Pesquisar
Close this search box.
/
/
O CAPITALISMO CONSCIENTE É UMA JOGADA DE MARKETING?

O CAPITALISMO CONSCIENTE É UMA JOGADA DE MARKETING?

Dá mesmo para conciliar a rentabilidade aos princípios e valores de uma empresa consciente?

Austin, Texas, EUA – Vamos aos fatos: 77% dos membros da Geração Z querem marcas que façam suas vidas melhores e mais felizes. Eles estão à procura de marcas que sejam forças do bem. As empresas estão aprendendo a interpretar os dados e parecem dispostas a atender às expectativas dos consumidores de terem uma vida mais plena. O famigerado “capitalismo consciente” é uma ideia que os consumidores adotam com seu dinheiro e repercute por um fator decisivo: como podemos desenvolver uma marca ou começar uma nova que faça sentido para esse consumidor?

O painel “Capitalismo consciente é somente uma jogada de marketing?” reuniu no SXSW executivos de marcas reconhecidas pelo seu engajamento: Jordan Glassberg, Vice-Presidente da TOMS, Jamie Gutfreund, Chief Marketing Officer Global da Wunderman (mediadora), Bentley Hall, CEO da Good Eggs e Anthony Marino, Chief Marketing Officer da thredup (e-commerce de roupas usadas).

Essas empresas iniciaram sua jornada com a crença absoluta na sustentabilidade, de tal modo que enfrentam constantemente os desafios inerentes a conciliar a fidelidade aos próprios valores e princípios e a busca por rentabilidade.

Jamie Gutfreund começa o debate perguntando se realmente a missão das empresas é verdadeira e genuína. Jordan Glasseberg, da TOMS afirma que a empresa não está no negócio de calçados, mas sim no negócio de ajudar quem não tem calçados ou acesso a outros elementos básicos de vida. Marino, da thredup, diz que o que o inspirou foi uma lógica simples: as pessoas têm muita coisa guardada em suas casas, que não usam, e procuram formas de abrir espaços em seus closets e armários. Então a thredup nasceu para abrir espaços não só nas casas das pessoas, mas em suas mentes, oferecendo alternativas para “escoar” esse excesso de moda não usada.

Lucro facilita fazer o bem

A construção e manutenção dos princípios dessa cultura é um desafio permanente. Como é possível defender esses valores no cotidiano, com a pressão de resultados? Marino diz que é evidente que negócios precisam gerar dinheiro e lucro para sobreviverem, mas não podem simplesmente fechar os olhos para a realidade. Empresas não dão as coisas simplesmente. O que fazem de bom é despertar as pessoas para formas diferentes de viver, de encarar como vivem e como viver melhor. É uma história complexa, que depende da comunicação, de como contamos essa história, ainda mais para pessoas que têm centenas de opções de fazer o bem todos os dias.

Foto: Jacques Meir

Glassberg comenta que as pessoas ainda têm a chance de simplesmente doar dinheiro e bens para ONGs. “Por que então se relacionar com empresas como as nossas? Precisamos oferecer condições para que as pessoas acreditem realmente no que fazemos”.

Outro desafio, para além do valor social é, então, justamente a proposta de valor do negócio. Como mediar e arbitrar essas proposições, da causa e do negócio?

Bentley Hall fala que é muito divertido pensar em como as propostas de valor coincidem na Good Eggs. Afinal todas as pessoas gostam de receber produtos frescos pela manhã, sentir o sabor real de tomates, de ovos, de peixes. Nossa ideia simples é entregar comida saudável – uma causa e um negócio que se complementam: “os ovos orgânicos representam 22% do nosso negócio. Isso significa que estamos fazendo o bem para as pessoas que consomem e para produtores que cultivam produtos de uma forma mais natural e sustentável”.

Jamie Gutfreund diz que a TOMS tem um modelo similar à da Warby Parker (compre um e doamos um para quem precisa – calçados na TOMS, óculos na Warby Parker). Esse é um modelo feito para parecer bom, uma nova forma de fazer negócios com uma face positiva ou é realmente um compromisso que cada empresa assumiu de forma espontânea? Glassberg disse que, apesar das similaridades dos modelos, a história de vida dos empreendedores é completamente distinta. O que os une é a tentativa de criar negócios que façam sentido nesse contexto atual. “O fato é que os consumidores estão pensando desse jeito. E estão percebendo que seu dinheiro precisa ser usado com mais sabedoria e propósito, e não pelo consumismo puro e simples”.

Aliviando a culpa

Marino defende o poder dos pequenos gestos. Ele diz que as pessoas não necessariamente procuram preços menores, mas não querem se sentir culpadas por gastar muito dinheiro em artigos supérfluos. “Por isso, usamos bem as redes sociais, conseguimos embalar bem as mensagens, falar com as pessoas de forma natural”.

O CEO da Good Eggs, Bentley, fala que seu negócio depende menos da propaganda do que da paixão. Ele enfatiza que tudo o que vende tem “originação”, as pessoas sabem de quem compram, tem a informação correta e o meio digital é excelente para estabelecer essa conversação com o público. A mensagem se difunde e é trabalhada pelas pessoas.

Em resumo, o Capitalismo Consciente veio para ficar. Ele atende aos anseios de uma larga parcela de consumidores, que se sentem “partes” do negócio. Não são poucas as pessoas que se voluntariam para trabalhar por esses negócios.

Marino conclui: “nessa jornada, não tenha medo de ser inconsistente. Há muita coisa para ser criada e é preciso ouvir, testar, errar e seguir em frente”.

*Jacques Meir é Diretor de Conhecimento e Plataformas de Conteúdo do Grupo Padrão

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 285

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
Rhauan Porfirio | Nathalia Parra


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Angela Souto
[email protected] 

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
Nathalia Parra | Zootz Comunicação

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 285

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
Rhauan Porfirio | Nathalia Parra


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Angela Souto
[email protected] 

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
Nathalia Parra | Zootz Comunicação

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]