Pesquisar
Close this search box.
/
/
O importante papel de um supply chain resiliente na experiência do consumidor

O importante papel de um supply chain resiliente na experiência do consumidor

Cada vez mais comuns no dia a dia das empresas, as disrupções de supply chain ameaçam a lucratividade e a experiência do cliente

Investimentos volumosos em estratégias de Customer Experience (CX) passaram a fazer parte do dia a dia das empresas nos últimos anos – afinal, a jornada de experiência oferecida ao cliente tornou-se uma questão de competitividade e ganho de receita. Porém, uma parte importante dessa equação ainda não é tratada com a devida importância: o supply chain.

Para lidar com a Covid-19, por exemplo, 71% das empresas não possuíam um plano de contingência de supply chain caso o surto durasse mais do que algumas semanas. O resultado do despreparo evidenciado por dados da The Economist foi a falta de máscaras, de insumos para UTI, de leitos hospitalares etc.

A questão é que, no mundo BANI (acrônimo em inglês que significa frágil, ansioso, não linear e incompreensível), disrupções como essa, capazes de afetar as demandas, o equilíbrio da cadeia de valor e, consequentemente, a experiência e os preços ofertados ao cliente, serão cada vez mais comuns. Não à toa, o economista alemão Carsten Brzeski afirma: “A pandemia não é mais a maior ameaça às nossas economias. As disrupções do supply chain são”.

Exemplo disso é a guerra na Ucrânia, que evidencia a necessidade do investimento em um supply chain resiliente. Flavio Barreiros, Líder de Supply Chain & Operations para a América Latina, explica que o país europeu é um dos principais fornecedores de gás neon no mundo, com 50% de market share. Com o conflito, o fornecimento do item essencial para a fabricação de chips semicondutores usados na fabricação de eletrodomésticos, celulares e automóveis, foi interrompido. Empresas dependentes tiveram que buscar outro fornecedor e pagar a mais pelo pedido emergencial, o que gerou escassez nos estoques, valores mais caros e fretes demorados.

“O supply chain tornou-se uma rede super conectada, global e complexa. Por isso é tão importante que as empresas construam uma cadeia de valor resiliente. Não porque conseguirão prever disrupções, mas porque estarão mais preparadas para absorver, adaptar-se e buscar alternativas para a continuidade do negócio e das operações, mantendo nos patamares desejados as experiências com os consumidores, as receitas e os custos”, afirma Flavio Barreiros.

O supply chain resiliente de verdade

Já foi o tempo em que o supply chain era considerado custo. Novas técnicas analíticas e Inteligência Artificial deixaram no passado a tradicional visão de uma cadeia de abastecimento resiliente ser baseada somente em estoque regulador, produção mais flexível e fontes de fornecimento redundantes. Além de representarem custos extras, essas frentes não se mostraram eficazes diante dos efeitos de rupturas.

Flavio explica que, para a Accenture, o supply chain do futuro é asset light, sustentável inteligente e autônomo, com algoritmos tomando decisões e fazendo recomendações, de forma que a própria operação se reparametrize – o que traz velocidade e um filtro para a intervenção humana. Por causa dessa conexão, há a capacidade de orquestrar uma rede que entrega a experiência desejada pelo consumidor. Por exemplo, diante da falta de um produto em determinada loja, a empresa que possui uma rede conectada oferece uma entrega rápida a partir do estoque de outra loja e um parceiro logístico.

Isso só é possível a partir do momento em que a empresa entende a sua cadeia, conquistando visibilidade e passando a ter um domínio maior da rede de abastecimento, já que os grandes fluxos e as concentrações de risco para o negócio são identificados. A rede passa, então, a operar suportada por sistemas e automações que trazem eficiência e rapidez, garantindo a experiência a um custo equilibrado.

“O principal erro das empresas é não ter um supply chain preparado para a disrupção, ou seja, com clareza das vulnerabilidades, construção de alternativas para se proteger e um modelo mais inteligente para operar a rede resiliente. Atualmente, a maioria dos negócios reage a cada crise, isso significa perda de eficiência, já que se paga mais caro por componentes, energia, além do risco da perda de venda e receita, pela falta de produtos”, afirma Barreiros.

