Pesquisar
Close this search box.
/
/
Passagem mais barata por causa da cobrança de bagagem: isso realmente aconteceu?

Passagem mais barata por causa da cobrança de bagagem: isso realmente aconteceu?

A cobrança de bagagem despachada existe desde 2016. Desde o início, empresas prometiam que a medida resultaria em passagens mais baratas. Mas isso aconteceu em algum momento?

Nesta terça-feira, a Câmara dos Deputados concluiu a análise da medida provisória (MP) que flexibiliza a legislação do setor aéreo. Entre outros pontos, o texto restabelece o despacho gratuito de bagagem de até 23 quilos em voos nacionais e de até 30 quilos em voos internacionais. Agora, a decisão está nas mãos do presidente, Jair Bolsonaro.

Embora a atual MP tenha sido aprovada no fim do ano passado, o debate sobre a cobrança da bagagem existe há pelo menos cinco anos.

Em 2016, a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), órgão que regula o setor, autorizou a cobrança de bagagem mediante a promessa de que passagens aéreas ficariam mais baratas para o consumidor. Mas, depois de tanto depois, o preço da passagem ficou menor?

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

2017: os fatores querosene e dólar

Em 2017, um ano após a autorização da cobrança de bagagem despachada, o preço médio ficou estável.

Segundo um levantamento da ANAC de 2017, o preço médio da passagem aérea no segundo semestre foi de R$ 384,21, alta de 0,1% na comparação com o mesmo período de 2016, quando o bilhete médio custou R$ 383,90.

Já em 2017, o consumidor teve a certeza que dificilmente as empresas cumpririam a promessa de uma passagem aérea mais barata a partir do fim da gratuidade da passagem.

Reportagens feitas em 2017, caso da Consumidor Moderno, questionaram empresas do setor sobre a não redução do preço da passagem. Em resposta, as companhias aéreas citaram duas complexidades que, embora velhas conhecidas, não pareciam influenciar na promessa feita em 2016: a variação do dólar e o preço do querosene específico usado pela aviação civil, conhecido pela sigla QAV.

De fato, dólar e querosene realmente oscilaram naquele ano. O querosene da aviação civil (QAV), que representa 30% dos custos e despesas dos serviços de transporte aéreo no Brasil, oscilou entre R$ 1,51 e R$ 1,60 e chegou a R$ 1,81 motivado por questões de oferta e demanda do produto. Isso representou uma alta de 24% na comparação com 2016.

2018: a demanda aumenta e o preço… também?

Em 2018, muita gente que acompanhou o debate sobre a redução de preço já tinha em mente que a gratuidade na bagagem, dólar e querosene são fatores impactam no valor do produto. Mas seria possível cumprir a promessa em 2018?

O setor até alcançou algumas reduções de preços naquele ano. Em levantamento feito pela ANAC naquele ano, das dez rotas analisadas, quatro realmente ficaram mais baratas. Um exemplo foi o voo entre Congonhas e Porto Alegre, que registrou queda de de 23,7% na comparação com 2017.

No entanto, o fator realmente decisivo não teria sido o combustível ou o dólar, mas a oferta e demanda de voos. O trecho entre Congonhas e Porto Alegre, por exemplo, praticamente dobrou na Latam e cresceu quase 40% na Gol.

Mas isso explica a queda? Mais ou menos.

O mesmo estudo, por outro lado, revelou que o trecho entre Congonhas e Curitiba registrou aumento na demanda, mas também no preço da passagem: elas ficaram cerca de 20% mais caras com aumento de 10% no número de passagens vendidas.

Mais uma coisa: das dez rotas, seis ficaram mais caras.

2019: a alegação da concorrência

Para entender o que aconteceu em 2019, precisamos dar um passo atrás e voltar para 2018.

O então ex-presidente e Michel Temer aprovou uma medida provisória com diversas ações voltadas a abertura do setor aéreo ao capital estrangeiro.

A MP foi para o Congresso Nacional para se tornar uma lei definitiva e, então, o tema da cobrança da bagagem ressurgiu. Foi apresentada uma emenda que proibiu a cobrança de bagagem de até 30 quilos em aeronaves com até 31 lugares.

A lei acabou aprovada no Congresso, assim como a emenda da gratuidade. No entanto, coube ao atual presidente, Jair Bolsonaro, tomar a decisão sobre a nova lei. A MP virou lei, mas a gratuidade foi retirada da norma. O próprio Congresso garantiu a manutenção do veto.

Bolsonaro explicou que o veto à gratuidade poderia influenciar positivamente no desembarque de empresas low cost para o mercado nacional e até internacional – feitas na América do Sul.

A propósito, a ANAC registrou mais uma alta em 2019: 8%, em média.

2020 e 2021: pandemia

O ano de 2020 parecia promissor para o setor. Novas regras de competitividade no setor e a sem a gratuidade. A Associação Brasileira de Empresas Aéreas (ABEAR), inclusive, chegou a falar no  interesse de pelo menos cinco companhias especializadas em low cost no mercado brasileiro.

Porém, veio a pandemia e todas as negociações foram suspensas ou encerradas. Com o passar dos meses, o plano agora era sobreviver diante da enxurrada de pedidos de cancelamentos de viagens ou remarcações com datas incertas – afinal, ninguém sabia quando os voos seriam retomados naquele momento. Além disso, vender passagem era um desperdício de tempo.

No fim de 2020, o Brasil já se preparava para o início da vacinação contra a COVID-19 e deixava o setor mais esperançoso. Tanto que o setor tentava atrair passageiros com descontos e condições de pagamento. Não à toa, a queda no preço médio das passagens, no quarto trimestre de 2020, foi de 14,5%.

Com a vacinação iniciada no início de 2021, o setor parecia caminhar para a retomada dos voos – e na alta dos preços.

De acordo com a ANAC, a tarifa aérea média doméstica real (ou seja, corrigida pela inflação) no terceiro trimestre de 2021 foi de R$ 529,93, alta de 45,3% na comparação com o mesmo período de 2020 e de 12% contra iguais meses de 2019.

2022: Guerra na Ucrânia

Este ano, segundo explica o presidente da ABEAR, Eduardo Sanovicz, as empresas estão lidando com os reflexos de uma guerra na Ucrânia, caso do dólar em alta e um aumento vertiginoso na cotação do barril de petróleo.

Até fevereiro deste ano, dados da ANAC indicavam alta de 15%. No entanto, a incerteza sobre o fim da guerra na Ucrânia, pode resultar em novas altas no dólar e no barril de petróleo.

Bilhões com a cobrança

Se a cobrança de bagagem não foi decisivo para a queda no preço da passagem, ela representou um bom reforço nos caixas das companhias aéreas.

Um recente levantamento feito pelo UOL apontou que as companhias aéreas, juntas, acumularam quase R$ 3 bilhões com a cobrança de bagagens desde 2017. Segundo a ANAC, que fez o levantamento, chegou a representar uma das principais rendas extras das empresas.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente 


+ Notícias

Turismo: aumento da tarifa de bagagem preocupa consumidor

Multa de milhões: Itapemirim é punida após cancelamento de voos

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]