Pesquisar
Close this search box.
/
/
De terceiro pai a cuidador de idosos: novas funções da tecnologia digital

De terceiro pai a cuidador de idosos: novas funções da tecnologia digital

Você terceirizaria a educação do seu filho para um robô? E a saúde dos seus pais? Antes de responder, veja a evolução das tecnologias associadas ao bem-estar

A CES 2023 é um evento gigantesco que se espalha por toda a cidade de Las Vegas e provoca reflexões menos pelas tecnologias que exibe e mais pelas implicações que estas mesmas tecnologias trazem para a sociedade, o comportamento e o funcionamento dos mercados.

Acompanhar eventos como o CES, que difundem tecnologias e protótipos de Lifestyle é sempre uma desafio quando projetamos essas ideias para a realidade brasileira. Ainda assim, nosso propósito em Consumidor Moderno, mais do que criar e alimentar fetiches sobre as possibilidades da tecnologia, é tentar mostrar como elas podem ser viáveis dentro das condições e dos contextos possíveis considerando a nossa cultura e condições.

Quando falamos no uso da tecnologia como instrumento de educação familiar, abordamos um assunto que está presente em milhões de lares do país, nas capitais e até mesmo em pujantes cidades do interior. É pertinente discutir como a tecnologia pode contribuir para a educação de crianças enquanto mal temos professores de ensino fundamental disponíveis para elas.

A CES 2023 explorou essa discussão ambivalente, o uso de ferramentas digitais no Interior das casas e como ela pode – ou não – complementar as atribuições dos pais também ajudar o cotidiano de pessoas idosas.

O terceiro pai

É possível pensar na tecnologia onipresente nas residências como um “terceiro pai”? Essa é uma reflexão necessária para educadores, psicólogos, antropólogos e cientistas sociais que realmente se importam em dimensionar os impactos da adoção e imersão em tecnologias e conectividade em nossa sociedade e como elas podem moldar ou sugerir comportamentos diferentes.

Dados do Pew Research Center mostrados durante a CES 2023 revelaram o comportamento contraditório dos pais diante do uso de tecnologia pelos filhos. O estudo compreende os EUA, mas os insights encontram correspondência evidente com a organização familiar no Brasil, ainda que ponderada pela assimetria e desigualdade de renda.

O que destacamos é a expressiva e precoce adesão das crianças aos smartphones e os conflitos sentidos pelos pais por conta disso.

  • Praticamente 7 em cada 10 pais de família acreditam que seus filhos estão mais propensos a ter problemas de relacionamento no futuro por causa do uso do smartphone;
  • Em compensação, 95 das crianças americanas de até 11 anos já tem um smartphone;
  • A penetração de dispositivos de telas ou que se ligam a elas é universal entre as crianças, seja a TV, utilizada por mais de 70% das crianças até 2 anos, passando pelo celular, tablet e os consoles de jogos;
  • O uso intensivo de telas, ainda que não seja compreendido em toda a sua dimensão, associado simplesmente à “tecnologia” ou às “redes sociais” (com índices de 28% e 29% no estudo), moldam a crença de que o exercício da paternidade hoje é muito mais difícil do que há 20 anos;
  • O viés aqui é que não é a “tecnologia” por si, ou o acesso às “redes sociais” que dificultam a educação e, sim, a inabilidade dos pais em lidar e confrontar seu papel em uma realidade digital. Isso porque os jovens da Geração Alpha, nascidos a partir de 2010, não se ligam em redes sociais (a exemplos dos irmãos da Geração Z, nascidos entre 1995 e 1999). Seu campo de atenção multitela é o game e seu espelho são jogos comunitários como o Fortnite. Aliás, os Alpha também já são chamados de Geração F (Fortnite, o jogo de ação rápido e vertiginoso, baseado em avatares que atiram uns nos outros com armas especiais);
  • A própria Geração Z já entende que a ideia de “rede social” é obsoleta porque valoriza o individualismo. Ela prefere ambientes sociais de conexão e networking, como o Discord, o Twitch e o TikTok, este associado à autoexpressão espontânea e momentânea, assino como o Instagram;
  • A criação de dispositivos de IA orientados à educação twmbém se populariza com rapidez. O melhor exemplo é o ROYBI Robot, um robô dotado de IA para educar crianças em linguagem e habilidades STEM. O robô recebeu prêmios e reconhecimentos mundo afora pela forma de interagir com as crianças.

Assim, é nítido que a tecnologia digital chegou para ficar como elemento indissociável da educação e formação dos jovens, com consequências ainda em consolidação. Como afirma o filósofo e ex- trader de sucesso, Nassim Taleb, autor de best sellers influentes e que causaram incômodo, como “A lógica do Cisne Negro” e “Arriscando a própria pele”, em seu novo livro, “A cama de Procusto”: “O sonho de ter computadores que se comportam como humanos está se tornando realidade, com a transformação de uma única geração de humanos em computadores.” Para ele, a obsessão na permissão do uso de tecnologias na educação e no desenvolvimento dos jovens pode estar contribuindo para o uso massivo de medicamentos que auxiliem “as crianças a se adaptar às disciplinas escolares e não remodelar essas disciplinas para que se adaptem às crianças conectadas”.

Por outro lado, será inevitável conviver com a vida híbrida desses jovens. Já existem inclusive projetos avançados de “Metaversidades” (Metaversities), ou universidades que também oferecem aulas e extensões no metaverso. Isso porque a pandemia mostrou claramente que o uso do Zoom como plataforma de EAD é simplesmente obsoleto.

O papel dos pais, de formadores e formadores do caráter de seus filhos não pode ser terceirizado a dispositivos. Ao mesmo tempo, é necessária um olhar mais denso e estruturado para o uso saudável da tecnologia, compreendendo limites de tempo para esse uso, intercalados com atividades lúdicas, leituras, monitoramento constante. Criar filhos sempre foi trabalhoso, desde a aurora da humanidade. Está apenas diferente agora.

Tecnologia, longevidade e bem-estar

Outra área de estudo é o papel das tecnologias digitais na longevidade. De que forma dispositivos, aplicativos e novos negócios podem colaborar para uma vida mais longa, mais saudável e ativa? Os dispositivos vestiveis, associados a inúmeros apps já permitem monitorar diversas condições de saúde dos públicos de várias faixas etárias, aí incluídos pressão, ritmo de batimentos, respiração, diabetes, coalhes on-line, programas nutricionais e de qualidade de vida.

Oportunidades de negócios no mundo das health techs, surgem a todo momento, considerando as tendências instaladas de vidas mais longas e preocupações com o bem-estar social e mental. Os robôs que funcionam como cuidadores de idosos já são comuns e irão se multiplicar, oferecendo diversas habilidades para suprir a necessidade acompanhamento e monitoramento de idosos com a saúde fragilizada, física ou mentalmente. O desafio de prolongar a vida humana, superando pandemias, desastres naturais e decadência física está colocado para inúmeros empreendedores e é um desejo de centenas de milhões de pessoas.

A busca por auto-otimização, uso de elementos e complementos que permitam extrair e potencializar a melhor versão de cada pessoa vão modelar tentativas de criação da tendência que denominamos de “Eugoritmo” em 2022. A procura pelo algoritmo que defina e responda às preferenciais individuais por conhecimento, afeto, carreira e vida social está em curso.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]