Pesquisar
Close this search box.
/
/
Por que o ESG é um aliado da inovação?

Por que o ESG é um aliado da inovação?

Webinar da Hollun destaca elementos que a agenda de ESG trouxe às empresas e como eles foram primordiais nos últimos anos para a inovação.

O conceito de ESG é antigo, posto dessa forma em 2004. No entanto, ainda que a pauta não seja tão atual — diga-se de passagem, ela já era praticada com outro nome anos atrás — foi só nos últimos tempos que as empresas de fato representaram uma diferença: a agenda ESG foi seguida à risca, uma necessidade urgente do planeta, assim como dos consumidores.

Para além das urgências, é inegável perceber que o ESG puxa, consigo, uma cadeia de valores nos próprios colaboradores das empresas, nos clientes e futuros clientes, na reputação dentro do mercado. E mais do que isso, há algo que caminha de forma lado a lado com a agenda: a inovação.

Esse foi o tema do webinar “ESG como ponte para inovação”, realizado pela agência Hullun. O evento contou com a participação de Andrea Bisker, CEO e fundadora da Spark:off; Iza Dezon, CEO e fundadora da Dezon e Jacques Meir, diretor-executivo de Conhecimento do Grupo Padrão, com mediação de Christina Carvalho Pinto, sócia-estrategista da Hollun.

“O mundo está pedindo inovação. E o mundo está clamando por cuidados com o meio ambiente, com a sociedade por meio de uma governança consciente, capaz de se comprometer nesses mega temas tão emergenciais. E a inovação é a ponte para todos esses conhecimentos”, argumenta Christina.

A Geração Z e seu envolvimento com a agenda de ESG

O ESG como motivo de inovação foi algo fundamental e bastante perceptivo na pandemia, momento no qual houve uma intensa aceleração tecnológica. “Você tem pressão de sociedade, de tecnologia e novos negócios super disruptivos também passaram a fazer frente nessa nova agenda. Era necessário buscar inovação para reagir. Disso tudo veio o ESG, uma plantinha que começou a nascer. Ainda que tenha nascido há 50 anos, é agora que isso tomou força e se tornou uma narrativa”, explica Jacques.

E essa inovação, esse movimento de mudança nos últimos anos que chamou a atenção das empresas, começou com as gerações mais novas. “O momento de inovação é aquele em que questionamos o status quo, tem a ver com romper com práticas antigas, romper paradigmas. Para inovar, eu preciso entender os hábitos de consumo, entender que o consumidor cobra e eles são os jovens, as novas ‘Gretas Thunbergs’, eles que puxam essa inovação”, comenta Andrea.

Hoje, a adoção das práticas de ESG são fundamentais para garantir não apenas a transformação necessária ao meio ambiente, como também para atender a um consumidor que já não tolera marcas que não se pronunciam. “Estamos vendo que a adaptabilidade para além do discurso institucional, as empresas estão agindo, foi o caminho para conversar com esses nativos ecológicos e digitais que eu apelidei de Geração Zero — zero lixo, zero desrespeito, zero enrolação e assim por diante. É uma geração de rebeldes com causa, munidos de informação e compreensão do mundo graças à aceleração de tecnologias. Eles começaram a realmente conseguir transformar discursos em ações”, complementa Iza.

A questão é: como unir a inovação ao ESG? No passar dos últimos anos, as empresas notaram que sem campanhas honestas e sinceras pautadas em sustentabilidade, ações sociais e governança, não era possível se manter no mercado. A partir disso, a fim de resolver soluções internas e externas, nasceram as inovações em prol do meio ambiente — misturadas e interligadas, é claro, com a tecnologia.

