Pesquisar
Close this search box.
/
/
O outro lado da guerra das maquininhas

O outro lado da guerra das maquininhas

A movimentação entre os adquirentes e suas maquininhas nunca foi tão intensa. Se você estiver olhando apenas para a taxa mais baixa ignora a mudança que essa competição está provocando no varejo

Há cerca de dois meses, a Rede, empresa de adquirência vinculada ao Grupo Itaú-Unibanco surpreendeu o mercado com um movimento agressivo: o fim da taxa cobrada na antecipação de recebíveis oriundos de pagamentos realizados com cartões de crédito. A antecipação de custo foi oferecida para todas as empresas e empreendedores com faturamento de até R$ 30 milhões que usam maquininhas da Rede e tenham conta no Itaú. A medida acendeu mais um rastilho de pólvora em um segmento que vive em competição intensa, com diversos players e fintechs disputando espaço e procurando conquistar a preferência de lojistas, prestadores de serviço e empreendedores individuais com suas maquininhas e soluções agregadas.

O lance da Rede representou um líder querendo impor seu jogo, depois de compreender que a natureza competitiva do negócio está em transformação. Desde que o mercado de adquirência foi liberado pelo Banco Central há pouco menos de uma década (com o fim da exclusividade que amarrava uma maquininha a uma bandeira apenas), o ambiente foi se tornando mais promissor para que empresas insurgentes pudessem se aproveitar dos problemas e vícios existentes, derivados da excessiva concentração em mãos de empresas organizações tradicionais. O mercado que se organizou em torno de Cielo e Rede, hoje ganha novas alternativas com a Getnet, Stone, PagSeguro e Bin/First Data para ficar apenas nos mais populares. Junto com a desregulamentação e o incentivo à competição veio também a possibilidade de embarcar inovações em série nas chamadas maquininhas. Assim, cada terminal hoje traz muito mais do que apenas permitir a compensação de pagamentos em débito e crédito, funcionando como uma central de soluções que incluem o pedido de antecipação de recebíveis, créditos rápidos, campanhas, oferta de seguros, cupons, e mais uma infinidade de dados obtidos a partir das transações.

O fato é que as maquininhas (tecnicamente conhecidas como POS) são hoje a face mais visível de um estilo de consumo digital, no qual os pagamentos eletrônicos são a porta de entrada para uma revolução que vai remodelar a face do varejo e dos serviços no mundo inteiro. Porque a captura de dados de um meio de pagamento – um cartão de crédito ou débito – de forma digital deu origem à uma série de inovações que redefiniu o varejo: carteiras digitais, pré-pagos, QR Codes, lojas com self checkout ou sem check out, pagamentos em totens ou robôs circulantes, aplicativos com descontos especiais e outros elementos que se combinam de múltiplas formas para oferecer a melhor experiência para o cliente.

O surgimento de novos players com múltiplos serviços e taxas mais competitivas tornou o mercado mais inclusivo. Se antigamente o pagamento com cartões era possível em redes de varejo de grande porte, hoje o mercado está incrivelmente mais inclusivo. Mesmo prestadores de serviço independentes – fisioterapeutas, manicures, personal trainers, professores particulares, dentistas – têm a sua maquininha à disposição para facilitar o recebimento de pagamento por seus serviços.

O aumento da oferta das maquininhas incentivou a criação de fintechs que, por sua vez, aperfeiçoaram a experiência de meios de pagamento, cartões de crédito gerenciados por apps, contas digitais, plataformas de investimentos. O binômio cartões e adquirentes hackeou o dinheiro físico e gerou uma lacuna que permite às startups confrontarem os grandes bancos de varejo. Mas nada disso se concretiza sem que o varejo compreenda seu papel nessa nova formatação de cenário.

As redes varejistas, de maneira geral, necessitam entender que os avanços oferecidos aos consumidores nas transações – pagamento via carteiras digitais, por aproximação, via celular, QR Code, pré-pagos, etc – precisam se estender à experiência de loja como um todo. Globalmente, essa tendência parece ter sido assimilada, como mostramos em diversos artigos publicados durante o World Retail Congress este ano, mas, no Brasil, ainda registramos iniciativas tímidas, elementares, que talvez traduzam alguma diferenciação, sem força para mudar os rumos do mercado, e pouco valor adicionam ao cliente. A debilidade geral da inovação produzida em nosso mercado (incluindo o varejo), tem relevância diminuta pela ausência de personalização, baixa velocidade, e pouca conexão com as aspirações e expectativas dos consumidores.

Escolher o melhor adquirente para seu varejo, significa pensar a loja como ambiente de conversação, como mídia e central de conteúdo exclusivo, capaz de emocionar e trazer sensações diferentes a cada novo dia. Os dados coletados nas transações trazem insights valiosos que podem ser replicados na experimentação constante do ambiente, para aprimorar a experiência geral nos canais trazendo fluidez em cada etapa da jornada do cliente até a efetivação da transação.

Por conta dessa nova necessidade, a guerra das maquininhas não pode ser encarada como uma busca por menores taxas nas compensações de transações e sim como a primeira etapa de um processo de transformação digital que unifique os canais em torno de uma plataforma. A partir daí o consumidor precisa ter acesso a uma experiência intensa, envolvente e que redimensione a transação como mais um elemento relacional e capaz de criar vínculos sólidos entre ele e a rede varejista.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]