Pesquisar
Close this search box.
/
/
O impacto das redes sociais nas crianças vai a julgamento

O impacto das redes sociais nas crianças vai a julgamento

Escolas públicas americanas entram com ação para responsabilizar redes sociais por danos à saúde mental de crianças e adolescentes

As escolas públicas de Seattle, na costa oeste dos Estados Unidos, entraram com um processo judicial contra as Bigs Techs. Elas são acusadas de contribuir para a crise de saúde mental juvenil. A ação mira TikTok, Meta, Snap e outras empresas para responsabilizar as plataformas de mídia social por danos a crianças.

Quanto mais tempo as pessoas permanecem nas mídias sociais, mais anúncios as Big Techs vendem e mais dinheiro elas ganham, argumenta a ação, que aponta alguns recursos, como notificações por push, são projetadas para manter os usuários nas plataformas o máximo de tempo possível, estratégia que as crianças e adolescentes são especialmente vulneráveis.

“O crescimento dos réus é produto das escolhas que eles fizeram para projetar e operar suas plataformas de modo a explorar a psicologia e a neurofisiologia de seus usuários para gastar cada vez mais tempo em suas plataformas”, diz a petição inicial da ação. “[Eles] exploraram com sucesso os cérebros vulneráveis dos jovens, conectando dezenas de milhões de estudantes em todo o país a ciclos de feedback positivo de uso excessivo e abuso das plataformas de mídia social dos réus”.

Leia Mais: Meta restringe anúncios baseados em gênero para adolescentes

Estratégia de engajamento e conteúdo perigoso

O conteúdo prejudicial direcionado a usuários – especialmente a adolescentes – inclui até planos de dietas radicais e incentivo à automutilação.

“A má conduta dos réus tem sido um fator substancial para causar uma crise de saúde mental juvenil, que tem sido marcada por proporções cada vez maiores de jovens lutando com ansiedade, depressão, pensamentos de automutilação e ideação suicida”, afirma a denúncia. “As taxas nas quais as crianças lutam com problemas de saúde mental aumentaram constantemente desde 2010 e, em 2018, fizeram do suicídio a segunda principal causa de morte entre os jovens (nos Estados Unidos)”.

Para Ashley Gold, repórter de tecnologia do portal americano Axios, a ação é uma resposta às evidências científicas de que o uso crescente de mídias sociais por adolescentes é prejudicial à saúde mental. E destaca que mesmo com a controvérsia em torno do tema, é consenso que as mídias sociais têm um grande papel na vida das crianças.

Assine nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

“Os advogados com quem conversei que estão trabalhando neste caso e os defensores que estão agitando por uma ação contra a mídia social há muito tempo estão comparando este momento atual com a luta contra o grande tabaco ou a luta contra os opioides”, comenta Ashley em podcast da Axios.

A pressão exercida pelas plataformas sociais na saúde mental de crianças e adolescentes teria influenciado a queda no desempenho escolar, e os deixado “menos propensos a frequentar a escola, mais propensos a se envolver no uso de substâncias (drogas, remédios e álcool) e a se comportar mal, o que afeta diretamente a capacidade das Escolas Públicas de Seattle de cumprir sua missão educacional”, enfatiza a ação.

“Nossos alunos – e jovens em todos os lugares – enfrentam dificuldades de aprendizado e vida sem precedentes que são amplificadas pelos impactos negativos do aumento do tempo de tela, conteúdo não filtrado e propriedades potencialmente viciantes das mídias sociais”, disse o superintendente das escolas públicas de Seattle, Brent Jones, em um comunicado.

Conheça o Mundo do CX

A denúncia de Frances Haugen

Frances Haugen, ex-gerente de produto do Facebook, provocou um escândalo quando testemunhou no Congresso americano em 2021, por afirmar que os executivos da companhia (hoje Meta) esconderam pesquisas sobre os riscos que os produtos da empresa representam para as crianças.

“Estou aqui hoje porque acredito que os produtos do Facebook prejudicam as crianças, alimentam a divisão, enfraquecem nossa democracia e muito mais. A liderança da empresa conhece maneiras de tornar o Facebook e o Instagram mais seguros e não fará as mudanças necessárias porque colocou seus imensos lucros antes das pessoas”, afirmou Haugen na audiência.

A partir daí a Meta ampliou os recursos de segurança para adolescentes, incluindo esforços para evitar contato indesejado de adultos, ferramentas que permitem aos pais limitar a quantidade de tempo que seus filhos passam no Instagram e tecnologias de autenticação de idade.

Leia Mais: Redes sociais: O que esperar do social commerce em 2023?

Defesa das Big Techs tende a não se responsabilizar por conteúdo de terceiros

Desde 1996, com a Lei de Decência nas Comunicações dos EUA, se tornou praticamente impossível responsabilizar empresas, como as redes sociais, pelo conteúdo que trafega em suas plataformas. Isso porque um de seus parágrafos define que as plataformas online não são responsáveis pelo conteúdo postado por terceiros.

A lei se tornou a primeira linha da estratégia de defesa das Big Techs contra ações que questionam o que se passa dentro das redes sociais. O processo de Seattle argumenta que a norma não isenta as empresas de mídia social por recomendar, distribuir e promover conteúdo “de uma maneira que cause danos”, como os conteúdos apontados na ação apresentados a adolescentes.

E esse cenário pode realmente mudar. A Suprema Corte americana ouvirá mês que vem argumentos de um caso que visa limitar a Seção 230 e colocar os algoritmos de recomendação das empresas de mídia social na frente e no centro. Esses algoritmos estão no cerne do processo das escolas públicas de Seattle.


+ Notícias

“De mulher para mulher”, Marisa implementa nova jornada para clientes

FanLab, uma marca que fala a língua geek

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]