Pesquisar
Close this search box.
/
/
Questão de reputação

Questão de reputação

Como integrar informações financeiras e não-financeiras para gerar valor

Por Fabiane Goldstein*

A função de elaboração de relatórios é uma atividade intrínseca ao capitalismo. Os participantes do mercado precisam de informação para suas tomadas de decisão. Mas as críticas à forma como os relatórios financeiros têm desempenhado sua função de informação têm se tornado cada vez mais freqüentes e se intensificaram nos últimos 20 anos.

Com a economia cada vez mais baseada em conhecimento e informação, e menos em máquinas e propriedades físicas, muitos ativos de uma empresa não são capturados no balanço. A crescente base de ativos intangíveis que não são medidos no balanço é citada como uma das falhas dos relatórios financeiros em exercer sua função de informação. Isso pode ser verificado pela análise do valor de mercado das empresas que compõem o Índice S&P 500 nos últimos 35 anos: seu valor de mercado desviou-se muito do seu valor contábil, e isso está diretamente ligado aos valores intangíveis.

Gráfico: VALOR DE MERCADO DAS EMPRESAS QUE COMPÕEM O S&P 500

Mas a questão dos intangíveis começou a ser discutida bem antes disso. Acredita-se que o termo Responsabilidade Social Empresarial (RSE), ou Corporate Social Responsibility (CSR), foi cunhado pela primeira vez em 1953, com a publicação do livro “Social Responsibilities of the Businessman? de Howard R. Bowen , que fez a pergunta “Quais responsabilidades perante a sociedade os empresários devem assumir, de maneira razoável??. Mais de 60 anos depois, será que já temos uma resposta ampla e correta para essa pergunta? Os relatórios não financeiros, ou de dados ESG (Environmental, Social & Governance, ou Ambiental, Social e Governança) podem ser considerados uma dessas respostas.

Atualmente, milhares de empresas ao redor do mundo, sejam elas públicas ou privadas, de todos os tamanhos, publicam relatórios de sustentabilidade. Enquanto os relatórios financeiros são moldados por normas de contabilidade e auditoria, os relatórios de sustentabilidade seguem normas voluntárias, como as criadas pela GRI ? Global Reporting Initiative e, mais recentemente, pelo IIRC – International Integrated Reporting Council.

Existe uma visão de que os relatórios financeiros são voltados para investidores, enquanto os relatórios de sustentabilidade são dirigidos a todos os stakeholders, incluindo funcionários, clientes, fornecedores, mídia, comunidades locais e ONGs. Mas essa parece estar deixando de ser uma verdade absoluta.

Tem se notado recentemente um número crescente de grandes corporações e investidores interessados em informações sobre sustentabilidade na forma de dados ESG. O interesse é impulsionado por alguns investidores por razões éticas ou morais; para outros, por razões econômicas, uma vez que esses dados podem aprimorar o perfil de risco-retorno de uma carteira. As corporações estão incluindo sustentabilidade em sua cadeia de valor e exigindo esse posicionamento de seus fornecedores ? muitas vezes por pressão de seus investidores.

Seja qual for a razão, o investidor está interessado em dados, e o fato é que os balanços, na forma como são divulgados hoje, não fornecem informações sobre o desempenho ambiental, social e de governança.

Embora os relatórios de sustentabilidade visem preencher essa lacuna, os críticos destacam que eles o fazem de forma incompleta. Os dados incluídos em um relatório de sustentabilidade frequentemente não são auditados e, mesmo quando o são, o processo de asseguração ainda não se equipara ao de uma auditoria. Uma das principais razões para isso é que não existem normas de medição e relatórios rigorosos semelhantes aos existentes para relatórios financeiros. Organizações como a GRI já estão trabalhando para mudar isso, assim como as grandes empresas de auditoria, mas ainda há resistência por parte das empresas em contratar esse serviço.

O maior questionamento dos investidores tem sido a respeito do fato de que a informação contida nos relatórios de sustentabilidade raramente é apresentada no contexto do modelo de negócios e da estratégia de uma organização, o que torna difícil a compreensão de como o desempenho ESG relaciona-se com o desempenho financeiro e como as questões de sustentabilidade afetam o valor processo de criação de valor de uma organização.

Felizmente, os investidores já compreendem que esses dados precisam ser monitorados e que existe um relação risco-retorno envolvida. A tendência de maior pressão de investidores para que as empresas divulguem essas informações de maneira clara, transparente e totalmente integrada ao modelo de negócios só tende a crescer. Fundos de pensão de todo o mundo já têm incluído o assunto em seus manuais de Governança Corporativa, e têm incentivado fortemente as empresas em que investem a se posicionar com a publicação de relatórios de sustentabilidade.

Além disso, o Banco Central instituiu no ano passado, por meio da Resolução 4327, a Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA) que deverá ser observada por todos os bancos brasileiros, que responderão solidariamente e judicialmente no caso de um incidente socioambiental nos projetos que financiarem. Isso vai exigir um novo posicionamento a respeito do risco socioambiental por todas as empresas que buscarem um empréstimo em bancos.

Nessa linha, o movimento do Relato Integrado <IR> tem crescido globalmente, e nos parece uma tendência que precisa ser acompanhada com bastante cuidado pelas organizações. A visão de longo prazo das organizações participantes do IIRC é um mundo em que o pensamento integrado (integrated thinking) é incorporado dentro da prática das empresas dos setores público e privado, facilitado pelo Relato Integrado como orientador de relatórios corporativos. O objetivo é alcançar o ciclo de pensar, gerir e relatar de maneira integrada, resultando na alocação de capital eficiente e produtiva e, assim, agindo para a estabilidade financeira e a sustentabilidade do negócio.

O <IR> é necessário para empresas e investidores. As empresas precisam de um ambiente de elaboração de relatórios que seja propício para a compreensão e articulação de sua estratégia, o que ajuda a impulsionar o desempenho internamente e atrair capital financeiro para investimentos. Os investidores precisam entender como a estratégia que está sendo perseguida cria valor ao longo do tempo. Na visão do IIRC, essa é a evolução do processo de elaboração de relatórios corporativos.

Cada vez mais, os líderes empresariais estão compreendendo que o sucesso e a rentabilidade sustentável dos negócios são fortemente dependentes da manutenção de uma boa reputação corporativa, o que inclui a compreensão dos risco de reputação estratégica, incluindo riscos ESG. Para estarem bem posicionadas nessa área, as empresas devem adotar medidas robustas para construir resiliência organizacional, tanto em suas próprias operações como em sua cadeia de negócios.

* Fabiane Goldstein é Sócia da MBS Value Partners Brasil

No dia 15 de maio, em São Paulo, o Seminário de Investimentos NOVAREJO mostrará que a governança corporativa é uma ferramenta essencial para que as empresas ampliem sua capacidade de captação de recursos e de expansão de lojas. Venha debater com varejistas, fundos de investimentos, bancos e analistas como adotar governança e crescer mais que a concorrência. Os interessados podem verificar as condições de participação em 192.168.0.154/novarejo/seminario

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]