Pesquisar
Close this search box.
/
/
Gargalos e oportunidades a partir da lei do superendividamento

Gargalos e oportunidades a partir da lei do superendividamento

Correspondentes bancários, a comunicação com o consumidor e outros assuntos são alguns dos desafios a partir da lei do superendividamento

Ainda é prematuro afirmar quais serão as mudanças na vida do consumidor a partir da lei do superendividamento. Por ora, o que existe são hipóteses e algumas baseadas no atual momento da oferta de crédito. E o que temos hoje mostra o tamanho do desafio que teremos pela frente.

Em suma, esse foi o resumo do bate-papo entre os painelistas do último painel do Simpósio do Superendividamento. Jacques Meir, diretor-executivo de conhecimento do Grupo Padrão e mediador do encontro, destacou a cultura do endividamento que faz parte do cotidiano do brasileiro desde o Plano real, em 1994.

“Somos um pais viciado em dívida. Há dívida no setor público, empresas se endividam, há consumidores com débito. Parece que a gente adora defender a tese de ‘quem não deve, não tem’. Carecemos de uma certa maturidade e a educação financeira passa a ser um tema muito importante”, afirma.

Rogerio Taltassori, ouvidor do Itaú Unibanco, destacou que a imensa maioria dos seus consumidores são pessoas que tomaram o crédito, cumpriram o contrato e realizaram os seus sonhos ou objetivos. “Temos que buscar por um número cada vez maior de pessoas que cumprem os seus contratos. No entanto, claro, é natural que exista um percentual que busque a repactuação. Somente no ano, por causa da pandemia, nós renegociamos mais de 1,8 milhão de contratos pessoa física. Nós observamos o fenômeno do superendividamento e estamos preocupados”, afirma.

Claudia Silvano, diretora do Procon Paraná, afirma que o órgão de defesa do consumidor vem observando há algum tempo o fenômeno do superendividamento. Uma das coisas que o órgão notou é a incidência de um que o processo de negociação que, no fim, torna-se o fechamento de outro negócio. E isso não seria saudável.

“Eu vejo que não podemos permitir a continuidade de uma prática onde o consumidor endividado ou superendividado, numa negociação hoje com um banco, é visto como alguém fazendo um novo negócio. Esse é o ponto fundamental. Desse jeito, eu não tiro o cara da roda-viva da divida”, afirma.

Informação

Para os painelistas, a informação (ou a falta dela) oferecida ao consumidor ainda é um desafio para o setor financeiro. Há ainda a tal da letra miúda, termos incompreensíveis, calculo de juros que muitos não entendem, entre outros assuntos. Felizmente, tivemos avanços importante no aprimoramento dessa informação nos últimos anos.

Um exemplo é uma tecnologia presente no Itaú que permite prever o superendividamento do consumidor e, assim, avisar o cliente sobre a possibilidade dele ficar totalmente atolado em dívidas. “A gente vem fazendo intervenções com esse cliente, emitindo alertas, oferecendo acomodações ou troca de uma dívida e até postergar o pagamento. Mas essa comunicação não é fácil. As pessoas normalmente não gostam dessa abordagem, pois entendem que isso é uma cobrança. Não é. O nosso desafio é achar a comunicação certa para que o cliente não entenda isso como cobrança”, afirma.

Correspondentes bancários

Outro assunto que preocupa Claudia e o Procon Paraná é a parceria dos bancos com os chamados correspondentes bancários ou lojas que oferecem o crédito no lugar do banco. Segundo ela, grande parte dos problemas se originam nesses estabelecimento.

“Hoje eu posso tomar o crédito em uma loja na esquina do Procon, que oferece o serviço com alguma facilidade. Isso é um problema. Eu não tenho dúvida que exista a preocupação dos bancos sobre o tema da educação financeira, mas eu duvido que esse nível de cuidado alcance esses parceiros. Honestamente, pelo o que vimos, nem sempre é passada a informação sobre todos os riscos de fazer aquele negócio. É um desafio”, afirma.

Sobre a parceria com os correspondentes bancários, Taltassori reconhece a influência nem sempre positivo dos parceiros, mas afirma que o banco conseguiu contornar essa questão. O banco adotou uma série de medidas que ajudem o consumidor a refletir sobre a contratação do crédito. Hoje, o ouvidor, o cliente faz o primeiro contato com o correspondente, porém a confirmação da contratação é efetivada após um contato do banco com todas as informações com a contratação.

“Mesmo que ele tenha uma abordagem não completa ou inadequada, a gente tenta se cercar de outras formas de comunicação nesse momento. Se ele não fizer a confirmação por outro canal, aquela operação é cancelada, mesmo que ela tenha sido gerada pelo correspondente bancário”, explica.

Tecnologias para renegociações

Um fenômeno importante e desejável é a onda de ideias e tecnologias que  podem surgir a partir da lei do superendividamento. Empresas como a Flex, empresa de business process outsourcing (BPO) se debruçam para aprimorar o processo de renegociação de dívida.

Fabrizio Torres, diretor de Operações de Cobrança da Flex, empresa de business process outsourcing (BPO), afirma que as primeiras reuniões internas sobre o tema aconteceu logo após a aprovação da lei do superendividamento.

“Após a aprovação, tivemos contatos de alguns clientes pedindo ajuda com a lei do superendividamento. Muitos relataram que já surgiram os primeiros pedidos de negociação. A nossa proposta foi fazer uma mesa negociadora antes de ir para o judiciário, que anda sobrecarregado”, explica.

O diretor da Flex acredita que muitas mesas de negociações serão criadas pela iniciativa privada e serão conduzidas por mediadores aceitos pelo consumidor e pelos diferentes mercados credores. O motivo tem como base uma afirmação de Cláudia: os Procons ainda não estão preparados e muitos sequer possuem condições de realizar a grande demanda que a norma vai criar.

“Meu ponto de atenção é: como todo o mercado vai se preparar para essa mesa de negociação e entender os limites da negociação impostos pela lei. É um assunto quente e não sabemos como o mercado vai se adequar a esse processo”, afirma.


Quer saber mais sobre a lei do superendividamento?

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]