Pesquisar
Close this search box.
/
/
Quem decide o que as crianças podem ver na TV?

Quem decide o que as crianças podem ver na TV?

Será que os pais precisam da intervenção do Estado para decidir o que é bom ou ruim para seus filhos?

Segundo a Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, antropologia é o estudo do homem como ser biológico, social e cultural. Ele engloba origens, evolução, desenvolvimentos físico, material e cultural, fisiologia, psicologia, características raciais, costumes sociais, crenças etc.

Michel Alcoforado, antropólogo especializado em consumo, é sócio-diretor da Consumoteca, um escritório de conhecimento especializado no consumidor brasileiro. Para ele, o especial do portal sobre Publicidade Infantil, é uma daquelas questões que os dois lados estão certos.

?Estou de acordo com o discurso que vai contra a publicidade infantil porque incentivar que as crianças comprem ou ?atazanem? seus pais para comprar alguma coisa não é legal e isso traz uma série de preocupações que não fazem parte da infância. Mas tendo mais a concordar com as pessoas que são contra a proibição porque publicidade e consumo fazem parte da vida social brasileira e de qualquer lugar do mundo desde sempre e nós não podemos achar que durante a infância a pessoa não participará disso. Porque não tem como você participar da sociedade sem ser através de consumo?.

Leia também: Publicidade infantil: proibição, tabu e involução

Michel chamou a atenção para o quanto a proibição da publicidade infantil afetou e afeta a programação voltada para as crianças. ?Os canais e produtos voltados para crianças são, em boa parte, financiados pela publicidade. Você vê marcas querendo um espaço na TV; a empresa vai lá e cria um conteúdo para essas crianças e ele tem um intervalo para o conteúdo acontecer. No momento em que você tira a publicidade infantil, não terá mais ninguém para bancar esse negócio. Como que nós vamos gerar conteúdo para essas crianças? O governo vai bancar? Os pais farão uma associação para gerar conteúdo para os filhos??

O antropólogo cita dois pontos a serem reforçados. ?O primeiro é quem vai pagar essa conta, porque os pais querem conteúdo, mas não querem que seus filhos vejam a publicidade. E o segundo é: será que vale a pena a gente tirar o consumo, que é um elemento fundamental na construção da nossa sociedade moderna, nesse momento inicial da infância??.

Leia também: Publicidade infantil: é – ou deveria ser – proibido proibir

?Nós nascemos e morremos consumindo coisas. Não tem porque dizer que existe uma fase da vida que não podemos consumir?.

Michel comenta que acha interessante essa preocupação com a publicidade infantil porque, ao contrário do adulto e do adolescente, a criança não tem a decisão de compra. ?O pai é quem tem que dizer se é para ela ou não. Acho que mais uma vez nós estamos vendo um processo de transferir para o Estado a decisão de onde é que está o limite do seu filho. Isso não pode acontecer. Não é o estado que deve dizer o que meu filho pode ver ou não, sou eu. O estado não pode decidir nem legislar sobre a vida privada das pessoas, nem sobre a maneira como você educa o seu filho?.

Ele afirma que existem situações que não apenas podem como deveriam ser evitadas. Por exemplo, um desenho infantil ser estampado em produtos de limpeza é um risco para toda a família porque os produtos estão ao alcance das mãos da criança.   

Leia também: Brasil e o rigoroso controle da publicidade infantil
 

?Publicidade não tem que educar ninguém. Quem tem que educar é a escola, são os pais. A publicidade foi feita para vender, esse é um ponto básico?.

Para Michel, não existe programa nem publicidade impróprios. ?Nós já temos órgãos competentes fazendo esse tipo de avaliação ? o Conar está aí para isso, para decidir o que é publicidade própria e o que é imprópria. Precisamos parar com essa coisa de achar que a gente precisa ter lei para tudo. O papel de estado deve ser de agência reguladora, ficar de olho no que acontece. Na ditadura é que o governo decide tudo. Debater é importante, permitir ou não é que é o problema?.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]