Pesquisar
Close this search box.
/
/
O varejo do futuro: menos intermediários, mais tecnologia

O varejo do futuro: menos intermediários, mais tecnologia

Inovações podem impactar toda a cadeia de valor do varejo e tendem a transformar a realidade que conhecemos. Entenda as possíveis mudanças

A pandemia de COVID-19 trouxe muitos inconvenientes e, é claro, episódios de imensa tristeza. Disso não podemos esquecer. Porém, é preciso reforçar também que o esforço para lidar com o novo coronavírus e com o distanciamento social acelerou diferentes tendências, muitas delas ligadas a digitalização. Os consumidores pós-pandemia não serão os mesmos e o varejo terá que se adaptar e se preparar ainda mais para atender esse novo meio de consumo.

É o caso do pagamento digital (que tende a ganhar força, uma vez que o contato físico diminuiu) e do e-commerce (ao qual o brasileiro já se tornou muito mais familiar durante a quarentena). Isso não quer dizer, contudo, que as lojas físicas serão deixadas de lado: ao contrário, essa é uma oportunidade para que as empresas adiantem o uso de tecnologias que, até então, eram adotadas de maneira discreta.

Como explica Christian Rempel, Consultor da Logicalis, “tendências tecnológicas passam por um processo de maturação”. Ou seja, não são adotadas do dia para a noite. Como exemplo, ele cita a tecnologia de self-checkout, que foi adotada por algumas empresas no Brasil, mas não em grande escala, como nos EUA.

Comprando com independência

O mesmo vale para a loja autônoma, que alcançou seu ponto alto com a criação da Amazon Go, mas também não se tornou um modelo escalável ainda. “Em paralelo, vimos o movimento de startups copiando esse modelo: há três delas que desenvolvem esse tipo de tecnologia”, diz. “No Brasil, já existem alguns espaços em que a experiência de autonomia é colocada em prática, como na Ame Go, loja localizada em um edifício da construtora JFL Living, no bairro de Pinheiros, em São Paulo”.

Nesse sentido, Rempel afirma que o grande desafio da loja autônoma é justamente combinar o funcionamento perfeito da tecnologia com a escalabilidade. Além disso, destaca o aspecto cultural, que está facilitado pela questão da higiene e do distanciamento. “Culturalmente, esse modelo trazia a comodidade da velocidade; agora, mais do que nunca, ajuda na questão do isolamento social”, explica Alessandro Martins, head de P&D para tecnologias em loja de uma grande empresa de e-commerce.

Antes do consumo

As tendências não surgem somente com o processo final, de compra. Como apontam os executivos, a inovação, especialmente associada à economia compartilhada, tem impactado a cadeia de valor do varejo como um todo. Eles refletem sobre a origem da economia compartilhada, bem anterior aos aplicativos, presente, por exemplo, na atuação das consultoras de empresas de cosméticos. “A grande vantagem é a aceitação social e a eliminação de intermediários”, argumenta Reinaldo Monma, Consultor Sênior da empresa. “É uma tendência que pode se consolidar por esses dois motivos”.

A economia compartilhada já está presente também, por exemplo, na flexibilização da entrega e da distribuição de produtos. “Vemos uma tendência de distribuição de produtos sem o uso de um Centro de Distribuição”, diz Jefferson Kiocia, Arquiteto de Soluções Sênior. Nesse caso, as lojas passam a ser usadas como locais para estocagem e posterior distribuição, considerando até mesmo a possibilidade de haver lojas que não são abertas para o público. “Há muito o que evoluir na economia compartilhada na área de supply”.

Consumidor participante

Em um segundo estágio, as empresas podem começar a utilizar espaços que não são próprios – como os lockers, no caso da Amazon, ou até mesmo parceiros (de comércio ou serviço) que centralizariam uma série de produtos a serem retirados por consumidores que estivessem por perto, morando ou trabalhando.

Em última instância, Rempel considera a possibilidade de as companhias usarem até mesmo espaços dos consumidores para armazenar seus produtos (na garagem, por exemplo). Com isso, além de uma enorme cadeia de distribuição, o varejo poderia usar algoritmos de predição de compra e realizar a entrega nesses pontos de coleta até mesmo antes do consumidor decidir pela compra, gerando redução de custos e eliminando intermediários com cada vez mais criatividade.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]