Pesquisar
Close this search box.
/
/
Os primeiros impactos da lei do superendividamento na economia

Os primeiros impactos da lei do superendividamento na economia

Impactos da economia, primeiras interpretações de termos novos na nova lei e a educação financeira estão presentes na lei do superendividamento. Entenda o que muda com a norma

Um dos conhecidos reflexos do novo coronavírus é o impacto nas diferentes economias, seja elas desenvolvidas ou não. No Brasil, alcançamos a marca de 14 milhões de desempregados no País e rompemos a barreira de 72% das famílias endividas. Dentro desse universo, o cartão de crédito se tornou o  maior vilão: mais de 80% dos endividados chegaram a essa condição por causa desse objeto de plástico – e hoje também virtual. E isso sem falar nos mais de 30 milhões de superendividados.

Até por conta desse cenário, a Lei do Superendividamento é cercado de grandes expectativas. Uma delas é a que a lei tem mecanismos que podem  injetar mais de R$ 350 bilhões na economia por meio de regras para renegociação da dívida.

“A lei veio resgatar a dignidade do consumidor-cidadão no Brasil. A lei promete injetar muitos recursos novos para o mercado a partir da renegociação de dívidas para os superendividados. E isso abre um cenário de boas expectativas para o pós-pandemia”, explica Jacques Meir, diretor-executivo de conhecimento e mediador do painel “Superendividamento: o resgate do cidadão para alavancar a economia”.

Sobre a lei

Frederico Moesch, coordenador-geral de estudos e monitoramento de mercado da Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), explicou sobre o termo “superendividado” ou, como ele prefere, o endividado qualificado. “Sabemos a importância do credito para o desenvolvimento de qualquer economia. O crédito permite fazer investimentos, antecipar compras e muito mais. Não há problema em ter dívidas que caibam no seu orçamento. O problema é comprometer o mínimo existencial, as despesas essenciais que nós temos, tais como alimentação, vestuário, transporte, educação dos filhos e assim por diante”, explicou.

A lei, segundo ele, protege o superendividado e garante o mínimo existencial. E não apenas isso. A norma possui mecanismos de prevenção. Por exemplo: a oferta do crédito tem que considerar a capacidade de pagamento do consumidor e ainda verificar a necessidade do consumidor, ou seja, oferecer produtos que sejam adequados a demanda. Mais: ela diz respeito a educação financeira. “Não estamos falando de perdão de dívida, mas ajustar as condições de pagamento”, explica Moesch.

Nascedouro

Fernando Martins, presidente da Brasilcon, contou que a lei nasceu dentro da entidade a partir de provocações ocorridas no ambiente acadêmico. Clarissa Costa Lima, da Brasilcon, Karen Danilevicz Bertoncello, juíza de direito do Rio Grande do Sul, e Claudia Lima Marques fizeram uma pesquisa de campo nos juizados especiais e Procons para entenderem o superendividamento na economia real. A partir disso, elas verificaram um movimento parecido na Europa.

“O crédito sofreu a popularização a partir de 2002. Isso levou e trouxe a patologia do crédito. O crédito é muito bom, o problema é a patologia, a doença que ele causa na sociedade”, explicou Martins, que contou ainda que, assim como o Brasil, existem outros países que já adotam a lei. “O Brasil, assim como outros 23 países, alcançaram a lei de superendividamento, mas cada um respeitando a sua  perspectiva. O país usou como parâmetro o modelo francês”, explica.

Contra inadimplência e educação financeira

Amaury Martins de Oliva, diretor de Sustentabilidade, Cidadania Financeira, Relações com o Consumidor e Autorregulação da FEBRABAN, destacou que o superendividamento do consumidor não interessa a ninguém. “Não interessa ao consumidor, ao estado e nem aos bancos. A inadimplência hoje responde por um terço do custo do crédito. Mais inadimplência significa maior taxa de juros e aumenta o spread”.

