Pesquisar
Close this search box.
/
/
Por uma agenda do cidadão e do consumidor brasileiro

Por uma agenda do cidadão e do consumidor brasileiro

Momento político e social não é momento para esquecer e deixar de lado aquele que deve estar no centro da operação, o consumidor

Carlos Thadeu C. de Oliveira*

No ano em que comemoramos 25 anos de promulgação do Código de Defesa do Consumidor constatamos, com pesar, que o Brasil passa por difícil momento tanto na economia como na política. O pior é que a resposta que a classe política tem dado a essas questões não parece atender se não a interesses partidários ou de facções, seja para arrancar concessões de um governo federal fragilizado, seja para prolongar a campanha eleitoral encerrada ano passado, seja para conquistar aliados no Parlamento.

Temas e assuntos estão sendo colocados na agenda ou pauta de votações ? e às vezes delas retirados ? como que num balão de ensaio, sem consequências práticas. É verdade que, muitas vezes, para nossa tranquilidade, como a nefasta ideia de cobrança pelo uso do SUS, ventilada semanas atrás. Para ficar apenas no plano da assistência à saúde, pouco mais atrás, a mídia noticiou a pressão das operadoras de planos de saúde sobre o Executivo coma finalidade de desregular o setor, ou melhor, o pouco do setor que ainda é regulado pela Agência Nacional de saúde Suplementar (ANS), a saber, os planos individuais e familiares (cerca de 20% apenas do total). O afastamento dessas propostas alivia, mas seu simples surgimento preocupa aqueles que zelam pelos direitos de cidadania e, especialmente, os do consumidor.

Em vez de se perderem nas chantagens e casuísmos, o que os três poderes, em todos os níveis de governo, poderiam oferecer ao cidadão-consumidor? Há uma extensa lista de problemas que afligem o consumidor brasileiro e que poderia ser enfrentada.
A celeridade em julgar assuntos pendentes há décadas, para os quais já há jurisprudência favorável aos consumidores nos tribunais superiores seria um deles. Notadamente os casos da apropriação indevida por parte dos bancos de correções da poupança dos brasileiros por ocasião dos diversos planos econômicos. O assunto está parado no Supremo Tribunal Federal.

O direito a uma boa assistência à saúde dispensa argumentos. Mas a falta de recursos do SUS ? mesmo diante de uma dívida gigantesca das operadoras privadas para com o sistema público ?, bem como a necessidade de regular os reajustes de 80% dos planos de saúde (os coletivos) parece passar longe dos homens públicos, a maioria dos quais possui planos de primeira linha.

A modicidade e a justiça tarifária em serviços tão essenciais como a energia elétrica, cujos aumentos infindáveis e exagerados, além de oprimir os orçamentos domésticos, pressionam a inflação, também poderiam ser o foco de discussões sérias, inclusive porque a escassez hídrica tem reflexos em outras tarifas, como as de saneamento básico, além de denotar a necessidade urgente de diversificarmos a matriz energética mais rapidamente. Note-se que não apenas o nível federal deve enfrentar essas questões: governos estaduais mordem generosa fatia do ICMS arrecadado nas tarifas desses serviços.

Elaborar leis e regulamentar as já existentes em assuntos como direitos digitais (Marco Civil da Internet) e proteção de dados e privacidade (existe um anteprojeto de lei do Executivo sobre o assunto) também deveria estar, em tempos de espionagem generalizada e ?big data?, na lista de autoridades preocupadas em preservar os direitos do consumidor a uma internet livre e plural e a uma preservação rigorosa da privacidade de seus dados.

Finalmente, enfrentar o problema de alimentos indutores de doenças crônicas não transmissíveis poderia compor uma agenda positiva do consumidor-cidadão. Não apenas a rotulagem mais ostensiva, como a redução compulsória de determinados nutrientes prejudiciais em níveis mais elevados ? sódio, açúcar e gorduras ? ou sua total proibição ? caso da gordura trans ? seriam medidas efetivas para evitar milhões de mortes e graus altíssimos de morbidade.

Em vez de negociar com os direitos do cidadão e do consumidor, existe uma agenda concreta e exequível a ser perseguida pelos que são responsáveis por melhorar a vida de todos os brasileiros e brasileiras.

* Carlos Thadeu C. de Oliveira é gerente técnico e de comunicação do Idec.

 

*Acompanhe nossa cobertura nas redes sociais sobre a comemoração de aniversário do CDC por meio da #CDC25anos.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]