Pesquisar
Close this search box.
/
/
O que o varejo está fazendo para reduzir as perdas do negócio?

O que o varejo está fazendo para reduzir as perdas do negócio?

NOVAREJO conversou com especialistas e varejistas para entender o que o setor está fazendo para evitar a perda de bilhões por falta de processos

A cadeia de fornecimento do varejo é longa e complexa. Durante a jornada do produto do fornecedor até o ponto de venda muita coisa acontece. No meio do caminho, o produto pode estragar, outros podem quebrar, embalagens podem ser amassadas. Na loja, itens podem ser roubados e furtados. Há itens que nunca saem dos estoques. Cada situação dessa pode parecer erros operacionais pontuais, mas juntas representam bilhões em perdas no varejo.
A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!
O último levantamento sobre o tema, realizado pelo Ibevar (Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo), mostra que o índice de perdas no Brasil chega a 2,25% – ou seja, 2,25% do faturamento líquido das empresas varejistas ao final de 2016 foram para o lixo. O número é representativo: para se ter uma ideia, somente o faturamento das 350 maiores empresas do setor alcançou os R$ 493 bilhões em 2016, segundo o Ranking NOVAREJO Brasileiro. Aplicando esse porcentual de perdas entre essas empresas, o valor jogado no lixo chegaria a R$ 11 bilhões – e, veja, estamos falando apenas das 350 maiores redes do País.
De olho nesses números, o Magazine Luiza, um dos maiores varejistas do País, tem investido na área de prevenção de perdas, com foco na redução de roubos e furtos. Desde 2015, a companhia instalou nas lojas cadeados eletrônicos, especialmente em smartphones e tablets para evitar furtos. No acumulado de janeiro a dezembro de 2016, a companhia reduziu as perdas totais e registrou ganhos de R$ 86,6 milhões com a iniciativa.
Apesar de representar boa parte das perdas no varejo, os roubos e furtos estão bem longe de representar a maior parte dessas perdas. “Geralmente o mercado se prende a roubos e furtos externos, mas é o que acontece dentro do negócio que pode gerar mais perdas”, afirma Anderson Ozawa, especialista em perdas e coordenador do Comitê de Prevenção de Perdas do Ibevar.

Mas o que gera perdas?

“A lista é grande do que gera perda. Temos desde a quebra de produto, roubo de funcionários, roubo de clientes, falta de registro no caixa, embalagens com problemas. Há várias falhas operacionais”, afirma Marcelo Tupan, COO da Tlantic. “A falta de gestão de estoque é um grande problema. As margens são baixas e qualquer percentual de perda em cima de estoque tem um impacto grande na operação. Essa variável é mais sensível para o varejo e é onde está a grande parte financeira das lojas. Em prevenção de perdas, é preciso olhar o estoque de vários ângulos”, afirma.
Os erros começam pela mensuração do problema. Para se ter uma ideia, os números do Ibevar ou de qualquer outra instituição não são precisos. Primeiro porque nem todas as redes mensuram as perdas e as que mensuram têm o desafio de conhecer a origem delas. “O varejo ainda é avesso a dar informações. No caso de perdas, ou eles mentem ou omitem, mas o setor tem visto a necessidade de começar agora a mensurar de verdade, porque esses números fazem a diferença na linha final”, afirma Luiz Fernando Sambugaro, especialista em prevenção de perdas e diretor de comunicação da Gunnebo.
“Quando falamos em quebra, não existem estudos quantitativos médios, porque a variação é muito grande. Isso depende do nível de maturidade de gestão da loja, do próprio controle de estoque, da gestão de categorias”, afirma Luiz Muniz, fundador da Telos Resultados. “Você encontra níveis de quebra que representam 1,5% do faturamento, mas existem empresas com níveis de perda de 15%”, afirma.
“A cadeia de abastecimento em si carrega vários motivos para a geração de perdas. Faltam processos para fazer os controles nos processos logísticos, faltam planos de gerenciamento de risco, até para entender se o motivo da perda foi uma fraude do processo de caminhão ou se foi na loja”, afirma Ozawa.
Quer saber o que o varejo está fazendo para reduzir as perdas? Então, leia a reportagem completa na revista NOVAREJO. 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]