Hoje, a Febraban afirma que atua em três eixos. O primeiro é o remédio, que são as renegociações de dívidas. O outro é o compromisso. “Desde 2008 temos um sistema de autorregulação da Febraban que são compromissos voluntários dos bancos com alguns temas em benefício do consumidor”, explica.

O terceiro eixo é a prevenção e tem sido um dos destaques da entidade este ano. Além de sites com informações sobre o crédito e outr0s temas, Amaury revelou que os bancos devem apresentar até o fim do ano uma plataforma de educação financeira gamificada.

Concessão de crédito e interpretações

Teresa Cristina Athayde Marcondes, diretora Jurídica do Contencioso Cível do Itaú Unibanco destacou dois pontos importantes na lei: as obrigações na concessão de crédito.

“O Itaú vê com bons olhos a lei. Tem dois pontos principais que acho que beneficiam o sistema financeiro, os bancos e os consumidores. A parte da concessão de crédito, que tem uma série de obrigações, tais como deixar as condições de crédito claras, parcelas e taxas. Isso é algo que o setor financeiro vem trabalhando”, disse.

Por outro lado, Marcondes ressaltou algumas preocupações quanto ao uso da lei. Ela citou como exemplo justamente os termos “superendividado” e “mínimo existencial”, grandes novidades da norma.

“Tem uma questão importante que são os conceitos de superendividado e mínimo existencial. Isso (definição) é uma coisa que cada banco ou instituição que empresta dinheiro tem o seu próprio conceito. E se você tem um conceito próprio, um conceito legal, torna-se quase uma corrida (pelo autor da definição). O primeiro que chegar, está bem. O primeiro que conseguir cobrar está melhor ainda. Então, precisamos ter um conceito legal que ajude a dizer qual é o limite da concessão de crédito”, explique.

A lei, como bem lembrou a diretora, tem uma definição sobre o superendividamento. No entanto, o problema está na interpretação do termo presente dentro do conceito de superendividamento: o chamado mínimo existencial.

“O mínimo existencial é uma coisa para um, uma coisa para outro. Precisamos tomar cuidado sobre o que é o mínimo existencial para que tenhamos clareza e segurança jurídica, tanto para quem está emprestado quanto para quem está recebendo o dinheiro e desde que não impeça a concessão de crédito em condições em que ele poderia ser concedido e é saudável. Além disso, precisamos ficar atentos para a que a norma não crie obrigações impossíveis no momento da concessão de crédito. Existem informações que não temos acesso, tais como as dívidas diversas dos consumidores. 

Educação financeira

Lauro Chaves Neto, economista e conselheiro federal da Confederação Nacional de Economia (Cofecon) destacou que o tema do superendividamento está relacionada ao tema da economia comportamental, ou seja, fatores psicológicos, sociais e outros que resultam nesse problema.

“O superendividmento é um problema econômico e social, pois tira do mercado aqueles com problemas de endividamento. Isso interrompe uma série de atividades de pessoas físicas e jurídicas”, destaca.

Nesse sentido, ele ressalta a importância da educação financeira, algo presente na lei “Hoje, o tema já faz parte do ensino fundamental, do ensino médio e não só do ensino universitário. É uma questão de educar na base para que e as crianças cresçam adultos mais conscientes com o dinheiro. Além disso, temos que habilitar o consumidor ao crédito, mas me refiro ao crédito responsável, atrelado a educação financeira”, disse.

Ainda sobre a educação financeira, Martins, da Brasilcon, destaca que o assunto sempre esteve presente no Código de Defesa do Consumidor (CDC), mas não tem o mesmo impacto objetivo da norma sobre o superendividamento. “A lei trata a educação como direito básico, só que ela é um elemento retórico, ou seja, não tinha concretude dessa educação. Era igual a ideia de fraternidade da Revolução Francesa. Agora, a educação financeira tem dois vieses importantíssimos: primeiro a autorregulação, presente na rotina da Febraban. Esse é o famoso programa de conformidade, o compliance, ou seja, medidas de prevenção”, disse.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]