Pesquisar
Close this search box.
/
/
Por que a NFT poderá ser regulada em um futuro próximo?

Por que a NFT poderá ser regulada em um futuro próximo?

Fraudes, possibilidade de uma nova bolha "pontocom", privacidade de dados e outros motivos podem levar a uma regulação da NFT.

Duas recentes notícias internacionais acenderam o alerta sobre as transações em NFT, o token não-fungível que funciona como uma espécie de selo de autenticidade e de unicidade.

Um deles está relacionado ao pessimismo de especialistas sobre os primeiros projetos de NFT. Uma dessas vozes é Gary Vaynerchuk, ou Gary Vee, apontado como um dos maiores gurus digitais da atualidade e fundador da VaynerMedia.

Em entrevista a CNBC, ele comparou a atual histeria com o NFT ao boom do mercado de ações da era “pontocom” do início dos anos 2000. “Estes projetos são as ações da Internet de 1999. 98% dos projetos (NFT) vão para zero”, afirma Vaynerchuk, que completa.” Em março de 2000, quando todas as ações da internet que foram superestimadas e entraram em colapso, a Amazon estava lá a sete ou oito dólares por ação, a mesma coisa acontecerá no espaço NFT”, conclui.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

O outro sinal vem do Reino Unido e aponta para o surgimento de fraudes envolvendo NFTs. O departamento fiscal do Reino Unido, o Her Majesty’s Revenue and Customs (HMRC), afirma que realizou a primeira apreensão de um NFT de uma autoridade do país, segundo a BBC News.

De acordo com a notícia, a autoridade deteve três pessoas por tentarem enviar £ 5 mil em criptoativos que estavam escondidos dentro de três obras de arte digitais. Ainda de acordo com o órgão, estima-se que a fraude pode chegar a £ 1,4 milhão.

A descoberta da fraude e a possibilidade de bolha geraram debates sobre a necessidade de uma regulação. Segundo Patrícia Martins, sócia na área de tecnologia e inovação de Tozzini Freire Advogados, essa é uma possibilidade real no horizonte dessa nova tecnologia. E o motivo ela explica em um rápido bate-papo com a Consumidor Moderno.

Consumidor Moderno – Olhando para o cenário atual de NFT, a senhora projeta alguns desafios? Quais são eles?

Patrícia Martins – Embora os NFTs estejam adquirindo maior popularidade a cada novo lançamento, ainda não há regulamentações que ditem regras legais especificamente para NFTs e seus representantes. No entanto, existem algumas questões-chave que surgiram enquanto investidores, empresas de tecnologia e outros interesses comerciais exploram esse espaço.
Primeiro, é importante ponderar sobre a descentralização (promessa justamente de tecnologias como o blockchain, criptoativos e o próprio NFT).

Ao promover transações virtuais de forma descentralizada, você perde (total ou parcialmente), ao menos no começo da implantação da tecnologia, a supervisão do Estado sobre tais eventos. Era como o bitcoin, no começo, em que pouco se sabia sobre como as exchanges iriam ser regulamentadas ou as compras/vendas dessas criptomoedas poderiam ser tributadas. Com o tempo, esses aspectos foram resolvidos, na medida do possível. Não antes, é claro, de promover debates sobre conceitos jurídicos tradicionais, como territorialidade e soberania de Estados, por exemplo.

Assim, é evidente que transações de NFTs, como as envolvendo avatares e obras de arte virtuais, por exemplo, precisarão ser discutidas e estudadas sob a ótica do Direito para que seus desafios jurídicos sejam resolvidos. Atualmente, podemos citar como temas jurídicos particularmente sensíveis para NFTs e outras transações virtuais as questões de direitos autorais, de propriedade, patentes e marcas; exequibilidade; possíveis infrações penais envolvendo NFTs; necessidades de registros formais, além da blockchain, inclusive para negociações imobiliárias; e até mesmo questões relacionadas a proteção de dados, principalmente referentes aos usuários, compradores ou vendedores de ativos dessa natureza. Outras, entretanto, poderão surgir conforme a tecnologia se populariza e vai ganhando novas aplicações.

CM – É possível falar na aplicação do direito de arrependimento e outros proteções previstas no CDC em transações com o NFT? Quais seriam os limites do uso das leis? De novo, seriam necessárias as aprovações de leis complementares ou até uma nova legislação?

P.M – Um regime regulatório que recebeu pouca atenção até o momento no espaço NFT é a proteção ao consumidor. Como as NFTs geralmente são vendidas a compradores de varejo, os mercados de NFTs e os participantes do mercado devem estar cientes de que as regulamentações de proteção ao consumidor podem se aplicar a essas vendas. Como isso se dará, no entanto, ainda é uma conversa em andamento.

Dado que NFTs são uma oportunidade relativamente nova para as empresas de consumo, é importante que as questões legais e de reputação sejam devidamente consideradas à luz das tecnologias facilitadoras usadas para entregar um NFT e os processos de transação associados. Além da tecnologia, esses direitos também serão moldados pelo ambiente contratual no qual o NFT é usado. As empresas devem, portanto, estar atentas aos direitos e responsabilidades dos titulares ao definir a natureza precisa de um NFT.

Por enquanto, todos os participantes do ecossistema NFT devem considerar uma ampla gama de leis e regulamentos aplicáveis para evitar relações comerciais incertas e o escrutínio dos reguladores. Considerações adicionais podem ser aplicadas se outras jurisdições estiverem envolvidas em aspectos do processo, por exemplo, na cunhagem dos NFTs ou se houver promoção ativa do NFT em outros mercados. Uma análise cuidadosa do arranjo subjacente específico será fundamental para caracterizar adequadamente os NFTs.

Até que se consolide novas regras que contemplem adequadamente os NFTs, será imprescindível a aplicação das legislações atuais para os primeiros debates quanto as relações de consumo envolvendo a nova tecnologia. É necessário que os primeiros fatos aconteçam, para que então as discussões tenham material de estudo para elaboração de uma nova regulamentação.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 284

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
YUCA | Estúdio Criativo

ILUSTRAÇÃO:
Midjorney


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

Fabiana Hanna
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
YUCA | Estúdio Criativo

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Líder de Marketing Integrado 
Suemary Fernandes 
[email protected]

Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 284

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
YUCA | Estúdio Criativo

ILUSTRAÇÃO:
Midjorney


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

Fabiana Hanna
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
YUCA | Estúdio Criativo

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Líder de Marketing Integrado 
Suemary Fernandes 
[email protected]

Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]