“Quando pensamos no porquê as empresas estão discutindo isso, além do diálogo com o consumidor, há também uma questão econômica. Segundo a Springwise, em 2020, o prejuízo das mudanças climáticas foi de 85 bilhões de euros. Quando temos esses valores, percebemos que precisamos reiniciar essas indústrias, porque o impacto precisa ser hiper ecológico, industrial, precisa vir em grande escala”, salienta Iza. Ela destaca que, em momentos nos quais o consumidor já não aceita mais corroborar com empresas que não trabalham sua agenda de ESG, ele muda seu hábito de consumo. “O consumidor se entende como cidadão do mundo, então ele usa do dinheiro como voto de confiança naquela empresa e suas crenças e propósitos. Precisamos falar de transparência, de criatividade, é um momento de despertar de responsabilidade que vem por causa do impacto ambiental, econômico e da pressão dessa nova geração e aproveitar esse período para fertilizar a inovação”, completa.

A confiança se tornou investimento por parte do novo consumidor

Como destacou Iza, hoje, o voto de confiança dos consumidores mais jovens vem por meio do dinheiro e da escolha de consumo. Se uma empresa tem ações comprometedoras com o meio ambiente e a sociedade e ainda não reverteu a situação, a Geração Z tende a irar aquela marca de sua lista — e, consequentemente, investir em outra corporação que trabalhe melhor a agenda de ESG.

“As pessoas não acreditam que o Goveno ou Instituições farão a diferença. A diferença está nas mãos das marcas. E isso foi uma percepção muito positiva aos empreendedores de hoje, porque eles entendem que a geração Z vota na carteira, porque a compra é um voto de confiança na marca. Então, além de todos os outros benefícios, abraçar o ESG hoje é lucrativo, porque se você não abraça, você está fora do mercado e perde essa confiança”, destaca Andrea. “E é algo simples: se as empresas e indústrias não pararem e mudarem, não vai ter futuro, não vai ter planeta para os nossos filhos crescerem. Isso tem tudo a ver com inovação: é questionar tudo e encontrar novos caminhos.”

Tudo isso leva à questão mais debatida hoje no mundo dos negócios: o cliente é o centro. Assim, é papel da empresa ser o agente de transformação pensando que o cliente está engajado com as pautas sociais e de sustentabilidade. “As empresas precisam entender que elas são responsáveis, que elas assumem o papel de agentes de transformação. E essa mudança não pode ficar privada somente a alguns grupos sociais”, diz Jacques. “Qual é a finalidade de uma empresa que existe sem clientes? Sem consumidores? O consumidor hoje é cidadão e sem ele, não existe empresa. Ser agente de transformação é também ser inclusivo: incluir mais gente, mais pensamentos, necessidades, narrativas, discursos.”

E nesse ponto, é muito importante ressaltar que as empresas, para além das práticas sustentáveis e sociais precisam se posicionar. Afinal, vivemos na era das redes sociais e quem se silencia é tomado como conivente com determinadas pautas. “As pessoas estão conectadas, conscientes. Tem uma frase que eu adoro, que diz ‘o silêncio das mídias sociais é o beijo de morte delas’, ou seja, é preciso se posicionar. A sociedade não deixa mais as marcas mentirem ou omitirem. Agora, para as marcas, é preciso ter coragem para se manifestar. Mas é isso: é muito melhor liderar a agenda do que só comentá-la”, argumenta Andrea.

No fim, é preciso ter em mente que a inovação ligada ao ESG é um conjunto de valores e ações que hoje lideram o mercado. Cada vez mais as empresas investem em soluções sustentáveis, em prol da sociedade e assumem seus princípios. O importante, salienta Jacques, é refleti-los de forma sincera. “Propósitos você não compra no supermercado, não é assim. Ou você realmente pensa e reflete sobre os valores que levaram você a criar uma empresa, que fizeram a empresa chegar até o atual estágio ou você não vai sair do lugar. Não tem como, até porque tem o Google, a coisa mais fácil que tem é pesquisar o histórico de uma empresa e saber o que ela fez até hoje”, finaliza.


+ Notícias

Logística ESG: estratégias diminuem impacto no meio ambiente e contribuem com sociedade

Cinco maneiras de reconhecer verdadeiras pautas ESG

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]