendo usados em um tratamento ou no dia a dia, você pode perder os princípios ativos e diminuir a eficácia do processo, ou até mesmo ter alergias com o uso dele”, completa. 

O QUE DIZ A ANVISA

Mas quem determina a validade de um batom, perfume ou um hidratante? De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a determinação da validade de cosméticos considera fatores específicos de cada produto, como a estabilidade da fórmula, ingredientes e ação de micro-organismos e é feita pelo próprio fabricante. 

Segundo o órgão, a regulamentação sobre esse tipo de produto está descrita na resolução RDC 7/2015, que traz a obrigatoriedade dos rótulos com o prazo de validade, data de fabricação e lista de substâncias.

LEIA TAMBÉM:
Do vegano ao sem perfume: indústria de cosméticos aposta em segmentação

Além disso, conforme a regulação, a rotulagem dos produtos não deve conter indicações terapêuticas e nenhuma informação que induza o consumidor ao erro da finalidade ou segurança para uso do cosmético. 

No Brasil, a exigência do prazo de validade está presente nos produtos fechados. Depois de aberto, com a entrada do ar ou o próprio contato com as mãos, por exemplo, micro-organismos podem se proliferar no cosmético.  

“O prazo de validade é uma lei e por isso precisa ser colocado em todos os produtos. Eles saem inicialmente com prazo de validade e esse é o tempo que a empresa se responsabiliza pelo produto. Enquanto você o mantém em condições ideais e estiver dentro do prazo da validade, a responsabilidade é da empresa”, conta a médica. 

Cosmético
Foto Unsplash

Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec), o responsável por inserir o produto no mercado, ou seja, quem regulariza na Anvisa, deve possuir dados comprobatórios que atestem a qualidade, a segurança e a eficácia. 

“O teste deve ainda garantir que o produto não constitui risco à saúde quando utilizado em conformidade com as instruções de uso e demais medidas constantes da embalagem de venda durante o seu período de validade”. 

Um dos requisitos técnicos obrigatórios para cosméticos é o estudo de estabilidade, que fornece indicações sobre o comportamento em determinado intervalo de tempo, frente a condições ambientais a que possa ser submetido, desde a fabricação até o término da validade.

O estudo da estabilidade desses produtos fornece informações que indicam as variadas condições a que possa estar sujeito, desde sua fabricação até o término de sua validade, de acordo com a Abihpec. 

O estudo da estabilidade de produtos cosméticos contribui para: 

– Orientar o desenvolvimento da formulação e do material de acondicionamento adequado;

– Fornecer subsídios para o aperfeiçoamento das formulações;

– Estimar o prazo de validade e fornecer informações para a sua confirmação;

– Auxiliar no monitoramento da estabilidade organoléptica, físico-química e microbiológica, produzindo informações sobre a confiabilidade e segurança dos produtos.

ATENÇÃO

Com a abertura do produto, o consumidor deve ficar atento para mudanças de cor, textura ou umidade que ele possa apresentar. Alessandra afirma que o prazo de validade pode ser alterado se o produto estiver sendo consumido. 

“Se você mantém na embalagem fechada e original, é claro que ele dura mais.  A partir do momento que você começa a usar uma maquiagem, um creme, você pode ter um produto que mude de cara, de cheiro”, diz. 

Confira recomendações sobre o prazo de uso de alguns deles: 

Batom: após aberto, a validade é, em média, de dois anos.
Blush, sombra ou pó: validade de dois anos e meio após a abertura.
Delineador: o produto pode ser utilizado durante seis meses a um ano, em média.
Máscara de cílios: após aberta, a validade é de seis meses a um ano.
Lápis de olho: valide de um ano e meio.
Perfume: validade de dois anos e meio a três anos, em média, após a abertura da embalagem.
Creme: o prazo varia até um ano a três anos, dependendo da condição do produto.
Esmalte: o prazo de validade de um esmalte é de, aproximadamente, nove meses.

Mudanças para produtos de fora?

Segundo Alessandra, não existe uma regulamentação específica sobre prazo de validade para cosméticos na maioria dos países do exterior. 

“Algumas empresas, dependendo da marca, não tem prazo de validade. Dependendo da empresa, o cosmético não vem com prazo da validade escrito”, comenta a dermatologista. 

Considerações

Diversos fatores influenciam na determinação do prazo de validade de um cosmético, como maquiagens, produtos de higiene entre outros. Para Alessandra Romiti, desde a composição da fórmula até a embalagem podem ser decisivos para o tempo de vida de um produto como esse. 

“Depende da composição do produto, da embalagem, tudo isso determina a validade do produto. Dependendo da embalagem, por exemplo, ela pode garantir um maior tempo de vida estável daquele produto”, afirma. 

VOCÊ VIU?
Empresa utiliza sementes de café verde em linha de cosméticos masculinos

Compromisso 

Por fim, a coordenadora da SBD reforça que não é proibido consumir produtos vencidos, mas o usuário deve se responsabilizar por ele. 

“Não é proibido usar, mas fazer uso de um produto vencido será por sua conta e risco. Você será responsabilizado por isso, por ser um uso pessoal e restrito. Prestar atenção no prazo de validade é uma segurança para o público”, finaliza. 

Cosmético
Foto Curology | Unsplash

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]