Visibilidade inteligente

O caminho para construir um supply chain resiliente de verdade é chamado pela Accenture de visibilidade inteligente. Trata-se da combinação das visibilidades estrutural e dinâmica, sustentadas por técnicas de analítica e inteligência artificial. Economicamente viável, a estratégia reflete em melhores receita e lucratividade.

supply chain resiliente
Visibilidade inteligente é o caminho para o supply chain resiliente; Framework: Accenture

O primeiro passo é a visibilidade estrutural, ou seja, ter um retrato das operações e entender fragilidades e riscos existentes em cada cadeia. São quatro os principais tipos de visibilidade nessa frente:

  • Mapeamento da rede: documenta todos os ativos e fornecedores.
  • Gerenciamento de riscos clássicos: identifica, qualifica, prioriza e remedeia riscos.
  • Análise de rede: determina riscos inerentes.
  • Modelagem: simulação informatizada do desempenho.

“Estamos falando de visibilidade de fornecedores tier 2 e tier 3, rotas logísticas marítimas ou terrestres, canais de distribuição, concentrações de produção, etc. Para isso, usa-se muito dado e inteligência analítica para simulação. Buscam-se, então, novos fornecedores, rotas, e definem-se estoques de proteção. Esse exercício é contínuo”, afirma Flavio.

Muitas empresas têm utilizado um gêmeo digital, ou seja, uma réplica virtual do supply chain, para replicar o comportamento típico da cadeia e simular cenários, testando o estresse e identificando riscos e desenhando possíveis ações preditivas.

O segundo passo é a visibilidade dinâmica, que nada mais é do que monitoramento e tomada de ação em tempo real. Tendo como os principais tipos de visibilidade monitorar, prever, prescrever e executar de forma autônoma, essa capacidade permite às empresas saber onde os produtos estão, como fábricas e depósitos estão operando, quando e onde as disrupções ocorrem e o que as rupturas estão afetando.

“A dificuldade da visibilidade dinâmica é a capacidade de identificar desvios e responder rápido, ativando mecanismos de proteção e alternativas já preparadas. Estamos falando de usar um buffer, um fornecedor alternativo, outro parceiro logístico etc. Para dominar este capability, é imperativo usar modelos preditivos com alertas para antecipar situações, e modelos de simulação e otimização para rapidamente desenhar uma resposta.  Algumas das respostas podem ser automatizadas e as que precisam de intervenção humana demandam pessoas com skills analíticos para interpretar as informações e tomar decisões rapidamente”, explica Barreiros.

Na prática, as empresas possuem capacidades relativamente maduras de visibilidade estrutural sobre suas próprias operações, mas a visibilidade dinâmica ainda é emergente. Um estudo da Accenture com 30 executivos líderes de supply chain, mostrou que 83% das organizações executam mapeamento de rede regularmente e 90% promovem gerenciamento de riscos clássico em bases regulares. Porém, apenas 40% realizam fortemente ações prescritivas e 3,3% possuem uma boa execução autônoma.

“Uma parte importante das empresas está tomando soluções paliativas, mas entendemos que nos próximos anos haverá uma jornada de supply chain resiliente forte. É uma tendência que vai acontecer em praticamente todos os setores. Quem não seguir, terá consequências enormes em termos de experiências frustradas dos consumidores e clientes, custos e rentabilidade, bem como receita. Além disso, o nível de estresse dentro da gestão e operação do negócio pode dificultar a atração de talentos”, alerta Flavio Barreiros.

O executivo ainda dá uma dica: “desde já, as empresas devem desenhar uma visão ambiciosa e metas claras, e desdobrar isso em uma jornada, que pode ser evolutiva, mas abrangente pois existem muitas dimensões a serem trabalhadas. Entre elas estão adoção de novas tecnologias, inteligência analítica, colaboração com diferentes players da cadeia, novas rotinas de trabalho, funções e modelos de tomada de decisão, preparar as pessoas e mudança cultural”.


+ Notícias 

Cliente no centro? Por que essa estratégia já não basta

Expectativa x Realidade: o que esperar de 2023 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]