Pesquisar
Close this search box.
/
/
Apple lança iPhone em meio a guerra com órgãos de defesa do consumidor

Apple lança iPhone em meio a guerra com órgãos de defesa do consumidor

Sexta-feira teve desde fiscalização da Senacon no lançamento do iPhone 14 até liminar que blinda Apple de processos administrativos

Nesta sexta-feira (14/10), o novo iPhone 14 começou a ser vendido no Brasil, mas a briga entre a Apple e os órgãos de Defesa do Consumidor continua. O motivo é a comercialização dos aparelhos sem os respectivos carregadores, o que para a Secretaria Nacional do Consumidor pode ser enquadrado como venda casada, já que o acessório é considerado essencial para o funcionamento do smartphone.

Com o início da venda do novo modelo, a Senacon e os Procons programaram para hoje uma fiscalização para verificar se a Apple estava cumprindo a exigência do Ministério da Justiça, que proibiu a venda dos celulares sem os carregadores.

Segundo a Secretaria, caso irregularidades fossem constatadas, mais um processo administrativo seria aberto e a empresa norte-americana poderia ser multada em R$13 milhões de reais. A Senacon também chegou a notificar as revendedoras dos aparelhos, varejistas e operadoras de telecomunicações, de que poderiam ser punidas por estarem comercializando os produtos de forma irregular.

Acontece que também nesta sexta-feira, a Apple conseguiu uma liminar que impede a Secretaria Nacional do Consumidor de entrar com processos administrativos e de aplicar multas ou medidas de busca e apreensão de iPhones, por exemplo, devido à ausência dos carregadores. O pedido de liminar foi concedido pela juíza federal Liviane Kelly Soares Vasconcelos, da 20ª Vara/SJDF. Na decisão, a magistrada suspende as notificações da Senacon até que a Agência Nacional de Telecomunicações se manifeste. Segundo a juíza, a própria Senacon reconhece que as medidas punitivas sugeridas, ainda deveriam passar por uma confirmação da Anatel.

Por outro lado, o secretário nacional do consumidor, Rodrigo Roca, afirmou ao Valor Econômico que a homologação de smartphones pela Anatel para uso no Brasil se refere à compatibilidade dos aparelhos com as redes móveis do País e nada teria a ver com a questão dos carregadores. Por isso, Rodrigo reforçou que a decisão da Senacon segue prevalecendo até segunda ordem e deve ser cumprida imediatamente porque diz respeito a um vício de produto, pela falta de peça essencial.

Os vários capítulos deste embate

Em setembro, o Ministério da Justiça cassou o registro de aparelhos celulares da Apple a partir do iPhone 12 por estarem sendo vendidos sem os carregadores de bateria e aplicou ainda uma multa no valor de R$ 12.274.500,00. A Apple recorreu da decisão, alegando que parou de fornecer o carregador no momento da compra dos aparelhos por uma questão de proteção do meio ambiente.

Segundo a Apple, a fabricação dos carregadores é responsável pelo maior uso de materiais como zinco e plástico da empresa e desvincular os adaptadores dos aparelhos ajudou a reduzir a emissão de carbono da companhia. No posicionamento enviado à imprensa, a Apple também explicou que atualmente existem “bilhões de adaptadores de energia USB-A em uso em todo o mundo” e que o não fornecimento do item no momento da compra do iPhone não impede o cliente de utilizar o celular.

Como a Apple entrou com recurso, a multa estabelecida pelo Ministério da Justiça não foi cobrada, mas a Senacon afirma que nada muda em relação à proibição da prática.

Em paralelo à questão da liminar e do lançamento do Iphone 14, aconteceu mais um capítulo desse embate que merece ser destacado. Ontem, quinta-feira (13/10), o juiz Caramuru Afonso Francisco, da 18ª Vara Cível de São Paulo determinou que a Apple pague R$ 100 milhões de reais pelo que ele chamou de “danos sociais” causados pela venda dos aparelhos da marca sem o carregador. Para o magistrado, trata-se de um “caso evidente de venda casada às avessas”, já que ao não entregar o acessório a empresa impõe ao consumidor a aquisição do produto.

A decisão da Justiça obriga ainda que a Apple entregue um carregador para cada cliente que não recebeu o acessório no momento da compra ou reembolse os compradores dos valores pagos nos carregadores. Para isso será necessário que o cliente apresente a nota fiscal do produto adquirido.

Para Senacon, Apple não comprova impacto ambiental

Apesar da justificativa da empresa, a Secretaria Nacional do Consumidor segue afirmando que a Apple não comprovou o impacto positivo do não fornecimento dos carregadores junto aos celulares adquiridos pelos consumidores. Segundo a Senacon, como o carregador é um item essencial para o funcionamento do celular, a partir do momento que a empresa deixa de fornecê-lo, o consumidor se vê obrigado a adquiri-lo separadamente na própria loja da Apple, onde eles são vendidos.

A Senacon reforça que de qualquer maneira os carregadores de bateria seguem sendo colocados no mercado, só que agora sendo “comercializados” pela empresa, que passou a lucrar com isso. Para a Secretaria, essa prática pode ser considerada “venda casada”. Além disso, o órgão de defesa dos direitos do consumidor enfatiza que a retirada do carregador do “pacote”, já que agora a venda é só do iPhone sem carregador, não acarretou a redução do preço dos aparelhos.

A Apple deixou de vender o iPhone com carregador em outubro de 2020, quando houve o lançamento da 12ª geração. A decisão do Ministério da Justiça de multar e aplicar sanções à venda dos iPhones no Brasil são resultado de processo administrativo iniciado em dezembro de 2021 pela Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), depois que a Apple se recusou a celebrar um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), restabelecendo o fornecimento dos carregadores.


+ Notícias

Mudanças na regra de rotulagem de alimentos já valem para produtos novos

Entra em vigor Decreto do SAC: veja o que mudou 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 285

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
Rhauan Porfirio | Nathalia Parra


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Angela Souto
[email protected] 

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
Nathalia Parra | Zootz Comunicação

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 285

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
Rhauan Porfirio | Nathalia Parra


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Angela Souto
[email protected] 

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
Nathalia Parra | Zootz Comunicação

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]