Pesquisar
Close this search box.
/
/
Pets em cabines: MPF tira Anac da inércia e incentiva regulamentação

Pets em cabines: MPF tira Anac da inércia e incentiva regulamentação

Após parecer, Anac convoca consulta setorial e faz esboço de regulamentação para definir regras para o transporte aéreo de animais domésticos

Os animais de estimação hoje são tratados como membros da família e o mercado pet tem crescido absurdamente no Brasil. Junto com isso, vemos um movimentos de outros mercados e serviços se adequando a esse novo lugar que cachorros, gatos e outros pets passaram a ocupar na vida das pessoas (e dos consumidores).

Apesar disso, sempre tem aqueles setores que ficam para trás nesses processos de sintonia entre normas, regras e o comportamento da sociedade. É o caso do mercado aéreo, por exemplo. Não há regulamentação do transporte de pets em voos comerciais e as companhias aéreas acabam tento total poder de decisão sobre o que pode e o que não pode. Ou seja, sem nenhuma padronização, as empresas não se sentem pressionadas a evoluir e buscar atender às novas demandas do consumidor.

No final de janeiro, a Consumidor Moderno fez uma matéria sobre os desafios das famílias para conseguirem viajar de avião com os seus bichinhos na cabine. A decisão, muitas vezes, acaba acontecendo nos tribunais.

A luta dos advogados, ongs e defensores da causa é para que a Anac regule o transporte de animais domésticos em aeronaves, para que os tutores parem de ter que contar com a “boa vontade” das companhias. Diante da grande judicialização dos casos, chegou a ser movida uma ação civil pública exigindo essa regulamentação. E essa semana, tivemos novidades.

O Ministério Público Federal concordou com a ação movida pelo escritório de advocacia Furno Petraglia e Pérez Advogados e deu um parecer para que a juíza acate o pedido e obrigue a Anac a regulamentar o embarque aéreo de animais de estimação e de suporte emocional. Essa é apenas uma das ações movidas pelo escritório em busca da padronização do transporte de pets nos aviões que tramita na Justiça Federal.

Com o parecer do Ministério Público, antes mesmo da decisão da juíza, a Anac abriu uma “consulta setorial” com um esboço de regulamentação para que as entidades envolvidas, como ONGs, transportadores e veterinários possam opinar. Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil, a proposta de ato normativo tem como objetivo consolidar os dispositivos regulatórios e entendimentos existentes na Anac sobre as condições gerais para transporte de animais em voos domésticos e internacionais.

A Anac afirma que, ao dar publicidade e transparência ao tema, será possível reduzir possíveis divergências de informação da sociedade sobre o serviço. As contribuições poderão ser enviadas até o dia 17 de abril.

Um primeiro passo, mas que ainda merece atenção

Leandro Furno Petraglia, do escritório Furno Petraglia e Pérez Advogados, conversou novamente com a Consumidor Moderno e analisou o esboço apresentado pela Anac das bases que seriam usadas para a regulamentação.

Segundo ele, o início do processo de regulamentação deve ser comemorado, mas o esboço da norma ainda está deixando o poder de decisão muito nas mãos das companhias aéreas.

“O que falta é realmente a Anac abraçar a responsabilidade de regulamentação que é dela e definir minúcias, assim como ela faz com bagagem, por exemplo, em que ela diz claramente quanto pode, o quanto custa. Assim como a ANS faz na área da saúde e a Anatel entra em minúcias do serviço de telefonia”, compara o advogado.

Para Leandro, a Anac deve definir, por exemplo, o peso permitido para animais irem nas cabines, quais espécies devem ser transportadas de forma obrigatória, e a obrigação das companhias respeitarem as ordens médicas. Na visão do advogado, a Anac poderia ainda criar um cadastro, um certificado de um animal de suporte emocional, que fosse renovável. Dessa forma, a Agência iria deixar o processo muito mais fluido.

“Nós vamos avaliar a portaria, vamos nos reunir com algumas entidades. Já conversamos com algumas ongs, conversamos com algumas autoridades em assuntos de veterinária, para colher informações para podermos enriquecer com sugestões. Vamos batalhar para que essa regulamentação seja feita a contento de maneira a sanar o problema”, afirma Leandro.

O especialista defende que um dos pontos de atenção que a sociedade deve ter em relação à proposta de regulamentação da Anac são os termos usados no texto:

“Não é possível que perdurem expressões como: poderão transportar; se entenderem cabíveis tais medidas transportarão…É preciso transformar isso em um: deverão transportar, que é o que a sociedade já insiste com centenas ações individuais e milhares de manifestações em redes sociais”, reforça o advogado.

Por fim, Leandro comemora dizendo que toda essa movimentação já é um avanço por provocar a Anac a sentar com a sociedade, ter que elaborar um esboço e ter que iniciar um processo de regulamentação.


+Notícias

Famílias têm recorrido à justiça para levar pets nas cabines de aviões

Executivas da Porto debatem bem-estar e etarismo no Dia da Mulher

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]