Pesquisar
Close this search box.
/
/
Netflix: documentário sobre Taylor Swift é uma boa lição de re-branding, sem esquecer o #womenpower

Netflix: documentário sobre Taylor Swift é uma boa lição de re-branding, sem esquecer o #womenpower

"Miss Americana" mostra a volta por cima da artista depois de ter sido "cancelada" em redes sociais e na mídia de celebridades norte-americana

“As artistas mulheres que eu conheço tiveram que se reinventar 20 vezes mais do que os artistas homens. Elas precisam fazer isso ou perdem o emprego”. Em um dado momento do documentário Miss Americana, exibido pela Netflix, a cantora Taylor Swift manda essa frase para as câmeras, desabafando sobre as pressões que sofreu na carreira nos últimos três anos principalmente. Você pode até nem ser fã da artista norte-americana. Eu, por exemplo, escuto bem pouco suas canções. Mas não se pode deixar de ouvir o que diz um dos nomes mais importantes do showbizz mundial, cujo primeiro hit aconteceu aos 16 anos de idade. Desde que Taylor se lançou na carreira musical, foram mais de 670 indicações a prêmios. E ela levou para casa mais de 320 deles, incluindo 9 Grammys. Ou seja, se Taylor Swift não puder se considerar bem-sucedida, ninguém mais poderá.

A declaração acima, dada pela artista no documentário, encontra modelos concretos na realidade: Beyoncé, Lady Gaga ou Madonna estão aí para provar e comprovar isso. Mas a própria Taylor pode tratar com propriedade o assunto. Seu marketing pessoal teve que mudar completamente ao menos três vezes desde o começo da carreira. Deixou de ser a cantora de country music vinda do Tennessee, estado dos EUA, para se tornar uma estrela pop mundial, capaz de apresentar ao mercado músicas relevantes compostas por ela – e que acertam em cheio seu público de fãs.

CANCELAMENTO E VOLTA POR CIMA

Você pode se perguntar, então, por qual razão Taylor Swift é pauta a essa altura do campeonato. De novo, defendo que mesmo aqueles incapazes de cantarolar qualquer dos dos hits da artista, fiquem de olho em seu re-branding, em sua atual volta por cima. O doc Miss Americana mostra um pouco do cancelamento em massa que ela sofreu há cerca de dois anos, quando entrou em conflito direto com o rapper Kanye West. Ele usou o nome da cantora de forma extremamente machista e ofensiva em uma música. Ela rebateu. Já havia um histórico de conflitos entre os dois, o que potencializou a questão. Estranhamente, criou-se um movimento nas redes sociais pedindo seu ostracismo – e a hashtag #TaylorSwiftIsOverParty” ficou entre as mais comentadas. Muita gente acreditava que a cantora era “calculista”, “ambiciosa”, “utilitária” com amigos e namorados. A fama estava criada e nada que ela fizesse parecia mudar isso.

Criou-se publicamente uma opinião tão desfavorável a ela que Taylor Swift saiu de cena por cerca de um ano. Nada no Instagram, nenhuma entrevista. O buzz baixou e agora, em 2020, ela retorna com disco novo (Lover), uma série de canções de amor e, aparentemente, uma personalidade mais forte diante das críticas. Seu novo posicionamento traz insights de construção de marca que servem não só para criadores de conteúdo e pessoas públicas, mas também para marcas.

Aqui vão três dessas lições de re-branding que se pode aprender com uma das artistas mais bem-sucedidas do mundo:

POSICIONE-SE
Já tem um tempo que todos os reports de tendência enfatizam isso, porém, existem marcas que ainda não entenderam a importância de manter uma opinião qualificada sobre assuntos que afetam o mundo hoje. Política, meio-ambiente, direito das mulheres, veganismo, consumo consciente, luta contra o racismo… As pautas estão aí todos os dias. Em Miss Americana, Taylor quer que seu público saiba que ela tem voz própria. Passa, então, a manifestar isso no palco e nas redes sociais. E o impacto de aderência é imediato em uma conta de Instagram de 127 milhões de seguidores. Ter uma causa também faz parte do amadurecimento individual (ou da marca) no mundo.

PROTEJA SUA VIDA PESSOAL
A cultura das celebridades faz a gente ter bem mais aderência a seguir ou se inspirar por aquelas pessoas que parecem acessíveis, que têm similaridades com seguidores, fã-clube, audiência. Isso é verdade. Mas o interesse maior em torno de você ou sua marca não pode ser algo da sua intimidade. No documentário, Taylor Swift fala de como errou ao expor seus relacionamentos online. De repente, tudo sobre seu status de relação (solteira, casada, noiva, namorando…) se tornou mais importante do que o trabalho que fazia. Existe um cansaço enorme das novas audiências em torno da over exposição pessoal. Se funciona ainda hoje, muito em breve não rolará mais.

SAÚDE MENTAL EM PRIMEIRO LUGAR
Empreendedores entendem bem o que é ser pressionado todo o tempo (por si mesmo, pelos resultados, por sócios). Quando o desempenho de algo depende exclusivamente de si – no caso de Taylor, das músicas que era capaz de compor, dos videoclipes incríveis que deveria fazer, das aparições cada vez mais surpreendentes… Bom, quando você é seu próprio chefe, corre-se o risco de ser o próprio carrasco também. “Me sentia sozinha e amargurada”, diz a cantora que já estava no auge do sucesso. “Estava tão obcecada em não me meter em confusão que não queria fazer nada que as pessoas pudessem comentar”. O estresse mental da competição e da superação constante contribuem para essa sensação de não ser bom o suficiente. Sair de cena e começar de novo com calma podem ser uma excelente saída.

Estamos vivendo a Era do Cancelamento na internet
Be A Lady: os vídeos que vão te fazer pensar sobre estigmas femininos
Como Taylor Swift alcançou o posto de artista da década

 

 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]