Pesquisar
Close this search box.
/
/
Por que o metaverso já é um assunto para a defesa do consumidor

Por que o metaverso já é um assunto para a defesa do consumidor

O banimento de jogos como o Free Fire virou uma pauta para a defesa do consumidor. Entenda o motivo

Na próxima edição da Consumidor Moderno, um dos assuntos que iremos abordar é a nova agenda da defesa do consumidor para a próxima década. A reportagem faz parte das comemorações dos 10 anos do evento A Era do Diálogo.

A lista inclui diversos assuntos, mas dois deles vão estrear nos próximos anos: o NFT (o token não-fungível ou uma espécie de carimbo digital que exibe a autenticidade e unicidade de algum bem virtual) e o consumo dentro do metaverso.

NFT: fraudes

No caso do NFT, muitas queixas podem estar relacionadas a fraudes de transações comerciais. E os primeiros casos já começam a aparecer.

Em novembro do ano passado, por exemplo, criminosos usaram um site falso de um jogo chamado Axie Infinity para furtar criptomoedas. Os criminosos anunciaram a falsa venda de um NFT para o jogo. No golpe foram levados 28,3 Ethereum (ETH), algo que na ocasião resultou em um prejuízo de R$ 707 mil. Muitos jogadores tentaram responsabilizar a companhia.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Além disso, a OpenSea, a maior plataforma de emissão de NFT, admitiu que 80% dos conteúdos gerados com o NFT são fraudes, golpes ou spams.

Metaverso: banimento e estorno do dinheiro

O metaverso é outro assunto que não apenas interessa, mas já bate à porta da defesa do consumidor. Pior: na verdade, já existem muitos processos na Justiça relacionados ao metaverso e que utilizam como fundamento jurídico justamente o Código de Defesa do Consumidor (CDC).

Um exemplo são as ações na Justiça de jogadores contra a Garena, desenvolvedora do Free Fire, um dos mais populares metaversos da atualidade. Um dos principais especialistas do momento no tema é Pedro Bohrer, advogado especializado no assunto. Ele conta que, somente no escritório, já existem mais de 300 processos sobre o tema.

Muitos desse processos, segundo o advogado, estão relacionados ao banimento de jogadores por insultos, palavrões ou o uso de softwares que conferem uma vantagem não permitida pelo jogo. Bohrer explica que a defesa dos jogadores se pauta pela reativação da conta do jogador sem qualquer prejuízo, ou seja, com tudo aquilo que ele ganhou ou pagou para aprimorar o avatar.

“As ações têm valores pequenos, mas envolvem pedidos de recuperação do dinheiro investido no jogo e mais o dano moral. Hoje já atendemos mais de 300 casos ligados ao Free Fire e outros metaversos. O mundo pode até ser digital, mas a compra é feita no mundo real. E isso tem impacto no nosso direito”, afirma.

Um exemplo de processo contra metaverso ocorreu no ano passado no Paraná. Um jovem jogador identificado como Tiago Cruz dos Reis de Azevedo foi banido do game Free Fire pelo uso de aplicativo que daria uma vantagem proibida no jogo. Ele alega que investiu quase R$ 1 mil no avatar, ou seja, era um cliente da companhia.

Pedro Bohrer, advogado especialista em direito gamer

Por meio do advogado Bohrer, o debate na Justiça não discute se a empresa tem ou não razão em banir o jogador. O problema é que o banimento de Tiago ocorreu sem uma justificativa detalhada dos atos ilícitos. Pior: ele foi feito por meio de um bot e com uma mensagem genérica – ou a mesma para todos os jogadores.

“Segundo os arts. 4°, inciso III, e 6°, inciso III, do CDC, a relação jurídica entre consumidores e fornecedores deve ser equilibrada e pautada pela boa-fé, sendo direito básico do consumidor receber informação clara e adequada sobre os produtos e serviços”, argumenta o advogado na ação.

No fim, a Justiça do Paraná ordenou a reativação da conta. Mais do que isso, o judiciário ordenou a devolução do avatar com todos os melhoramentos pagos pelo consumidor.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

banner AED


+ Notícias

Erros que diminuem o debate sobre o direito do consumidor

8 perguntas que o consumidor deve fazer caso peçam os dados pessoais

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]